Não deixe de curtir a página do "Espírita Na Rede" no Facebook, clique na foto abaixo para ser direcionado:

CONTADOR DE VISITAS

contador de visitas

Clique na imagem abaixo para pausar a música de fundo:

CURSO DE EDUCAÇÃO MEDIUNICA

1º ANO

27ª EDIÇAO

EDIÇOES FEESP – SÃO PAULO – 2011

AUTORES DIVERSOS

Sumário

Apresentação                                                                                     9

 

1ª Aula

A) Mediunidade                                                                                    11

B) Mediunidade e Fidelidade                                                                  18

 

2ª Aula

A) Intercâmbio Mediúnico                                                                    21

B) Muralha do Tempo - Guarda-te em Deus                                           24

 

3ª Aula

A) Médium, Sensibilidade e Comunicação com os Espíritos                       26

B) Evangelização do Médium                                                                29

 

4ª Aula

A) Perispírito, Propriedades e Mediunidade                                            34

B) O Labor das Almas                                                                          38

 

5ª Aula

A) Centros de Força ou Centros Vitais                                                    41

B) Diretrizes do Evangelho                                                                   44

 

6ª Aula

A) A Epífise                                                                                        48

B) Força Mediúnica                                                                              52

 

7ª Aula

A) Ação dos Espíritos sobre a Matéria                                                    56

B) Pensamento como Energia Mental                                                    61 

8ª Aula

A) O Papel dos Médiuns nas Comunicações                                            64

B) Serviço Mediúnico e a Influência Moral do Médium                              66

 

9ª Aula

A) Manifestações Espíritas                                                                   69

B) As Comunicações Espíritas                                                              76

 

10ª Aula

A) Mediunidade: Faculdade Humana - Percepção dos Animais                  79

B) Êxito Mediúnico                                                                               83

 

11ª Aula

A) Animismo e Mistificação                                                                  87

B) Parábola da Ovelha Perdida                                                              92

 

12ª Aula

A) Fixação Mental                                                                                95

B) Necessidade da Reencarnação - Viagem da Vida                                99

 

13ª Aula

A) Transtornos Mentais - Doenças Psíquicas - Influenciações                102

B) Responsabilidade e Destino - Mente Sã em Corpo São                      105

 

14ª Aula

A) Ondas e Percepções                                                                      108

B) Magnetismo Pessoal                                                                      115

 

15ª Aula

A) Vibração, Radiação, Doação e Meditação                                          120

B) Fazer o Bem sem Ostentação - Na Escola do Mestre                        125

16ª Aula

A) Dependência Química                                                                    127

B) Atire a Primeira Pedra                                                                    136

 

17ª Aula

A) Aura                                                                                             140

B) A Candeia do Corpo                                                                     144

 

18ª Aula

A) Manifestações Visuais                                                                    148

B) Entre as Forças Comuns                                                                150

 

1 Aula

A) Sonambulismo                                                                              153

B) Atividade Espiritual – Aqui e Além                                                  161

 

20ª Aula

A) Laboratório do Mundo Invisível                                                        165

B) Espiritismo e Você                                                                          170

 

21ª Aula

A) Psicografia- Pneumatografia- Pneumatofonia                                    173

B) Comunicações Prematuras                                                              178

 

22ª Aula

A) Locais Assombrados                                                                      181

B) Poderes Psíquicos                                                                          184

 

23ª Aula

A) Mediunidade dos Apóstolos                                                             188

B) A Cura de um Coxo e o Discurso de Pedro                                        192

24ª Aula

A) Insucessos Mediúnicos - Desastre Espiritual                                    196

B) Conhecereis a Verdade e a Verdade vos Libertará                           200

 

25ª Aula

A) Renovação Necessária (Dizes-te)                                                    204

B) Na Exaltação do Amor                                                                    206

 

Apresentação

 

Em virtude da quantidade cada vez maior de alunos, interessados

nas mensagens que consolam e esclarecem da Doutrina do Cristianismo

Redivivo, torna-se oportuno uma revisão dos textos didáticos, no sentido de adaptá-los a uma pedagogia adequada aos novos tempos.

Se o objetivo da Educação é a libertação total dos educandos, o alcance deste fim deve levar em conta as situações e o horizonte cultural dos mesmos.

Este trabalho tem como objetivo geral, levar o aluno a uma assimilação do conteúdo doutrinário. Para tanto, buscou-se a fidelidade devida aos textos da Codificação, assim como, induzi-lo ao conhecimento de si mesmo, de suas potencialidades e consequente modificação de sua conduta interior perante o mundo e a vida em sociedade.

Quanto ao conteúdo programático, os cursos são constituídos de vinte e quatro lições, contendo a essência dos Livros da Codificação, abordados de forma sucinta e didática.

Nossos livros consistem em textos base, explanados de forma clara e acessível, de forma a permitir ao aluno uma visão metodológica do todo. Nesse aspecto caberá ao expositor desenvolver, completar, aprofundar esses textos de forma precisa e objetiva.

Dessa maneira, a Educação Espírita, em consonância com o nosso tempo, sugere uma Pedagogia Ativa, ou seja, uma proposta de Educação projetada para o futuro; centrada no sujeito, na vida.

- O Livro dos Espíritos: constitui a pedra fundamental da Doutrina

Espírita, marco inicial da Codificação Espírita. Com relação às demais obras de Allan Kardec, os livros sequenciais partem da base filosófica deste:

- O Livro dos Médiuns: natural que sucedesse com o aprofundamento científico e metodológico dos fenômenos espíritas. Encontra-se sua fonte no Livro II (Cap. VI até o final);

- O Evangelho Segundo o Espiritismo: decorrência do Livro III em sua abordagem Doutrinária Moral;

- O Céu e o Inferno ou Justiça Divina Segundo o Espiritismo: decorre do Livro IV do Livro dos Espíritos.

- A Gênese, os Milagres e as Predições Segundo o Espiritismo: relaciona-se no Livro I (Cap. II, III e IV), ao Livro II (Cap. IX, X e XI) e partes de capítulos do livro III.

"A educação é um conjunto de hábitos adquiridos" (Livro dos Espíritos, pergunta 685a), onde não basta a educação por si só, mas sim, a concretização da educação espiritual pela conduta de cada um, ou seja, o aprendizado e a prática.

A Federação Espírita do Estado de São Paulo espera, portanto, que esta revisão possa cumprir com as finalidades para as quais foi idealizada e, sobretudo corresponder aos desígnios da Espiritualidade, no sentido de ressaltar sempre o caráter evangélico da Codificação à luz de princípios racionais, no ontem, no hoje e no amanhã.

Área de Ensino

Zulmira da Conceição Chaves Hassesiau

 

 

Os direitos autorais deste livro pertencem à Federação Espírita do Estado de São Paulo.

 

FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Rua Maria Paula 140, Bela Vista, São Paulo, SP

CEP 01315-001 Tel. (011) 3115-5544 Fax: (011) 31042344

e-mail: feesp@feesp.org.br

Revisão: Equipe de Educadores da Escola de educação Mediúnica

 

 

1ª AULA

 

PARTE A

 

MEDIUNIDADE

 

Mediunidade - qualidade de médium (dicionário Aurélio)

Médium - substantivo de dois gêneros:

1- Segundo o Espiritismo, o intermediário entre os vivos e a alma dos mortos;

2 - meio para a transmissão de uma mensagem. (dicionário Aurélio)

Médium – um suposto intermediário entre os vivos e a alma dos mortos – pessoa que se atribui o poder de comunicar-se com a alma dos mortos (Koogan Larousse - Pequeno Dicionário Enciclopédico).

 

Na visão espírita

“Mediunidade é atributo do Espírito, patrimônio da alma imortal, elemento renovador da posição moral da criatura terrena, enriquecendo todos os seus valores no capítulo da virtude e inteligência, sempre que se encontre ligada aos princípios evangélicos na sua trajetória pela face do mundo.” (O Consolador – perg. 382)

Digamos, de inicio, que a mediunidade é inerente a uma disposição orgânica, de que todos podem ser dotados, como o de ver, ouvir e falar (...). A mediunidade não implica necessariamente as relações habituais com os Espíritos superiores. É simplesmente uma aptidão, para servir de instrumento, mais ou menos dócil, aos Espíritos em geral. O bom médium não é, portanto, aquele que tem facilidade de comunicação, mas o que é simpático aos bons Espíritos e só por eles é assistido.

“É neste sentido, unicamente, que a excelência das qualidades morais é de importância absoluta para a mediunidade.” (E.S.E., cap. XXIV, item 12).

O dom da mediunidade é tão antigo quanto o mundo. Os profetas eram médiuns. Os mistérios de Eleusis foram fundados sobre a mediunidade. Os caldeus, os assírios, possuíam médiuns. Sócrates era dirigido por um Espírito que lhe inspirava os princípios de sua filosofia.

Todos os povos tiveram seus médiuns. E as inspirações de Joana D'Arc nada mais eram que a voz dos Espíritos benfeitores que a orientavam.

(LM, cap. XXXI, item 11).

Portanto todos os homens são médiuns. Todos têm um Espírito que os dirige para o bem, quando eles sabem escutá-lo. Todos a possuem em graus que diferem de acordo com o indivíduo, porém o termo propriamente dito se aplica às pessoas dotadas de mediunidade ostensiva no campo dos fenômenos fisicos e intelectuais.

Kardec nos diz em O Livro dos Médiuns que: "toda pessoa que sente a influencia dos Espíritos em qualquer grau de intensidade é médium. Por isso mesmo não constitui privilégio e são raras as pessoas que não a possuem pelo menos em estado rudimentar. Pode-se dizer, pois, que todos são mais ou menos médiuns." (LM, cap. XIV, item 159).

Portanto, como nos ensina Hermínio C. Miranda, na obra "Diversidade dos Carismas":

"1- o médium é uma pessoa, ou seja, um ser humano dotado de certas faculdades especiais de sensibilidade;

2 - pode servir, mas nem sempre quer e nem sempre tem tarefas a exercer no campo específico da mediunidade, ou, no âmbito mais limitado desta, poderá ter tarefas em determinado tipo de mediunidade e não em outros;

3 - é um instrumento para que a comunicação se faça, mas não a fonte geradora da mensagem, seja ela visual, auditiva, olfativa ou qualquer outra;

4 - opera entre Espíritos desencarnados, de um lado, e Espíritos encarnados, de outro. Podemos acrescentar um quinto elemento na análise da definição, é um servidor, cabe-lhe fazê-lo com dignidade, fidelidade e honestidade ..." (II volume, pág. 12).

Oportuna a lição do médium Francisco Cândido Xavier, na qual dizia: "O telefone da mediunidade só toca de lá para cá e não daqui para lá, eu não tenho o poder de trazer nenhum Espírito aqui. O que Deus me deu foi à capacidade de perceber quando há, perto de mim, um Espírito que deseje se comunicar".

André Luiz e Emmanuel, no livro "Opinião Espírita", psicografado por Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira, sabendo que alguns médiuns têm medo, os aconselha, nos seguintes termos:

"Médiuns, se o medo é o teu problema individual, no que respeita á pratica medianímica, situa na construção da fé raciocinada a melhoria que aspiras".

"A coerência com os princípios que esposamos ensina-nos que a criatura de fé verdadeira nada teme, senão a si própria, atenta que vive ás fraquezas pessoais. Em razão disso, é correto receares simplesmente a ti mesmo, em todos os sentimentos que ainda não conseguiste disciplinar" .

"Se não te amedrontas face à condição de intérprete na troca verbal entre criaturas que versam idiomas diferentes por que temer a posição de instrumento entre pessoas domiciliadas em esferas diferentes, carecidas da cooperação mediúnica?"

"Por que motivo te assustares diante dos desencarnados, que são, na essência, personalidades iguais a ti mesmo?"

"Medo é inexperiência"

 

Atuação do Médium

O intercâmbio mediúnico ocorre através do pensamento, é uma ligação mental estabelecida entre o Espírito comunicante e o Espírito do médium receptor.

Como os Espíritos se comunicam por pensamentos e não por palavras, e a sintonia se estabelece através da semelhança de propósitos, são idéias ou imagens que o Espírito emite em ligação com o médium, e que esse capta conforme sua capacidade.

“Nessa ligação mental, o perispírito apresenta um papel muito importante, pois ele é o elo material entre o Espírito e a matéria. Pela sua união intima com o corpo, o perispírito desempenha um papel preponderante no organismo; pela sua expansão, coloca o Espírito encarnado em relação mais direta com os Espíritos livres, e também com os encarnados.” (GE. cap.XIV, item 17)

Por intermédio do Espírito André Luiz, podemos compreender melhor o aspecto específico da relação entre o perispírito e o corpo fisico no fenômeno mediúnico, quando se refere à mediunidade espontânea que começa a aflorar no homem primitivo: "Os encarnados que demonstrassem capacidade mediúnica mais evidente, pela comunhão menos estreita entre as células do corpo fisico e do corpo espiritual, em certas regiões do campo somático, passaram das observações, durante o sono, às observações da vigília (...). Quanto menos densos os elos entre os implementos fisicos e espirituais, nos órgãos da visão, mais amplas as possibilidades na clarividência, prevalecendo às mesmas normas para a clariaudiência e para modalidades outras..." (Evolução em Dois Mundos, cap. 17, pg. 134).

A mediunidade surge como veículo utilizado pelos Espíritos para nos trazerem a terceira revelação. "O espiritismo é a terceira revelação da lei de Deus, mas não está personificado em ninguém, porque ele é o produto do ensinamento dado, não por um homem, mas pelos Espíritos, que são as vozes do céu, em todas as partes da terra e por inumerável multidão de intermediários." (E.S.E., cap. I, item 6).

 

Mediunidade na Bíblia

"Muitas passagens do Evangelho, da Bíblia, e dos autores sagrados em geral são ininteligíveis, e muitas mesmo parecem absurdas, por falta de uma chave que nos dê o seu verdadeiro sentido. Essa chave está inteirinha no Espiritismo, como já se convenceram os que estudaram seriamente a doutrina, e como ainda melhor se reconhecera mais tarde. O Espiritismo se encontra por toda à parte, na antiguidade, e em todas as épocas da Humanidade. Em tudo encontramos os seus traços, nos escritos, nas crenças e nos monumentos, e é por isso que, se ele abre novos horizontes para o futuro, lança também uma viva luz sobre os mistérios do passado.” (E.S.E. - introdução, n° 1)

Por oportuno, convém observamos que na própria história bíblica, no Antigo Testamento, encontramos, entre outros termos, o vidente para designar o indivíduo portador de mediunidade. Mais tarde, aqueles que tiveram contacto com o mundo espiritual, foram chamados de profetas.

Vejamos texto seguinte, extraído do livro primeiro de Samuel:

"Saul se encontra com Samuel - subindo a ladeira da cidade, cruzaram com duas jovens que saiam para buscar água e lhe perguntaram: 'o vidente está na cidade?' - antigamente, em Israel, quando alguém ia consultar a Deus, dizia: 'vamos ao vidente', porque, em vez de 'profeta', como hoje, dizia-se: 'vidente' ..." (I Samuel, 9: 11).

A Bíblia de Jerusalém (Paulus Editora, 1985) traz-nos a seguinte explicação sobre os termos profeta:

"A bíblia hebraica agrupa os livros de Isaias, Jeremias, Ezequiel e dos doze profetas sob o título de "profetas posteriores e os coloca após o conjunto Josué-Reis, ao qual dá o nome de profetas anteriores"". (pg.1331).

"Destaca, ainda, que (...) não é de estranhar que a bíblia coloque Moisés no início da linhagem dos profetas (Dt 18,15, 18) e o considere como o maior de todos (Nn 12,6-8; Dt 34,10-12)" (pg. 1333).

Relata ainda que "em graus diversos e sob formas variadas, as grandes religiões da antiguidade tiveram pessoas inspiradas que pretendiam falar em nome de seu Deus. Em especial entre os povos vizinhos de Israel." (pg.l331).

 

Mediunidade no Novo Testamento

Com a vinda de Jesus, trazendo a segunda revelação, a mediunidade passou a ser vista com uma visão mais realista, porém, se fez necessário o seu desencarne, o retomo à pátria espiritual, para demonstrar a inexistência da morte do Espírito, culminando com o acontecimento no dia de Pentecostes. Pode-se afirmar que o Evangelho de Jesus e a sua epopéia terrestre é o triunfo da vida sobre a morte.

Em Mateus encontramos o seguinte relato mediúnico denominado transfiguração:

"Seis dias depois, Jesus tomou Pedro, Tiago e seu irmão João, e os levou para lugar à parte, sobre uma alta montanha. E ali foi transfigurado diante deles. O seu rosto resplandeceu como o Sol e as suas vestes tornaram-se alvas como a luz. E eis que lhes aparecem Moisés e Elias conversando com ele. Então Pedro, tomando a palavra, disse a Jesus:

"Senhor, é bom estarmos aqui. Se queres, levantarei aqui três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias". Ainda falava, quando uma nuvem luminosa os cobriu com a sua sombra e uma voz, que saia da nuvem, disse: “este é meu filho amado, em quem me comprazo ouvi-o!" Os discípulos, ouvindo a voz, muito assustados, caíram com o rosto no chão. Jesus chegou perto deles e, tocando-os, disse: "levantai-vos e não tenhais medo. Erguendo os olhos, não viram ninguém: Jesus estava sozinho" (Mateus, 17: 1-8)

Fato semelhante aconteceu mais tarde, quando Pedro prepara o batismo dos primeiros gentios:

"Pedro estava falando estas coisas, quando o Espírito santo caiu sobre todos os que ouviam a palavra. E os fiéis que eram da circuncisão, que tinham vindo com Pedro, ficaram estupefatos de verem que também sobre os gentios se derramara o dom do Espírito Santo, pois ouviam-nos falar em línguas e engrandecer a Deus. Então disse Pedro: "poderia alguém recusar a água do batismo para estes que receberam O Espírito Santo como nós?" E determinou que fossem batizados em nome de Jesus Cristo" (Atos, 10-44,47).

Com a propagação do Cristianismo, as diversas manifestações mediúnicas também cresceram, motivo pelo qual vamos encontrar algumas recomendações sobre esses fatos.

João, em sua primeira epístola, ao nos ensinar a viver como filho de Deus, nos recomenda:

"Caríssimos, não acrediteis em qualquer Espírito, mas examinai os Espíritos para ver se são de Deus, pois muitos falsos profetas vieram ao mundo..." (4-1).

Nos diz, ainda que "ninguém jamais viu a Deus; quem nos revelou Deus foi o filho único, que está junto do pai" (1-18).

Paulo, também adverte aos coríntios, na primeira epistola:

"Procurai a caridade. Entretanto, aspirai aos dons do Espírito, principalmente à profecia. Pois aquele que fala em línguas, não fala aos homens, mas a Deus. Ninguém o entende, pois ele, em Espírito, enuncia coisas misteriosas. Mas aquele que profetiza fala aos homens: edifica, exorta, consola. Aquele que fala em línguas edifica a si mesmo, ao passo que aquele que profetiza edifica a assembléia. Desejo que todos falem em línguas, mas prefiro que profetizem. Aquele que profetiza é maior do que aquele que fala em línguas, a menos que este mesmo as interprete, para que a assembléia seja edificada..." (14- 1,25).

Existem diversas outras passagens demonstrando o mediunismo, tanto no Antigo como no Novo Testamento, porém, as citadas dão uma idéia da importância e da responsabilidade do médium no trabalho na seara de Jesus.

 

 

BIBLIOGRAFIA:

 

A Bíblia de Jerusalém - Antigo Testamento e Novo Testamento

XAVIER, Francisco Cândido; VIEIRA, Waldo (Espíritos André Luiz e Emmanuel). Opinião Espírita: lição 41

KARDEC, Allan. Livro dos Médiuns: 2ª parte – Cap. XXXI, item 11 – Cap. XIX, item 225 –Cap. XIV, item 159 - Cap. XVII, item 209 - Cap. XVI, item 187

KARDEC, Allan. A Gênese: Cap. XIV, item 17

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). O Consolador: perg. 382

GIMENEZ, Henrique Ney de. A Mediunidade na Bíblia.

KARDEC, Allan. Evangelho Segundo Espiritismo: Cap. I, item 6 e introdução

- item 1

KARDEC, Allan. Livro dos Espíritos.

XAVIER, Francisco Cândido; VIEIRA, Waldo (Espírito André Luiz). Evolução em Dois Mundos: Cap. 17

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Roteiro: Lição 27

MIRANDA, Hermínio C. Diversidade dos Carismas: Vol. I e II

XAVIER, Francisco Cândido; VIEIRA, Waldo (Autores Espirituais Diversos). O “Espírito da Verdade”: lição nº 67

 

PARTE B

 

MEDIUNIDADE E FIDELIDADE

 

Ao longo de sua trajetória evolutiva, o homem, ao receber por acréscimo da misericórdia divina a ferramenta de trabalho espiritual denominada mediunidade, dela serviu-se em busca do seu aprimoramento, porém nem sempre a utilizou com fidelidade e responsabilidade, gerando comprometimentos para o seu futuro.

E fidelidade conquistamos com o exercício da mediunidade com amor, humildade e discrição.

Kardec deu-nos o exemplo disso, quando nunca ressaltou nenhum médium que o auxiliou na Codificação

Em ‘Roteiro’, o autor espiritual Emmanuel nos diz: “E ainda em todos os acontecimentos religiosos que precederam a vinda do Cristo, a manifestação dos desencarnados ou o fenômeno espírita comparece por vívido clarão da verdade, orientando os sucessos e guiando as supremas realizações do esforço coletivo"; concluímos que a alegria ou tristeza, fé ou descrença, saúde ou doença e tantos outros estados da alma, dependem unicamente de como nos conduzimos, agindo e interagindo com o próximo, haja vista que para o serviço mediúnico com Jesus, há a exigência de estudo constante, disponibilidade, disciplina, renúncia e, sobretudo, vigilância.

O Espírito André Luiz na obra "Sol nas Almas" psicografado por Waldo Vieira, lição n° 67 se reporta à responsabilidade: “... Necessário saiba o médium que aptidões estabelecem responsabilidades e que estas, honorificadas pelo trabalho construtivo e menosprezadas por atividades menos dignas geram, respectivamente, o auxílio dos poderes que elevam a vida ou a companhia dos agentes que a rebaixam...", isso nos traz à realidade atual, a necessidade de autoiluminação do médium para que ele possa sempre ser um instrumento fiel e consciente do seu compromisso junto ao próximo, como recurso de inolvidável sintonia com o Bem Maior.

Do mesmo autor espiritual, o livro ‘O Espírito da Verdade’, lição n°70, “... lembre-se de que, na tarefa de ajudar, o bem maior é sempre aquele que ainda está por fazer, à espera da nossa disposição...”, ou seja, este é o médium fiel, o que auxilia, que coopera, distribui, empresta, organiza e exemplifica em todas as circunstancias com naturalidade, discrição e caridade nas suas menores atitudes.

No Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. XXIV, item 11, "Os sãos não precisam de médico", temos: "... que a mediunidade é inerente a uma condição orgânica, de que todos podem ser dotados, como a de ver, ouvir ou falar. Não há nenhuma de que o homem, em consequência do seu livre-arbítrio, não possa abusar...", isso denota que a cada um será pedido contas do uso da faculdade recebida, por ser esta, o Auxílio Divino que o Pai Criador em sua infinita bondade, através de seus mensageiros, nos permite levar a luz a todos, dissipando as trevas da ignorância e da má vontade; o fortalecimento no bem a todos os virtuosos; a orientação com extremado amor aos viciosos, para que estes possam se conduzir a Jesus, arrependidos e dispostos ao trabalho com os amigos espirituais em busca da ascensão espiritual.

 

Bibliografia:

 

VIEIRA, Waldo (André Luiz). Sol nas Almas: Lição 67

XAVIER, Francisco Cândido; VIEIRA, Waldo (Autores Espirituais Diversos). O Espírito da Verdade: lições 05, 14, 19, 29 e 70

KARDEC, Allan. Evangelho Segundo Espiritismo: Cap. VI, item 8; cap. XVIII, item 3; cap. XXIV, itens 4, 11 e 12; e, cap. XXVI, item 7.

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Roteiro

MIRANDA, Hermínio C. - Diversidade de Carismas, vol. II

 

Questões para reflexão:

 

1) Explique o que é mediunidade e por quê todos os homens são médiuns.

 

2) Comente sobre o medo do médium de ter contato com os Espíritos.

 

3) Faça um breve relato da fidelidade do médium em suas tarefas mediúnicas.

 

4) Analise os ensinamentos de Jesus: “os sãos não precisam de médico”.

 

 

2ª AULA

 

PARTE A

INTERCAMBIO MEDIUNICO

 

Afinidade - Aproximação - Aceitabilidade

Incorporação Mecanismo das Comunicações

 

A afinidade é obtida por da sintonia do Espírito com os pensamentos, comportamentos, emoções e palavras emitidas pelo médium costumeiramente.

Daí, inferimos a importância do conhecimento evangélico- doutrinário do médium, da sua sinceridade de propósitos, dos tipos de pensamentos que emite no dia a dia, do seu interesse pelo desenvolvimento das virtudes. E pela eliminação dos defeitos e vícios. Nossos pensamentos e emoções são energias que nós emitimos, que atraem outros fluidos semelhantes, permitindo um maior ou menor equilíbrio do médium.

A semelhança de pensamentos e propósitos (ou intenções) são muito importantes para o médium captar os fluidos da espiritualidade. Como os espíritos se comunicam por pensamentos e não por palavras, são idéias ou imagens que os Espíritos emitem em ligação com o médium e que esse capta conforme sua capacidade. Pode ocorrer que haja maior afinidade entre Espíritos em que haja envolvimento emocional (outras existências, amizade, simpatia, etc.,), mas esse tipo de envolvimento não é essencial para que ocorra a ligação mental. Sendo assim, o médium iniciante deve evitar buscar estabelecer comunicações com um Espírito determinado, pois “... ocorre frequentemente que não seja com este que as relações fluídicas se estabeleçam com mais facilidade, por maior simpatia que lhe vote." (L.M. 2ª Parte, Cap. XVII, item 203).

Também é necessário na ligação mediúnica, condições favoráveis à aproximação da entidade comunicante com o médium "interlocutor".

Para o intercâmbio mediúnico é necessário sem sombra de dúvidas a presença do Espírito comunicante e, para que tudo ocorra favoravelmente, é necessário que o ambiente esteja preparado (L.M 2ª parte, Cap. XXIX, item 324).

Também influi o caráter da reunião: reunião para assuntos frívolos atrairão Espíritos frívolos; reuniões com objetivos sérios atrairão Espíritos sérios.

Para que ocorra uma boa reunião, com comunicações sérias de cunho moral, o padrão vibratório do médium também é importante no auxílio da aproximação. Para que o padrão vibratório seja compatível com a espiritualidade superior, o médium deve resguardar-se de pensamentos desequilibrados como preocupações cotidianas, envolvimento com discussões, etc. É necessário que durante o dia, principalmente algumas horas que antecedem à assistência, que os médiuns se coloquem em posição de vigilância e oração, buscando a renovação interior para que os Espíritos comunicantes já consigam realizar a ligação fluídica. O médium deve preparar-se com leituras, preces e, se possível, recolhimento.

O médium deve ter disposição em servir de intermediário, sua aceitabilidade facilita, enquanto o medo e insegurança, dificultam o intercambio mediúnico.

Os médiuns devem ter em mente que a preparação do ambiente antecede até mesmo a sua presença no local de trabalho. Tudo é preparado pela espiritualidade superior que é ordeira e organizada. Cabe aos médiuns o direcionamento dos pensamentos em coisas boas, iluminadas, e se deixarem envolver pelos fluidos das entidades comunicantes, pela sintonia do pensamento, elevarem-se através da prece, da humildade e sinceridade. Calarem-se mentalmente para que o Espírito possa manifestar-se através dele.

Numa assistência espiritual, a comunicação se dá de acordo com as necessidades dos assistidos. Deve-se contar médiuns com certo aprimoramento e educação mediúnica. Educação que será conquistada por intermédio da reformulação interior, das atitudes, do comportamento e pensamento. "A dificuldade encontrada pela maioria dos médiuns iniciantes é a de ter que tratar com Espíritos inferiores" (L.M 2ª parte, cap. XVII, item 211). Todas essas predisposições são necessárias à incorporação. A partir desses pré-requisitos, o circuito mediúnico poderá se completar e o médium poderá transmitir a mensagem do plano espiritual como um verdadeiro intermediário. Podemos concluir lembrando-nos novamente de Kardec, que afirma "Para que uma comunicação seja boa é necessário que provenha de um espírito bom; para que esse Espírito bom e para transmiti-la, precisa dispor de um bom instrumento. Para que queira transmiti-la, é necessário

que o objetivo lhe convenha." (L.M, 2ª parte, cap. XVI, item 186).

 

 

Bibliografia:

 

KARDEC, Allan. Livro dos Médiuns: 2ª parte – Cap. XXXI, item 11 – Cap.

XIX, item 225 – Cap. XIV, item 159 - Cap. XVII, item 203, 209, 211 - Cap. XVI, item 185, 186 e 187

KARDEC, Allan. Livro dos Espíritos: perg. 484

KARDEC, Allan. A Gênese: Cap. XIV, item 17

KARDEC, Allan. Evangelho Segundo Espiritismo: Cap. I, item 6

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). O Consolador: pergs. 173 e 382

Bíblia - Velho Testamento e Novo Testamento

PARTE B

 

MURALHA DO TEMPO GUARDA-TE EM DEUS

 

"Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta que conduz à perdição"- Jesus (Mt 7: 38)

Em nos referindo à semelhante afirmativa do Mestre, não nos esqueçamos de que toda porta constitui passagem disponível em qualquer construção, a separar dois lugares, facultando livre acesso entre eles.

Reportamo-nos aos médiuns que são os intermediários, entre o mundo dos espíritos e o plano fisico. Todo médium que desejar realizar um bom intercambio deve, sobretudo, saber escolher qual porta deve ser sua escolha. Jesus afirmou que a porta larga é a que conduz à perdição e vamos reservar que os vícios, de toda natureza, vão estar lá.

"A porta larga para muitos é a que produz facilidades, irresponsabilidades".

“Aquém, da muralha, o passado e o presente”. A travessia de uma das portas é ação compulsória, para todas as criaturas.

A porta estreita é o começo da conscientização é a retomada no caminho do bem e a busca de novas atitudes "lembra-te de Deus para que saibas agradecer os talentos da vida."

"Se fatigado, pensa Nele, o Eterno Pai que jamais desfalece na Criação. Se triste, eleva-Lhe os sentimentos, meditando na alegria solar com que, toda manha, Sua Infinita Bondade dissolve as trevas"

Quem traz Deus para sua vida não se preocupa. Como nos diz Emmanuel "é preciso trazer Deus para a vida intima, renovar os pensamentos para que, o que não está de acordo com os sentimentos e virtudes que aprimoram a alma, possa ficar mais perto da porta estreita."

"Seja qual for a dificuldade, recorda o Todo-Misericordioso que não esquece". E, abraçando o próprio dever como sendo a expressão de sua Divina Vontade para os teus passos de cada dia, encontrarás na oração a força verdadeira de tua fé, a erguer-te das obscuridades e problemas da terra para a rota de luz que te apontar as sendas do céu.

 

Bibliografia:

 

VIEIRA, Waldo (André Luiz). Sol nas Almas: Lição 67

XAVIER, Francisco Cândido; VIEIRA, Waldo (Autores Espirituais Diversos). O Espírito da Verdade: lições n° 05, 14, 19, 29 e 70

KARDEC, Allan - Evangelho Segundo Espiritismo: Cap. VI, item 8; cap. XVIII, item 3; cap. XXIV, itens 4, 11 e 12; e, cap. XXVI, item 7.

 

 

Questões para reflexão:

 

1) Descrever o que você entendeu por afinidade e aproximação.

 

2) Explique o que você entendeu por "incorporação"

 

3) Faça a diferença entre a porta estreita e a porta larga.

 

4) Comente a expressão de Emmanuel: preciso trazer Deus para a vida íntima".

 

 

3ª AULA

 

PARTE A

 

MÉDIUM, SENSIBILIDADE

E COMUNICAÇÃO COM OS ESPÍRITOS

 

"Limpai as mãos, pecadores; e, vós de duplo ânimo, purificai os corações." - Tiago (4:8).

Mediunidade é a faculdade orgânica de pôr-se em comunicação com Espíritos, desencarnados ou encarnados, captar-lhes o pensamento, ou sofrer-lhes a influência, ou ainda, a faculdade específica de servir de medianeiro (instrumento) às comunicações espíritas.

Médium é a pessoa que pode servir de intermediária entre os Espíritos e os homens.

Todo aquele que sente num grau qualquer, a influência dos Espíritos é, por esse fato, médium. Essa faculdade é inerente ao homem. Não constitui, portanto, um privilégio exclusivo. Por isso, raras são as pessoas que dela não possuam alguns sintomas. Pode, pois, dizer-se que todos são mais ou menos médiuns. Todavia, usualmente, assim só se qualificam aqueles em quem a faculdade mediúnica se mostra bem caracterizada e se traduz por efeitos patentes, de certa intensidade, o que então depende de uma organização mais ou menos sensitiva. É de notar-se, além disso, que essa faculdade não se revela, da mesma maneira, em todos. Geralmente, os médiuns têm uma aptidão especial para os fenômenos desta, ou daquela ordem, donde resulta que formam variedades, quantas são as espécies de manifestações.

O desejo natural de todo aspirante a médium é o de poder contatar os Espíritos que lhe são caros: familiares, parentes ou amigos, porém, deve-se moderar a sua impaciência ou ansiedade, porquanto a comunicação com determinado Espírito apresenta muitas vezes dificuldades que tornam impossível a comunicação ao principiante. Para que um Espírito possa comunicar-se, preciso é que haja entre ele e o médium relações fluídicas, que nem sempre se estabelecem instantaneamente.

Só à medida que a faculdade se desenvolve, é que o médium adquire pouco a pouco a aptidão necessária para pôr-se em comunicação com o Espírito que se apresente. Antes, pois, de pensar em obter comunicações de tal ou tal Espírito, importa que o aspirante leve a efeito o desenvolvimento de sua faculdade, para o que deve fazer um apelo geral e dirigir-se principalmente ao seu Espírito protetor.

A mediunidade é uma faculdade psíquica que se radica no organismo e, por isso, o seu desenvolvimento independe da moral do médium.

É outorgada tanto aos homens de bem, quanto às pessoas indignas.

Perguntar-se-ia se não seria mais justo que Deus concedesse a mediunidade tão somente aos homens de bem, que dela fizessem bom uso. Os Espíritos esclarecem que Deus não recusa meios de salvação aos culpados.

Se Deus desse a palavra somente às pessoas que falassem coisas úteis, a maioria seria muda. Se há pessoas indignas que possuem a faculdade mediúnica, é que disso precisam mais do que as outras, para se melhorarem.

Por isso o médium deve precaver-se contra a vaidade e o orgulho.

Estar sempre vigilante, não vendo na mediunidade um mérito pessoal, mas uma outorga divina, que implica numa grande responsabilidade de empregá-la a serviço dos bons Espíritos e dos encarnados que precisam ser por ela favorecidos. Deve refugiar-se na prece, pedindo ao Pai Celestial que o livre do assédio das forças do mal e não o deixe cair em tentação. Pode surgir como impositivo provacional que permite mais ampla libertação do próprio médium, que, em dilatando o exercício da nobilitação a que se dedica, granjeia consideração e títulos de benemerência que lhe conferem paz. Sem dúvida, esse poderoso instrumento de evolução espiritual, pode converter-se em lamentável fator de perturbação, tendo em vista o nível espiritual e moral daquele que se encontra investido de tal recurso.

Os médiuns não têm um perfil específico. Em geral são pessoas mais sensíveis que as outras, mas isso não é regra. Podem descobrir-se médiuns em qualquer idade. Os sinais mais comuns dessa condição são:

ü  Desmaios e convulsões cuja causa os médicos não conseguem diagnosticar com exames fisicos;

ü  Mudanças radicais na voz e na fisionomia, perceptíveis, sobretudo pelas outras pessoas;

ü  Ter premonições comprovadas;

ü  Ter pensamentos recorrentes;

ü  Sensações de formigamento nas mãos, na cabeça e na nuca;

ü  Ondas alternadas de frio e calor nas mãos, braços ou no corpo;

ü  Escrita automática e compulsiva de textos de conteúdo estranho à experiência do autor;

ü  Recomenda-se manter o bom senso e o juízo crítico apesar de todas essas experiências.

Não há bom médium, sem homem bom. Não há manifestação de grandeza do Plano Espiritual, no mundo, sem grandes almas encarnadas na Terra. Em razão disso, diz o Espírito Emmanuel, no item 36 do livro Roteiro: "Só existe verdadeiro e proveitoso desenvolvimento mediúnico, se estamos aprendendo a estudar e servir. A bondade e o entendimento para com todos representam o roteiro único para crescermos em aprimoramento dos dons psíquicos de que somos portadores, de modo a assimilarmos as correntes santificantes dos planos superiores, em marcha para a consciência cósmica".

"No exercício da mediunidade com Jesus, isto é, na perfeita aplicação dos seus valores a beneficio da criatura, em nome da Caridade, é que o ser atinge a plenitude das suas funções e faculdades, convertendo- se em celeiro de bênçãos, semeador da saúde espiritual e da paz nos diversos terrenos da vida humana, na Terra." (Joanna de Ânge1is-Divaldo P. Franco, Livro Estudos Espíritas - item 18)

Como ilustração de um tema tão complexo como este recomendamos a leitura e reflexão de "História de Médium", no livro Novas Mensagens, item 3, pelo Espírito de Humberto de Campos, psicografia de Francisco Cândido Xavier.

 

Bibliografia:

 

KARDEC, Allan. Livro dos Médiuns: 2a parte - Caps. XIV, XV, XVII, XX, XXIV

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanue1). Roteiro: Item 36

XAVIER, Francisco Cândido (André Luiz). Missionários da Luz: cap. 3

XAVIER, Francisco Cândido (André Luiz). Mecanismos da Mediunidade: cap. XVIII

MIRANDA, H. C. Diversidades de Carismas: Vol. I e II

FRANCO, Divaldo P. (Joanna de Ange1is). Estudos Espíritas: Item 18

 

 

PARTE B

 

EVANGELIZAÇÃO DO MÉDIUM

 

A Moral é o conjunto de regras que constituem os bons costumes e consubstancia os princípios salutares de comportamento de que resultam o respeito ao próximo e a si mesmo. Decorrência natural da evolução estabelece as diretrizes seguras em que se fundam os alicerces da civilização, produzindo matrizes de caráter que vitalizam as relações humanas, sem as quais o homem, por mais avançado nos esquemas técnicos, poucos passos teria conseguido desde os estados primários do sentimento.

Em Jesus a Moral assume relevante proposição, que modifica a estrutura do pensamento humano e social, abrindo o campo à experiências vigorosas, em que medram as legítimas aspirações humanas, que transitam do poder da força para a força do amor. Jesus se preocupa com a perfeição íntima, ética, intransferível, dos homens, conclamando-os a realizarem, interiormente, o "Reino de Deus".

Certamente a moral cristã ainda não alcançou os seus objetivos elevados. A vivência do postulado máximo do Cristo, sempre sábio e atual: "Fazer ao próximo o que desejar que este lhe faça" leva o médium ao encontro da felicidade espiritual.

A virtude, no mais alto grau, é o conjunto de todas as qualidades essenciais que constituem o homem de bem. Ser bom, caritativo, laborioso, sóbrio, modesto, são qualidades do homem virtuoso. Infelizmente, quase sempre as acompanham pequenas enfermidades morais que as atenuam. Não é virtuoso aquele que faz ostentação da sua virtude, pois que lhe falta a qualidade principal: a modéstia; e tem o vício que mais se lhe opõe: o orgulho.

O benfeitor espiritual é o mensageiro da perfeição e beleza. O homem é o veículo de sua presença e intervenção. Todavia, se o homem está mergulhado no desespero ou no desalento, na indisciplina ou no abuso, como desempenhar a função de refletor dos emissários Divinos?

Como ensina-nos Emmanuel no item 18 do livro Caminho, Verdade e Vida, pelo médium F. C. Xavier, cada homem tem a vida exterior, conhecida e analisada pelos que o rodeiam, e a vida íntima da qual somente ele próprio poderá fornecer o testemunho. O mundo interior é a fonte de todos os princípios bons ou maus e todas as expressões exteriores guardam aí os seus fundamentos. Em regra geral, todos somos portadores de graves deficiências íntimas, necessitados de retificação. Será muito fácil ao homem confessar a aceitação de verdades religiosas, operar adesão verbal a ideologias edificantes. Porém, outra coisa é realizar a obra da elevação de si mesmo, valendo-se da autodisciplina, da compreensão fraternal e do espírito de sacrificio, efetuando-se assim a purificação do sentimento, no recinto sagrado da consciência, apenas conhecido pelo aprendiz, na soledade indevassável de seus pensamentos. Isso requer trabalho de duplo ânimo, porque semelhante renovação jamais se fará tão somente à custa de palavras brilhantes.

Percebemos desse modo, que a evangelização do médium é o primeiro passo para o desenvolvimento de suas sagradas tarefas. Como cumpri-las, santamente e religiosamente sem render culto ao dever, trabalhar espontaneamente, não esperar recompensas no mundo? Como exercer a mediunidade sem irritação, desculpando incessantemente e sem medo dos perseguidores? Todos são chamados a cooperar, no conjunto das boas obras, a fim de que se elejam à posição de escolhidos para tarefas mais altas.

O Evangelho é clima de paz em permanente efusão de esperança. O mundo é só oportunidade. O que não conseguimos hoje, conseguiremos depois. A caminhada na Terra tem como objetivo a aprendizagem e a renovação. Voltaremos à vida verdadeira concluindo o nosso curso.

Não podemos gastar energias desnecessariamente diante dos problemas naturais, o que importa é a nossa filiação ao Evangelho lembrando-nos sempre das palavras de Jesus que se encontram em Mateus,

4-19: "Segui-me e eu vos farei pescadores de homens." Sábio é o homem que tem discernimento, fazendo opções elevadas; trocando o transitório de agora pelo permanente de sempre.

Nos tempos atuais de renovação social, cabe aos médiuns uma missão especialíssima: são árvores destinadas a fornecer alimento espiritual aos seus semelhantes. Não podem representar a figueira que secou e que é o símbolo daqueles que apenas aparentam propensão ao bem, mas que na realidade nada de bom produzem.

Médiuns existem em todos os pontos do globo terrestre. Seja na administração ou na colaboração, na beneficência ou no estudo, na tribuna ou na imprensa, no consolo ou na cura, no trabalho informativo ou na operação de fenômenos, todos são convocados a servir com sinceridade e desinteresse, na construção do bem, com base no burilamento de si próprios.

No campo da vida, cada inteligência se caracteriza pelas atribuições que lhe são próprias. Seja nos recintos da lei, nos laboratórios da ciência, no tanque de limpeza ou à cabeceira de um doente, toda pessoa tem o lugar de revelar-se. Com o evangelho como sustentação não podemos dizer que somos inúteis ou desprezíveis.

Se nos movimentarmos ao Sol do Evangelho, saberemos identificar o infortúnio, onde cremos encontrar simplesmente rebeldia e desespero, a ferida da ignorância, onde supomos existir apenas maldade e crime.

Perceberemos que o erro de muitos se deve à circunstância de não haverem colhido as oportunidades que nos felicitam a existência.

A verdade é que todos estamos interligados, em ministério mediúnico ativo, incessante, graças aos múltiplos dons de que nos achamos investidos.

Assim sendo, meditemos nas possibilidades mediúnicas de que já estamos exercendo e procuremos elevar-nos pelo exercício das ações nobilitantes que o roteiro do Evangelho nos indica. Certamente que uns estão mais aquinhoados pelas faculdades mediúnicas que lhe são concedidas para a própria edificação. Se, todavia, não temos ainda os sintomas mais evidentes da mediunidade, na psicografia, na psicofonia ou na vidência, com certeza todos nós podemos ser os médiuns do amor e acender a lâmpada do auxílio fraterno, a fim de que a caridade nos transforme em médiuns da esperança entre os que aspiram a um Mundo melhor.

 

Bibliografia:

 

KARDEC, Allan. Evangelho Segundo o Espiritismo: Caps. XVII, item 8 - Cap. XXVI, item 10

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Livro da Esperança: Itens 56 e 64

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Palavras de Vida Eterna: Item 41

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Caminho Verdade e Vida: Itens 20 e 30

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Emmanuel: item 15

XAVIER, Francisco Cândido; VIEIRA, Waldo (Autores Espirituais Diversos). O Espírito da Verdade: item 5

FRANCO, Divaldo P. (Joanna de Angelis). Estudos Espíritas: Item 22

Questões para reflexão:

 

1) Descreva os cuidados que o médium dever ter para melhor exercitar a sua mediunidade.

 

2) Descreva as sensações mais comuns ao médium.

 

3) Comente a importância da evangelização do médium.

 

4) Analise o pensamento de Emmanuel: "O mundo interior é a fonte de todos os princípios bons ou maus e todas as expressões exteriores guardam em si os seus fundamentos".

 

 

4ª AULA

 

PARTE A

 

PERISPÍRITO, PROPRIEDADES E MEDIUNIDADE

 

 

O perispírito como princípio das manifestações

O homem é constituído por Espírito ou alma, perispírito e corpo fisico.

O Espírito é o ser inteligente e sensível, o perispírito o intermediário entre o Espírito e o corpo físico.

Perispírito (do grego peri, em tomo, e do latim spiritus, alma, espírito) é o envoltório fluídico e perene do Espírito, que possibilita sua interação com os meios espiritual e fisico. Seus elementos constituintes provêm dos fluidos do meio onde o Espírito se encontra, fluidos esses que o formam e o alimentam, do mesmo modo que o ar forma e alimenta o corpo material do ser humano.O perispírito é mais ou menos etéreo, conforme os mundos e purificação do Espírito. É parte integrante desse, como o corpo é parte integrante do homem. É o órgão de transmissão de todas as sensações.

Praticamente todas as civilizações humanas do passado falaram no perispírito. Os egípcios conheciam-no como o "kha". Na índia, fala-se em "Língua-Sharira", enquanto que no esoterismo judeu é o ''Nephesh''. Paracelso o chamou de "corpo astral" ou "Evestrum" e Paulo de Tarso o denominou como "Corpo Espiritual" ou "Corpo Incorruptível".

Kardec nos ensina que o perispírito, por meio de sua expansão do mesmo, une-se ao ser humano desde o momento da fecundação do óvulo pelo espermatozóide, unindo-se molécula a molécula. Essa união permanece por toda a vida física do indivíduo e só por ocasião da morte do corpo físico é que ocorre a desunião do perispírito, quando ele retoma ao mundo espiritual, que é seu local de origem.

 

Propriedades e qualidades do Perispírito

 

Plasticidade, densidade, ponderabilidade, luminosidade, penetrabilidade, visibilidade, tangibilidade, sensibilidade global, sensibilidade magnética, expansibilidade, bicorporieidade, unicidade, perenidade, capacidade refletora, odor, temperatura.

Plasticidade - O perispírito sendo o espelho da alma e eterno, extensão da mente, molda-se de acordo com seu comando plasticizante, pois é formado tanto por fluidos eterizados como por fluidos materiais.

Tem um extremo poder plástico, adaptando-se às ordens mentais da alma. Assume as formas que o Espírito desejar.

Densidade - O perispírito não deixando de ser matéria, ainda que

quintessenciada, apresenta em si uma densidade que se relaciona com o grau de evolução da alma.

 

Ponderabilidade - Sob os aspectos físicos, a matéria sutil ou o corpo espiritual em si não apresentaria um peso possível de ser detectado por meio de qualquer instrumentação até agora conhecida. Na dimensão espiritual, cada organização perispirítica tem seu peso específico, que varia de acordo com sua densidade, pelo estado de moralidade do Espírito.

Luminosidade - Também desponta como característica particular de cada Espírito e seus condicionamentos morais evolutivos. A intensidade da luz está na razão da pureza do Espírito.

Penetrabilidade - A natureza etérea do perispírito permite ao Espírito, caso apresente as necessárias condições mentais, atravessar qualquer barreira fisica, pois matéria alguma lhe opõe obstáculo. E ele atravessa todos, assim como a luz atravessa os corpos transparentes.

Visibilidade - Aos olhos fisicos o perispírito é totalmente invisível, todavia não o é para os Espíritos. No caso dos menos evoluídos, esses só percebem os seus pares, captando-lhes o aspecto geral.

Tangibilidade - Sendo o perispírito também matéria, poderá com o devido apoio ectoplásmico, tornar-se materialmente tangível, no todo ou em parte.

Sensibilidade Global- A sensibilidade do perispírito é global. Tendo a capacidade de penetrar o meio externo, isso pode acontecer em qualquer ponto do organismo.

Sensibilidade Magnética - O perispírito é particularmente sensível à ação magnética, pois sustenta uma estrutura semimaterial.

Expansibilidade - O perispírito pode, conforme suas condições, expandir-se, aumentando, inclusive, o campo de percepção sensorial.

Bicorporeidade - Este termo, criado por Kardec, é um dos fenômenos de desdobramento, embora seja uma forma mais adiantada da expansibilidade. Define-se como notável faculdade do perispírito, que possibilita, em condições especiais, o seu desdobramento, dando a impressão de "fazer-se em dois", no mesmo lugar ou em lugares diferentes.

Unicidade - A estrutura perispirítica, como reflexo da alma, é única.

Capacidade Refletora - O corpo espiritual, extensão da alma que é, reflete contínua e instantaneamente os estados mentais.

Temperatura - Durante certas atividades mediúnicas, alguns médiuns registram, por exemplo, uma espécie de gélido torpor, com a aproximação de determinadas categorias de Espíritos ou, ao contrário, uma cálida sensação de bem-estar, quando da aproximação de um Espírito Superior.

 

Mediunidade

"O desenvolvimento da faculdade mediúnica depende da natureza mais ou menos expansível do perispírito do médium e da sua maior ou menor assimilação pelo perispírito dos Espíritos". (Obras Póstumas - Manifestações dos Espíritos).

O perispírito é o princípio de todas as manifestações; o seu conhecimento foi a chave da explicação de uma imensidade de fenômenos.

Para que aconteça o fenômeno mediúnico, é preciso que o perispírito se expanda e se exteriorize para além do corpo fisico.

Kardec ressaltou a importância do perispírito para o estudo, a análise, e tratamento de vários fenômenos da alma, englobando a vista dupla, visão à distância, sonambulismo natural e artificial, catalepsia, letargia, presciência, pressentimentos, transfigurações, transmissão de pensamento, etc. (A Gênese, capítulo I, item 40).

O ato mediúnico é o momento em que o Espírito aproxima-se do médium e o envolve nas suas vibrações espirituais. Essas vibrações irradiam-se do seu corpo espiritual atingindo o corpo espiritual do médium. A esse toque vibratório, semelhante ao de um brando choque elétrico, reage o perispírito do médium. Realiza-se a fusão fluídica. Ali estão fundidos e distintos. O que se dá não é uma incorporação, mas uma interpenetração psíquica, como a da luz atravessando uma vidraça. (José Herculano Pires - "Mediunidade").

 

Bibliografia:

 

KARDEC, Allan. Obras Póstumas: Capítulo Manifestações dos Espíritos

KARDEC, Allan. Livro dos Médiuns primeira parte capítulo I, segunda parte, capítulo IV, VI

KARDEC, Allan. A Gênese: Capítulo I, item 40

PIRES, J. Herculano. Mediunidade: Capítulo V

 

 

PARTE B

 

O LABOR DAS ALMAS

 

"Eu estou entre vós como quem serve" Jesus (Lucas, 22:27).

"Jesus caminhou na Terra à feição do servidor. Fundador da Boa Nova, não se limitou a tecer-lhe a coroa com palavras estudadas, mas estende-a e consolida-lhe os valores com as próprias mãos." (Emmanuel -

Segue-me!).

Dentro da suas atividades, nos tempos modernos, os espíritas sinceros não podem desconhecer o sentido revolucionário da tarefa que lhes cabe. Não se atingirá a finalidade dos ideais elevados e luminosos que alimentam a doutrina, sem a formação da base espiritual, mantenedora da estabilidade das grandes realizações. Encontram-se apressados os que buscam apenas o dinheiro, os títulos convencionais, as situações de destaque, os desejos satisfeitos, sob o ponto de vista planetário.

Os homens, identificados no mesmo ideal mundano, abraçam-se, na comunhão do interesse, nesses encontros fortuitos. Os demais saúdam-se ligeiramente, em atitude suspeitosas, temendo a alheia intromissão nos seus inferiores desígnios, pois, quase todas as criaturas marcham ansiosas, na valorização da oportunidade falsa, e chegam esgotadas ao término da luta, esbarrando na realidade da morte, desprevenidas e infelizes.

O Espírito Emmanuel, quando se refere ao labor das almas, passa-nos o valoroso ensinamento: "Descerradas as pesadas cortinas materiais que aí na Terra nos cobriu os olhos do Espírito, experimentamos, aliado as emoções de êxtase diante da imensidade, o desejo de comunicar a verdade a todas as criaturas. Obstáculos inúmeros se nos antolham avultando o da falta de estabelecimento direto entre o plano e o espiritual. "( ...) Todavia, o porvir humano nos faz entrever essa ligação mais íntima dos Espíritos, pertençam ou não ao orbe carnal".

No livro "Estude e Viva", lição 6, os Espíritos Emmanuel e André Luiz, nos passam valiosos ensinamentos que nos levam a refletir, pois nos dão o grande alerta quando dizem que, ninguém vive deserdado da participação nas boas obras, de vez que todos retemos sobras de valores específicos da existência. Não somente disponibilidades de recursos materiais, mas também de tempo, conhecimento, amizade, influência.

Todos nós, Espíritos em evolução no educandário do mundo, assemelhamo-nos a viajores demandando eminências que conduzem à definitiva sublimação.

Emmanuel em "Vinha de Luz", falando sobre o ensinamento de Paulo:

"E sobre tudo isto, revesti-vos de caridade, que é o vínculo da perfeição".

Colossenses, 3:14, diz o seguinte: "Todo discípulo do Evangelho precisará coragem para atacar os serviços da redenção de si mesmo. Nenhum dispensará as armaduras da fé, a fim de marchar com desassombro sob tempestades. O caminho de resgate e elevação permanece cheio de espinhos. (...) A nobreza de caráter, a confiança, a benevolência, a fé, a ciência, a penetração, os dons e as possibilidades são fios preciosos, mas o amor é o tear divino que os entrelaçará, tecendo a túnica da perfeição espiritual".

Continuando na sua missão de orientador, Emmanuel em sua obra "Segue-me!", faz-nos entender que a evolução em qualquer território da vida, é construída nas bases do intercâmbio, e cita o lavrador como exemplo, pois o mesmo retém o solo e os elementos da natureza, mas aspira aos prodígios da colheita que deve plantar.

O Mestre Jesus nos chamou a fim de compreendermos e auxiliarmos, construirmos e reconstruirmos para o bem de todos, e, portanto, devemos aceitar os ensinamentos de Paulo (I Coríntios, 3:16): "Eu plantei, Apoio regou, mas o crescimento veio de Deus".

 

 

Bibliografia:

 

Xavier, Francisco Cândido (Emmanuel). Emmanuel: Cap. VII

Xavier, Francisco Cândido (Emmanuel). Segue-me! Lição - O Grande Servidor

Xavier, Francisco Cândido Vieira Waldo. Estude e Viva: Cap. 6

Xavier, Francisco Cândido (Espíritos Diversos). Coletânea do Além: Lições, Revolução Espiritual e A Oportunidade.

Xavier, Francisco Cândido (Emmanuel). Vinha de Luz: Cap. 5

 

 

Questões para reflexão

 

1) Dê exemplo de algumas propriedades do perispírito.

 

2) Explique o envolvimento do perispírito no fenômeno mediúnico.

 

3) Analise a profundidade do ensinamento de Jesus quando disse: "Eu estou entre vós como quem serve".

 

4) Comente o ensinamento de Emmanuel: "todo discípulo do Evangelho precisará coragem para atacar os serviços da redenção de si mesmo".

 

 

5ª AULA

 

PARTE A

 

CENTROS DE FORÇA OU CENTROS VITAIS

 

Definição:

Os centros de força são fulcros energéticos ou força vital - acumuladores e distribuidores de energia situados no perispírito. Regem o funcionamento dos órgãos do corpo fisico. Esses fulcros energéticos, sob a direção automática da alma, imprimem nas células a especialização. Tem uma correspondência com o funcionamento dos órgãos do corpo humano através dos plexos, exceto o coronário.

"No perispírito possuímos todo o equipamento de recursos automáticos que governam os bilhões de entidades microscópicas a serviço da Inteligência, nos círculos de ação em que nos demoramos, recursos esses, adquiridos vagarosamente pelo ser, em milênios e milênios de esforço e recapitulação, nos múltiplos setores da evolução anímica." - André Luiz em Evolução em Dois Mundos, Capítulo II.

 

Plexos

São entrelaçamentos de nervos, formando uma verdadeira rede. São situados no corpo fisico. O sistema nervoso é complexo e permeia todo o corpo físico em redes de comunicação. As células nervosas conectam-se entre si como um emaranhado de linhas. Em certos pontos, a compactação dessas linhas forma os plexos nervosos.

Existem milhares desses plexos no corpo. Alguns são mais importantes pela localização e pelo trabalho que realizam. As energias captadas pelos centros vitais passam aos plexos e desses aos nervos, transitando assim por todo o organismo.

André Luiz em "Evolução em dois Mundos", Capítulo II dá a seguinte classificação:

O centro coronário, instalado na região central do cérebro, sede da mente, centro que assimila os estímulos do plano superior e orienta a forma, o movimento, a estabilidade, o metabolismo orgânico e a vida consciencial da alma encarnada ou desencarnada. Esse centro supervisiona ainda, os outros centros vitais que lhe obedecem ao impulso, procedente do Espírito;

O centro cerebral contíguo ao coronário, com influência decisiva sobre os demais, governando o córtice encefálico na sustentação dos sentidos, marcando a atividade das glândulas endocrinicas e administrando o sistema nervoso, em toda organização;

O centro laríngeo, controlando notadamente a respiração e a fonação;

O centro cardíaco, dirigindo a emotividade e a circulação das forças de base;

O centro esplênico, determinando todas as atividades em que se exprime o sistema hemático, dentro das variações de meio e volume sanguíneo;

O centro gástrico, responsabilizando-se pela digestão e absorção dos alimentos densos ou menos densos que, de qualquer modo, representam concentrados fluídicos penetrando-nos a organização;

O centro genésico, guiando a modelagem de novas formas entre os homens ou o estabelecimento de estímulos criadores, com vistas ao trabalho, à associação e à realização entre as almas.

Centro Vital Plexos Correspondentes Localização

 

Centro Vital

Plexos correspondentes

Localização

Coronário

Coronário

Alto da cabeça (Topo)

Frontal

Frontal

Fronte (Lobo Frontal, entre as sobrancelhas)

Laríngeo

Laríngeo (Faríngeo)

Garganta

Cardíaco

Cardíaco

Sobre o coração

Gástrico (Solar)

Gástrico

Sobre o estômago

Esplênico

Esplênico (Mesentérico)

Sobre o baço

Genésico

Hipogástrico

Baixo ventre (Bexiga)

 

É importante citarmos que André Luiz, em suas obras, não se refere ao Centro Vital Básico, porém, Edgard Armond o incluiu, considerando sua importância no metabolismo energético, por ser o agente reativador das atividades mediúnicas no campo da movimentação de fluidos pesados, próprios do homem em evolução.

"André Luiz em "Entre a Terra e o Céu", Capítulo 20, diz o seguinte: "Quando a nossa mente, por atos contrários à Lei Divina, prejudica a harmonia de qualquer um desses fulcros de força de nossa alma, naturalmente se escraviza aos efeitos da ação desequilibrante, obrigando-se ao trabalho de reajuste".

Nos trabalhos de passes o conhecimento da localização dos centros de força é de suma importância.

"O passe não é unicamente transfusão de energias anímicas. É o equilibrante ideal da mente, apoio eficaz de todos os tratamentos".

"Espíritas e médiuns espíritas, cultivemos o passe no veículo da oração, com respeito que se deve a um dos mais legítimos complementos da terapêutica usual". (Opinião Espírita Capítulo 55).

"O socorro, através de passes, aos que sofrem do corpo e da alma, é instituição de alcance fraternal que remonta aos mais recuados tempos. O Novo Testamento, para referir-nos apenas ao movimento evangélico, é valioso repositório de fatos nos quais, Jesus e os apóstolos aparecem dispensando, pela imposição das mãos ou pelo influxo da palavra, recursos magnéticos curadores. Nos tempos atuais tem cabido ao Espiritismo, na sua feição de Consolador Prometido, conservar e difundir largamente essa modalidade de socorro espiritual." (Estudando a Mediunidade, Capítulo XXVI). Devemos, portanto, caminhar em busca do equilíbrio em nossas atitudes, buscando uma harmonização fisico-espiritual, calcada sempre nos ensinamentos evangélicos transmitidos Jesus.

 

Bibliografia:

 

XAVIER, Francisco Cândido Vieira. Waldo (André Luiz). Evolução em dois

Mundos: Capítulo 11

XAVIER, Francisco Cândido (André Luiz).Entre a Terra e o Céu: Capítulo XX

PERALVA, Martins. Estudando a Mediunidade: Capitulo XXVI

XAVIER, Francisco Cândido VIEIRA Waldo (Emmanuel/André). Capítulo 55

 

 

PARTE B

 

DIRETRIZES DO EVANGELHO

 

"Nem todo o que diz Senhor, Senhor, entrará no Reino dos Céus, mas sim o que faz a vontade de meu Pai ..." Mateus, 7:21

O tema nos convida à reflexão sobre como nos posicionamos na qualidade de discípulos frente aos ensinamentos de Jesus. Em diversas oportunidades Jesus exemplificou como deveríamos nos portar frente às diversas situações que a vida nos coloca. Quando descobrimos a riqueza do Evangelho, encontramos verdadeiro manancial que auxilia a nos reformarmos interiormente.

A reforma perante a luz do Cristo, certamente nos torna pessoas melhores. Porém, o fato consiste somente em parte da questão. De que vale chamá-lo de Mestre quando não se segue os seus preceitos?

Faz-se imprescindível aplicar seus ensinamentos na própria vida transformando-se com o objetivo maior de melhor servir. No próprio capítulo citado acima, Mateus relembra a assertiva do Mestre: "Assim, pois, pelos seus frutos os conhecereis", ou seja, o trabalho é fundamental.

Já dizia Paulo "Somos cooperadores de Deus" (I Coríntios, 3:9) e, para nos ensinar como cooperar, Jesus veio pessoalmente trazer sua mensagem de amor que nos ensina como proceder. Esta mensagem está concentrada nos Evangelhos que constituem um verdadeiro manual de normas de conduta. É Jesus fornecendo padrões educativos nas passagens do Evangelho, através dos seus exemplos e ensinamentos, que nos levarão à plenitude, culminando na conquista do Reino dos Céus dentro de nós.

"Não basta fazer do Cristo Jesus o benfeitor que cura e protege. É indispensável transformá-lo em padrão permanente da vida, por exemplo e modelo de cada dia" (Vinha de Luz, 100). Como absorver tal citação em nossas vidas se ainda estamos tão distantes do que seria um bom exemplo? Os Evangelhos nos ensinam o caminho, mas a prática a nós pertence totalmente. E é justamente nessa prática, envolvida pela caridade, que estaremos aprendendo com o Mestre do amor e da renúncia.

O trabalho digno é a oportunidade abençoada e, trazendo para o nosso contexto, não resta dúvida que o exercício da mediunidade é um excelente campo na seara do bem. Entretanto, boa parte dos aprendizes é ainda motivada pela oportunidade de atuar na prática fenomênica atraídos muitas vezes pelo fantástico e pela curiosidade. Alcançar o título de médium, em obediência a meros preceitos do mundo, não representa esforço essencialmente difícil. Receber mensagens do Além e transmiti-las a outrem, simplesmente, pouca valia possui, a menos que se esteja com propósitos elevados.

Sabemos que o intercâmbio mediúnico é acontecimento natural e o médium é um ser humano como qualquer outro. O que o diferencia é o agir e servir, ajudar e socorrer sem recompensa e sem vangloriar-se, sabendo fazer bom uso do empréstimo que a Bondade Infinita lhe concedeu, e pautando-se pelas diretrizes de Jesus.

Não podemos nos esquecer que como médiuns somos instrumentos nas mãos do divino Mestre - é indispensável afinar o nosso instrumento de serviço justamente pelo Seu diapasão. Todos podem transmitir recados espirituais, doutrinar irmãos e investigar a fenomenologia, mas para imantar corações em Jesus é indispensável sejamos fiéis servidores do bem, trazendo o cérebro repleto de inspiração superior e o coração inflamado na fé viva. Assim, todos aqueles que se vêem convidados a atuar no campo da mediunidade, devem ter muito claro que todo o trabalho sempre deverá ser feito em espírito de muita fraternidade e em nome de Jesus. Quanto mais o médium se purifica mais sintoniza-se com a espiritualidade elevada e, para se purificar, a prática do Evangelho é o melhor caminho.

O Espírito Emmanuel nos orienta: “quando termine cada dia, passa em revista as pequeninas experiências que partilhaste na estrada vulgar. Observa os sinais com que assinalaste os teus atos, recordando que a marca do Cristo é, fundamentalmente, aquela do sacrificio de si mesmo para o bem de todos”. (VL 8).

 

"E tudo o quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor, e não aos homens" Paulo (Colossenses, 3:23).

 

Bibliografia:

KARDEC, Allan. Evangelho Segundo Espiritismo: Cap. XVIII, item 6;

Bíblia de Jerusalém: Novo Testamento

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Vinha de Luz

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Segue-me

 

Questões para reflexão

 

1) Cite os centros de força e diga onde estão situados.

 

2) Fale sobre os plexos.

 

3) Analise o ensinamento de Jesus: "Assim pelos seus frutos os conhecereis". (Mt 7 :20)

 

4) Interprete a afirmação de Jesus "Nem todos que me dizem Senhor, Senhor, entrarão no Reino dos Céus: mas somente os que fazem a vontade de meu Pai que está nos céus!"

 

6ª AULA

 

PARTE A

 

A EPÍFISE

 

Desde a Antiguidade existem relatos que demonstram o conhecimento da Epífise ou Glândula Pineal. Entre os gregos na Escola de

Alexandria, os estudos pineais estavam relacionados às questões de ordem religiosa. Os gregos a denominavam como conárium enquanto os latinos por glândula pinealis.

No século XVIII, Descartes, um grande pensador, afirmou que a epífise era o centro da alma. De acordo com a doutrina espírita, esse parecer não procede, basta para tanto consultar as questões número 146 e 146a do Livro dos Espíritos.

A alma humana não possui uma sede, não está determinada e circunscrita em uma certa parte do corpo. Entre as religiões de origem oriental, o conhecimento e a importância deste órgão possui posição de destaque. Os indus, por exemplo, a conheciam como a flor de mil pétalas. Para eles, a Glândula Pineal era possuidora de elementos orgânicos que estabeleciam uma ponte de ligação com o centro coronário.

Podemos destacar como principais características da Epífise:

a) a separação dos hormônios psíquicos, que são os responsáveis pelas glândulas sexuais e por todo o sistema endócrino. É função da epífise despertar no homem após os 14 anos a fonte criadora, a válvula do escapamento, antes disso sua energia é freada. Por tudo isso, pode-se afirmar que a Epífise tem um papel elementar, básico e absoluto;

b) Está relacionada à parte emocional;

c) Relaciona-se à vontade de cada um, ao esforço de se melhorar. A Epífise está relacionada à vontade;

d) Constitui-se, por assim dizer, um armazém energético, pois supre com energias de caráter psíquico, todo o corpo;

e) Glândula da vida mental. Representa uma manifestação do centro coronário.

Apesar de sua importância já ser conhecida por diversos povos, entre os espíritas os estudos de relevância sobre o assunto ganharam destaque a partir de 1945, quando por meio da mediunidade de Francisco Cândido Xavier, André Luiz, um médico desencarnado, relatou o seu espanto, ao perceber a função que a epífise desempenhava no momento do transe mediúnico.

Segundo André Luiz: "quanto mais lhe notava as singularidades do cérebro, mais admirava a luz crescente que a epífise deixava perceber. A glândula minúscula transformara-se em um núcleo radiante e, em derredor, seus raios formavam um lótus de pétalas sublimes."

Logo em seguida, André Luiz afirma o seguinte:

“Examinei atentamente os demais encarnados. Em todos eles a glândula apresentava notas de luminosidade, mas em nenhum brilhava como no intermediário em serviço”. (Missionários da Luz)

A descrição efetuada demonstra claramente que a Epífise coloca o ser encarnado em contato com o mundo espiritual, de forma mais intensa.

Na década de 1940 e 1950, a medicina ainda havia avançado muito pouco em relação ao seu conhecimento sobre o papel e o funcionamento da glândula pineal. Ela era vista apenas como um órgão vestigial, o frenador da sexualidade infantil.

A partir de 1958, pesquisas desenvolvidas na Universidade de Yale, nos Estados Unidos, identificaram que a Glândula Pineal produz um hormônio próprio, a melatonina. Tal descoberta permitiu um avanço nas pesquisas sobre este assunto.

A Glândula Pineal faz parte do epitálamo, um dos componentes do diencéfalo. Ela corresponde a uma evaginação do teto diencéfalico. A natureza fez um trabalho bastante cuidadoso, pois localizou esta glândula no eixo mediano do encéfalo. Com relação ao seu peso e tamanho, não existe um consenso propriamente dito sobre o assunto. Afírma-se que a Glândula Pineal possui um formato de um cone, e pesa aproximadamente 100 mg no homem. Por outro lado, Jorge Andréa, fornece informações mais precisas: afirma que ela mede de 6 a 8 mm de comprimento por 4 a 5 mm de largura e 2 a 5 mm de espessura, sendo o peso médio de 0,16gr. Possui a forma de uma pinha (na criança), já no adulto possui um formato achatado, e forma triangular ou ovular. Possui coloração rósea.

É preciso ponderar que a Glândula Pineal não é uma exclusividade humana, está localizada também nos vertebrados inferiores. Neste caso, não só a localização, mas também a função possui um caráter bastante diferenciado.

Nos vertebrados de sangue frio ela tem como função ser um órgão fotorreceptor, por isso muitos destes animais reagem rapidamente à mudança de cor devido à iluminação ambiental.

Em algumas espécies a Glândula Pineal possui um caráter duplo. Um componente é intracraniano, o órgão pineal propriamente dito, o outro extracraniano, que se manifesta na parte exterior e frontal da cabeça. É o caso do lagarto, que possui uma lente, o terceiro olho.

Nos mamíferos, apesar da estrutura ser bem mais simples, a dupla origem permanece, porém perdeu sua função fotorreceptora. Não recebe mais de forma direta a luz, não envia impulsos nervosos ao cérebro. Pode ser considerado um órgão secretor. Sua função muda, assim como sua relação com o organismo.

Segundo Jorge Andréa, com relação ao olho pineal, pode-se pensar que em vez de ser considerado uma característica de regressão, fadada ao desaparecimento, talvez possa ser visto o início do processo de desenvolvimento.

"Desse modo, o olho pineal pode ser visto como o ponto em que se iniciam os verdadeiros alicerces da Glândula Pineal", e como tal, da individualidade Espiritual - as expressões de um Eu em formação não existente nos invertebrados, cuja zona espiritual deve fazer parte de um conjunto próprio da espécie, sem as nuanças que caracterizam o indivíduo, o EU.

Na espécie humana, a função da Glândula Pineal passa pelos mecanismos da meditação e do discernimento, da reflexão e do pensamento e pela direção e orientação dos fenômenos psíquicos mais variados.

Perante essas informações, temos o dever de efetuar um questionamento:

Para que serve a Glândula Pineal? Sua ausência causaria quais danos ao organismo?

A Glândula Pineal apresenta ligações com a tireóide, a suprarenal, o pâncreas e tímus. No primeiro caso, a relação entre as duas glândulas é evidente. A retirada cirúrgica de uma interfere na outra, é um ponto de partida para um processo violento, mais acentuado em direção a tireóide. No segundo caso, a retirada da Pineal altera os índices de colesterol e ácido ascórbico. Com relação ao pâncreas, órgão produtor da insulina, sabe-se que a Glândula Pineal exerce uma função frenadora, e no caso do Tímus, os tumores da Pineal impedem a regressão normal da glândula na idade oportuna.

Em suma, podemos afirmar que a Glândula Pineal está ligada a todo o setor glandular do organismo. A Glândula Pineal está comprometida com vários departamentos orgânicos, inclusive aqueles que orientam a vida psíquica.

"Podemos considerar a Pineal como sendo a glândula da vida psíquica; a glândula que resplandece o organismo, acorda a puberdade e abre suas usinas energéticas para que o psiquismo humano, em seus intricados problemas psicológicos, se expresse em vôos imensuráveis"

Os pesquisadores já não perguntam mais para que serve a pineal, eles pesquisam para saber de forma mais detalhada quais órgãos do corpo humano estão sob sua interferência, ou melhor, sobre a interferência da melatonina, hormônio produzido pela Glândula Pineal e seu grau de atuação sobre esses órgãos. Hoje em dia, sabe-se que a Epífise é a reguladora da cronobiologia, dos ritmos biológicos, ela é que determina se uma pessoa está acordada ou dormindo, em outras palavras, se o espírito está ligado ao corpo ou não, em períodos de vigília e sono.

Com relação aos mecanismos da mediunidade, sabe-se que a Epífise é considerada a Glândula da vida mental porque é por meio dela que todos os fenômenos anímicos e espíritas se produzem.

É preciso destacar que no Brasil, os estudos sobre a Glândula Pineal tem recebido a atenção de médicos e cientistas.

 

Bibliografia:

 

ANDREA, Jorge. Palingênese: A grande lei. (reencarnação).

KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos.

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito André Luiz). Missionários da Luz

 

PARTE B

 

FORÇA MEDIÚNICA

 

Força mediúnica, bendito recurso inerente à personalidade humana, dentro de um grau maior ou menor. Como tudo em nossa vida, necessário se faz que façamos bom uso daquilo que possuímos. Na mediunidade também é assim, indispensável que a coloquemos no serviço do bem, não importando qual o tipo, nem tampouco o grau de intensidade. O importante é que coloquemos a força medianímica a favor do próximo, no trabalho constante para a nossa própria renovação, ainda que sejamos imperfeitos.

As obras básicas de Allan Kardec fortalecem-se, consolidam-se, engrandecem-se continuamente, especialmente pelo que, em termos de mediunidade, dizem os Espíritos na atualidade, notadamente, André Luiz.

Em Mecanismo da Mediunidade, Cap. XVII, o autor citado nos informa o seguinte: "Não podemos esquecer que o campo de oscilações mentais do médium - envoltório natural e irremovível que lhe pulsa do espírito - é o filtro de todas as operações nos fenômenos fisicos. Ainda André Luiz em Nos Domínios da Mediunidade, Cap. 13, referindo-se a mediunidade de Celina afirma que ela conhece a sublimidade das forças que a envolvem e entrega-se confiante, assimilando a corrente mental que a solicita.

No livro Pão Nosso, lição 68, o Espírito Emmanuel passa-nos o importante ensinamento: "A criatura necessita indagar-se de si mesma o que fazer, o que deseja, a que propósitos atende e a que finalidades se destina. Faz-se indispensável examinar-se, emergir da animalidade e erguer-se para senhorear o próprio caminho."

A tarefa nos espera, reconheçamos nossas limitações, aceitando-as e continuando o trabalho com gratidão e alegria. (Seara dos Médiuns)

Caminhando prudentemente, pela simples boa vontade a criatura alcançará o Divino Reino da Luz. Boa vontade descobre trabalho. O Trabalho opera a renovação. A renovação encontra o bem. Na alma heróica do lutador não paira qualquer sombra de hesitação. Seu espírito, como sempre, está pronto. Em todo o mundo sentimos a enorme inquietação por novas mensagens do Céu. Forças dinâmicas do pensamento insistem em receber modernas expressões de velhas verdades, ensaiando-se criações mentais diferentes. O intercâmbio cada vez mais intensivo entre os chamados "vivos" e "mortos", constitui grande acontecimento para as organizações evangélicas de modo geral.

Martins Peralva em seu livro "Mediunidade e Evolução" informa-nos: "Mediunidade, médiuns e fenômenos mediúnicos continuarão sendo, no curso do tempo, fonte para o estudo e a aplicação de quantos possam sentir, no intercâmbio entre o mundo físico e o espiritual, a grandeza de Deus e a misericórdia de Jesus".

O comportamento de quem reencarna com obrigações definidas, no setor mediúnico, é objeto de preocupação dos Amigos da Vida Espiritual.

 

 

BIBLIOGRAFIA:

 

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito Emmanuel). Seara dos Médiuns: lições

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito Emmanuel). Pão Nosso: Lições: 66, 68,

95, 96 e 119.

XAVIER, Francisco Cândido; VIEIRA, Waldo (Espírito André Luiz). Mecanismos da Mediunidade: Cap. XVII

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito André Luiz). Nos Domínios da Mediunidade: cap. XIII

PERALVA, Martins. Mediunidade e Evolução: lições 4 e 5.

 

 

Questões para reflexão:

 

1) Descreva a importância da epífise nos serviços mediúnicos.

 

2) Explique a função da pineal nos vertebrados de sangue frio.

 

3) Descreva o que você entendeu por força mediúnica.

 

4) Comente a necessidade da pessoa auto-analisar-se.

 

 

 

 

 

 

 

 

7ª AULA

 

PARTE A

 

AÇÃO DOS ESPÍRITOS SOBRE A MATERIA

 

Sabemos que os Espíritos estão revestidos de um envoltório vaporoso, formando neles um verdadeiro corpo fluídico, ao qual damos o nome de perispírito, cujos elementos são hauridos no fluido universal ou cósmico, princípio de todas as coisas.

Quando o espírito se une ao corpo, nele existe com seu perispírito, que serve de laço entre o Espírito propriamente dito e a matéria corpórea; é o intermediário das sensações percebidas pelo Espírito.

"O Espírito encarnado é a alma do corpo; quando o deixa pela morte, não sai desprovido de qualquer envoltório. Todos eles nos dizem que conservam a forma humana, e, com efeito, quando nos aparecem, é sob essa forma que os reconhecemos" (L.M., 2ª parte, Cap. I, item 53).

Qualquer que seja o grau em que se encontre, o Espírito está sempre revestido de um envoltório, ou seja, o perispírito, cuja natureza se eteriza, à medida que ele se purifica e se eleva na hierarquia espiritual.

Ao desencarnar, o Espírito não tem consciência imediata de sua atuação.

A perturbação que sente varia de intensidade conforme o tipo de vida que ele leva quando encarnado. Alguns têm por pouco tempo a ilusão de ainda estarem vivos.

"Os Espíritos têm influência sobre nossos pensamentos e ações?"

"Em relação a isso, a sua influência é bem maior do que imaginam, porque muitas vezes são eles que os dirigem." (L.E. perg. 459).

Um Espírito quer agir sobre um indivíduo; aproxima-se dele e o envolve, envolve seu perispírito como um casaco; os fluidos se penetram, os dois pensamentos e as duas vontades se confundem, e o Espírito pode então, se servir desse corpo como do seu próprio, fazê-lo agir segundo a sua vontade, falar, escrever, desenhar etc.; tais são os médiuns.

Se o Espírito é bom, sua ação é branda, benfazeja, que não leva a fazer senão boas coisas; se ele é mau, leva a fazer coisas más, se é perverso, o aperta como uma rede, paralisa até sua vontade, mesmo seu julgamento que ele abafa sob seu fluido como se abafa o fogo sob uma camada de ar; fá-lo pensar, falar, agir por si, leva-o a atos extravagantes ou ridículos; em uma palavra, magnetiza-o, imobiliza-o moralmente, e o indivíduo se torna um instrumento cego de sua vontade.

Tal é a causa da obsessão, da fascinação e da subjugação, que se mostram em graus de diversas intensidades.

A ação dos Espíritos maus produz uma série de perturbações na economia moral e mesmo fisica que, por ignorância da causa verdadeira, se atribuíam a causas errôneas. Os maus Espíritos são os inimigos invisíveis, tanto mais perigoso quanto não se supunha sua ação. O Espiritismo, pondo-os a descoberto, vem revelar uma nova causa a certos males da Humanidade; conhecida a causa, não se procurará mais combater o mal por meios que doravante, se sabe inúteis, procurar-se-ão os mais eficazes.

Ora o que foi que fez descobrir essa causa? A mediunidade; foi pela mediunidade que esses inimigos ocultos traíram sua presença; ela fez para eles o que o microscópio fez para os infinitamente pequenos: revelou todo um mundo.

"O perispírito, se distende ou se contrai, se transforma, em uma palavra: presta-se a todas as modificações, segundo a vontade que o dirige. É, graças a essas propriedades do seu invólucro que o Espírito pode fazer-se reconhecer, quando necessário, tomando exatamente a aparência que tinha na vida fisica, e até mesmo, com os defeitos que possam servir de sinais para o reconhecimento" (L.M., 2° parte, Cap. 1, item 56).

Dessa forma podemos entender por que o Espírito necessita de matéria para atuar sobre a matéria, ação essa que é feita por meio do envolvimento fluídico.

É pelo impulso de sua vontade e pelos conhecimentos adquiridos nas existências sucessivas que o Espírito age sobre a matéria. Nestes fenômenos, a causa preponderante é o Espírito, e os fluidos, seu instrumento.

Diz André Luiz, em "Evolução em dois Mundos": "Cabe nos assinalar, desse modo, que toda energia, originariamente, é força divina de que nos apropriamos para interpor os nossos propósitos da Criação". (Cap.1).

A Doutrina Espírita vem assim explicar-nos o motivo das manifestações sobre a matéria, de forma lógica e racional, deixando desaparecer qualquer coisa de sobrenatural, fantástico, maravilhoso, dando lugar à realidade das Leis Naturais, que funcionam naturalmente.

Vejamos, então as principais ações dos Espíritos sobre a matéria no plano dos encarnados:

Imprime vitalidade ao corpo, sustentando sua organização como instrumento de ação, em qualquer nível de sua fase evolutiva. Porém, se é certo que o Espírito sustenta a matéria, é também certo que a matéria anirnalizada lhe auxilia o desenvolvimento. São exemplos, entre tantos, a absorção e assimilação de fluidos (L.E., Livro I, Cap. IV, perg. 63), ou a transmissão de seu fluido vital para outro indivíduo (L.E. Livro I, cap. IV, comentário de Kardec à perg. 70).

Irradia as próprias características, em razão da corrente mental que nasce das profundezas da alma, formando, ao seu redor, um campo áurico específico, ou túnica de forças eletromagnéticas, pois onde há pensamento, há correntes mentais e onde há correntes mentais existe associação. E toda associação é interdependência e influência recíproca. (André Luiz, em "Nos Domínios da Mediunidade", Cap. 5).

Cria formas-pensamento ou imagens-modelo ou moldes ao pensar, arrojando-as para fora de si, através da atmosfera psíquica que lhe caracteriza a presença. (André Luiz, em "Mecanismo da Mediunidade", Cap.4)

Produz os fenômenos fisicos, ou melhor, de Efeitos físicos manipulando os fluidos retirados do médium (L.M., 2° parte, cap. V, item 93).

É necessário lembrar também que os Espíritos superiores não se ocupam em produzir esses efeitos; eles possuem a força moral, e, quando necessitam provocar tais efeitos, se servem dos Espíritos inferiores, como os homens se servem de carregadores.

De acordo com a Doutrina Espírita, como neutralizar a influência dos maus Espíritos?

Trata-se de uma luta contra um adversário; ora quando dois homens lutam corpo a corpo, é o que tem músculos mais fortes que derruba o outro. Com o Espírito é preciso lutar, não corpo a corpo, mas Espírito a Espírito, e é ainda o mais forte que o domina; aqui a força está na autoridade que se pode tomar sobre o Espírito, e esta autoridade está subordinada a superioridade moral.

A superioridade moral é como o Sol, que dissipa o nevoeiro pelo poder de seus raios. Esforçar-se por ser bom, tornar-se melhor se já é bom, purificar-se de suas imperfeições, em poucas palavras, elevar-se moralmente o mais possível, tal é o meio de adquirir o poder de dominar os Espíritos inferiores para afastá-los. (L.M., nºs. 252 e 279).

Certas pessoas preferem, sem dúvida, uma receita mais fácil para afastar os maus Espíritos: algumas palavras ou alguns sinais, por exemplo, seria mais cômodo do que a necessidade evidente de corrigir de seus defeitos.

Não conhecemos nenhum outro procedimento mais eficaz para vencer um inimigo do que ser mais forte do ele.

É preciso, pois, se persuadir de que não há, para alcançar esse objetivo, nem palavras sacramentais, nem fórmulas cabalísticas, nem talismãs, nem quaisquer sinais materiais.

Antes de esperar domar os maus Espíritos, é preciso aprender a domar a si mesmo. De todos os meios de adquirir a força para isso chegar, o mais eficaz é a vontade secundada pela prece, a prece de coração, entenda-se, e não de palavras repetidas sem fervor.

É preciso lembrarmo-nos da máxima: "Ajuda-te e o Céu te ajudará"; e pedir, sobretudo, a força que nos falta para vencer os vícios que são para nós piores que os maus Espíritos, porque são esses hábitos negativos que os atraem, como corrupção atrai as aves de rapina. Orar pelo Espírito obsessor é retribuir-lhe o mal com o bem, e se mostrar melhor que ele, o que é um sinal de superioridade moral.

Com perseverança acaba-se, o mais freqüentemente, por levá-lo a melhores sentimentos, e de perseguidor dele fazer um devedor preparando-se para evoluir.

 

Bibliografia:

 

KARDEC, Allan. Livro dos Médiuns: 2° parte, Cap. 1, itens 53, 55 e 56

XAVIER, Francisco Cândido; VIEIRA, Waldo (Espírito André Luiz). Evolução em Dois Mundos: Cap. 1

XAVIER, Francisco Cândido; VIEIRA, Waldo (Espírito André Luiz). Mecanismos da Mediunidade: Cap. XI

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito André Luiz). Nos Domínios da Mediunidade: Cap. 5.

KARDEC, Allan, Revista Espírita: dezembro de 1862

 

PARTE B

 

PENSAMENTO COMO ENERGIA MENTAL

 

A base de toda modificação interior está na mente da criatura.

A mente por sua vez, é o espelho da vida em toda parte. E, necessita apenas, ser lapidada, educada, para que atinja a magnificência da luz. É como um diamante, em estado bruto, para se tornar pedra preciosa, conforme a maneira como o burilarmos.

Espelho da vida, a mente, gera a força do pensamento que movimenta tudo, criando e transformando, destruindo e refazendo, para depurar e sublimar. Isso, porque em todos os domínios do Universo, vibra a influência recíproca.

Assim o reflexo mental de cada ser reside no alicerce da vida. Esse reflexo mental delineia a emotividade; esta plasma a idéia; a idéia determina a atitude; a atitude e a palavra dirige ações, que geram manifestações, que, por sua vez, são válvulas destruidoras ou alavancas positivas da existência.

Então, o que é o pensamento? - É a faculdade de pensar logicamente, refletir; força criadora, construtora, que molda a matéria, organizando formas abstratas ou concretas, que, juntamente com a vontade, são elementos plásticos e organizadores. A vontade é a faculdade de querer, desejar, ter intenção, firmeza de ânimo, decisão, coragem, etc..

"Pensar é criar" (Emmanuel, Pão Nosso, cap.15). Toda criatura possui energia obediente à sua vontade, que, ligada ao seu potencial imaginativo, atua exteriormente, influenciando outras criaturas e ambientes distantes. As imagens servem, então, como matéria-prima de todas as criações intelectuais.

A abstração, a comparação e a imaginação, são faculdades superiores da inteligência, onde se encontram todas as invenções, todas as descobertas, todas as inspirações, todas as criações da humanidade; são forças ideoplásticas que, como fenômeno psicológico do ser, podem se transformar em fenômeno físico. Assim, é que todas as obras humanas são resultantes do pensamento.

"Somos levados a emitir o postulado da existência de uma Inteligência Suprema e a considerar o Universo como expressão do pensamento divino, sustentado perpetuamente por sua divina vontade" (Prof. Willian Barret, em Pensamento e Vontade de Ernesto Bozzano.

Quando colocamos o Evangelho como guia, ele nos ajudará na nossa renovação interior, fazendo com que nos transformemos interna e integralmente, aproximando-nos do Criador. Para isso se faz necessário reeducarmos o nosso pensar. Mesmo sendo tarefa delicada, é possível sabermos renunciar, vigiar, dominarmos nosso sentir e pensar, modificar nosso jeito de falar e de agir, para podermos vencer criações mentais viciosas, para afastarmos as sombras do nosso cotidiano, e a nossa preguiça mental.

A Doutrina Espírita veio desvendar o processo da nossa libertação mental de pensar, para vivermos melhor e amplamente. Daí a importância do pensamento do médium, para que continue equilibrado em tudo que empreender; porque o médium com pensamentos indignos, como a crítica, a inveja, o ciúme, a vã curiosidade, a maledicência, etc., é um ser invigilante que certamente, trará desequilíbrio para si e para o ambiente onde vive ou trabalha.

Jesus nos disse: "Orai e vigiai", somente assim não seremos vítimas da nossa própria imprudência mental. Ainda podemos afirmar que: "O amor é luz benfazeja na vida do médium responsável e atento no exercício das tarefas que lhe cabem, e de assistência espiritual que exerce".

 

Bibliografia:

 

KARDEC, Allan. Livro dos Espíritos: perg. 456, 833 a 837

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Pensamento e Vida: Cap. I

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Pão Nosso: Cap. 15 e 66

BOZZANO, Ernesto. Pensamento e Vontade

KARDEC, Allan. Livro dos Médiuns: 2ª parte. Cap. VIII

KARDEC, Allan. A Gênese: Cap. XIV, itens 13 a 15

PERALVA, Martins - Mediunidade e Evolução - n° 34

XAVIER, Francisco Cândido; VIEIRA, Waldo (Espírito André Luiz). Mecanismos da Mediunidade: Caps. III e XI

 

 

Questões para reflexão:

 

1) Explique como o Espírito age sobre a matéria.

 

2) Descreva como os Espíritos conseguem movimentar objetos.

 

3) Interprete o termo: "A mente por sua vez é o espelho da vida".

 

4) Explique o significado da frase de Jesus: "Orais e Vigiai".

 

 

8ª AULA

 

PARTE A

 

O PAPEL DOS MÉDIUNS NAS COMUNICAÇÕES

 

Os Médiuns são os intérpretes incumbidos de transmitir aos homens os ensinos dos Espíritos; ou, melhor, são os órgãos materiais de que se servem os Espíritos para se expressarem aos homens por maneira inteligível. (Allan Kardec - E.S.E. Cap. 28 item 9).

O papel dos médiuns difere essencialmente conforme os casos. “Eles passam por todos os graus do transe, de acordo com as absorções que lhes devem ser feitas”. (No Invisível- Leon Denis – Cap. XX)

O médium desempenha um papel essencial no estudo dos fenômenos espíritas. Participa através do seu invólucro fluídico, da vida do Espaço e, através do corpo fisico da vida terrestre, é ele o intermediário entre os dois mundos. (No invisível - Leon Denis – Cap. IV)

A comunicação entre os Espíritos se realiza unicamente pela irradiação do pensamento. O pensamento não necessita de vestes ou palavras para ser compreendido, pois são captados pelo direcionamento dos mesmos e entendimento conforme o adiantamento de cada Espírito.

Contudo, os seres encarnados, só podem comunicar-se pelo pensamento traduzido em palavras, que se tornam necessárias para as suas idéias, o Espírito necessita de um instrumento: esse instrumento é o médium. Qualquer que seja a natureza dos médiuns, os processos de comunicação não variam na essência, realizam-se unicamente pela irradiação do pensamento. O Espírito do médium recebe a comunicação do Espírito e a transmite por meio de seus órgãos corporais, servindo assim de intérprete, porque está ligado ao corpo que serve para comunicação.

Os Espíritos não têm senão a linguagem do pensamento que é o idioma universal, compreendido por todos, tanto pelos homens quanto pelos Espíritos. Assim, podemos deduzir que as principais características relacionadas ao papel do médium nas comunicações, são as seguintes:

- Ele é sempre ativo, seja consciente ou inconsciente, intuitivo ou mecânico, dele sempre depende a transmissão e a pureza das mensagens; e assim sendo, a passividade do médium é uma concordância determinada por sua vontade,

- O Espírito não se serve das idéias do médium, mas das referências existentes na sua mente para exprimir os seus próprios pensamentos.

- O estudo para o desenvolvimento intelectual e moral favorece a comunicação, pois nesse caso o Espírito comunicante encontra na mente do médium os elementos apropriados à roupagem de palavras correspondentes ao seu pensamento. Assim quando encontra num médium, a mente cheia de conhecimentos adquiridos na vida atual e conhecimentos anteriores latentes, os pensamentos se comunicam instantaneamente.

- O médium menos preparado torna o trabalho dos Espíritos mais demorado e penoso, pois há necessidade de decompor os pensamentos e muitas vezes ditar palavra por palavra. O médium mal aparelhado exige um trabalho semelhante à comunicação por pancadas.

As comunicações dos Espíritos trazem sempre, em maior ou menor grau, o cunho pessoal do médium quanto à forma e estilo, embora o pensamento não seja absolutamente dele, não faça parte de suas preocupações habituais, o médium não deixa de exercer sua influência, dando-lhe as qualidades e propriedades características à sua individualidade

 

Bibliografia:

 

KARDEC, Allan. Evangelho Segundo Espiritismo: Cap. 28, item 9

KARDEC, Allan. Livro dos Médiuns. 2ª parte, cap. IV, item 74, perg. 8, 19 e

Cap. XIX

DENIS, Leon. No invisível: Cap. IV e XX

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito Irmão X). Lázaro Redivivo: Cap. 04

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Caminho Verdade e Vida: Lição 69

XAVIER, Francisco Cândido (André Luiz). Missionários da Luz: Cap. 3

 

PARTE B

 

SERVIÇO MEDIÚNICO

E A INFLUENCIA MORAL DO MÉDIUM

 

O médium como instrumento utilizado pelo Espírito para transmissão de suas idéias é totalmente responsável pelo desempenho de sua tarefa. A responsabilidade pela mesma deve permear seu trabalho através da dedicação com a qual se aplica a ela, no dia a dia, desempenhando o seu trabalho mediúnico com o exato sentido do dever a realizar.

"O dever começa precisamente no ponto em que ameaçais a felicidade ou o repouso do vosso próximo; termina no limite em que não gostaríeis de vê-lo passar além de vós mesmos. (E.S.E, Cap. XVII, item 7)

Embora a presença da mediunidade não seja necessariamente indício de elevação moral, o mesmo ocorre com seu uso, que dependerá do tipo de sintonia que o médium estabelecerá com os Espíritos, superiores ou inferiores. O trabalhador do bem é reconhecido pela qualidade de seu caráter e pelo cultivo das virtudes. A moral cristã é seu guia diário de conduta, pois o Espiritismo não cria nenhuma nova moral. Facilita aos homens a inteligência e a prática da moral do Cristo.

Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que faz para dominar suas más inclinações. (E.S.E. Cap. XVII, item 4). A maturidade do senso moral, ainda que inerente ao desenvolvimento do Espírito encarnado, exige um árduo trabalho para quebrar os laços da matéria, que em alguns são muito fortes para permitir ao Espírito desligar-se das coisas da Terra.

A reforma íntima juntamente com o esclarecimento decorrente das leituras das obras da codificação propicia a real consciência dos processos mediúnicos, de suas modalidades, das particularidades de seu desenvolvimento, da responsabilidade de sua prática que dá condições ao médium de conhecer sua própria sensibilidade mediúnica.

O médium, acima de tudo, deve estar convencido da necessidade de servir ao próximo, levando esperança e consolo através do influxo da esfera superior e do correto embasamento cristão, com humildade suficiente para colaborar sem impor-se e com a determinação voltada à realização da tarefa.

"A experiência humana não é uma estação de prazer. O homem permanece em função de aprendiz e, nessa tarefa, é razoável que saiba valorizar a oportunidade de aprender, facilitando o mesmo ensejo ao semelhante." (Caminho, Verdade e Vida - Emmanuel – nº 3)

"Haverá na experiência de cada um de nós a ordenação do Criador e o serviço da criatura. Não basta multiplicar as promessas ou pedir variadas tarefas ao mesmo tempo. Antes de tudo, é indispensável receber a ordenação do Senhor cada dia, e executá-la do melhor modo". (Vinha de Luz -19).

"O conhecimento doutrinário beneficia aqueles que, em sessões mediúnicas, operam no intercâmbio, assim como aqueles que, sem se aperceberem, transmitem na conversação inspirações da Esfera Espiritual" (Martins Peralva - Mediunidade e Evolução, lição 7).

 

Bibliografia:

 

KARDEC, Allan. Evangelho Segundo Espiritismo: Cap. XVII, itens 4 e 7

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Roteiro: Caminho Verdade e Vida:

Lição 3

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Vinha de Luz: Lição 19

PERALVA, Martins. Mediunidade e Evolução: Lição 7

Novo Testamento: I Epístola de João, 4: 1

PUGLIA, Silvia C. S. C. – CDM: Curso De Desenvolvimento Mediúnico

 

Questões para reflexão:

 

1) Explique o que é ser médium e qual o seu papel nas tarefas mediúnicas.

 

2) Comente a dificuldade dos Espíritos, quando nas suas comunicações, dependem de médiuns despreparados.

 

3) Descreva a importância da vivência mediúnica no aprendizado do médium.

 

4) Explique o valor do cumprimento das atividades de cada um de nós nos serviços mediúnicos, e o que pode ocorrer com aqueles que conscientes de suas tarefas, desprezam as oportunidades de servir.

 

 

9ª AULA

 

PARTE A

 

MANIFESTAÇÕES ESPÍRITAS

 

 

Manifestações Inteligentes - Manifestações Físicas

 

Manifestações inteligentes: quando revelam um pensamento. Toda a manifestação que comporte um sentido, não fora senão um simples movimento ou ruído que acuse uma certa liberdade de ação, responde a um pensamento ou obedece a uma vontade, é uma manifestação inteligente. Ocorre em todos os graus. (Revista Espírita de 1858 - Teorias das Manifestações Físicas).

Manifestações físicas: são aquelas que se traduzem por fenômenos sensíveis, tais como os ruídos, o movimento e o deslocamento de objetos, Essas manifestações não comportam, muito freqüentemente, nenhum sentido direto; elas não têm por objetivo senão chamar a nossa atenção sobre alguma coisa, e nos convencer da presença de uma força superior a do homem. Umas são espontâneas, independentes da vontade humana, e outras podem ser provocadas. (R.E. de 1858 - Diferentes Naturezas de Comunicações)

Manifestações físicas provocadas: O conhecido fato das chamadas "mesas girantes", pertence a este tipo de manifestação. Esse efeito se produz em qualquer outro objeto, mas sendo a mesa o mais empregado, o nome de mesas girantes prevaleceu na designação desta espécie de fenômenos, sendo o ponto de partida da Doutrina Espírita.

Para a produção do fenômeno é necessário a participação de um ou mais médiuns, não importando o sexo, o tipo de vestimenta, se estão com as mãos unidas ou não (acreditava-se na ação de uma espécie de corrente elétrica, mas que a experiência mostrou a sua inutilidade). É realmente necessário o recolhimento dos participantes, o silêncio absoluto e, sobretudo a perseverança, quando a manifestação demora. O tempo de espera depende da capacidade mediúnica dos participantes.

Temos assim a seguinte questão: a que atribuir esse efeito? Pensou-se inicialmente numa possível ação de uma corrente elétrica ou magnética ou pela de um fluido qualquer. Esta solução teria prevalecido se outros fatos não viessem demonstrar a sua insuficiência. Esses novos fatos consistem na prova de inteligência dada aos fenômenos, e, como todo efeito inteligente tem uma causa inteligente, tornou-se evidente que mesmo admitindo-se a ação da eletricidade ou de qualquer outro fluido, havia a presença de outra causa.

O primeiro efeito inteligente que se observou foi precisamente o de obediência às ordens dadas. Sem mudar de lugar, a mesa se erguia sobre os pés que lhes eram indicados. Depois ao abaixar-se, dava um determinado número de pancadas para responder a uma pergunta. De outras vezes sem o contato de ninguém a mesa passeava sozinha pelo aposento, avançando para a direita ou a esquerda, para frente ou para trás e executando diversos movimentos que os assistentes ordenavam.

Por meio de pancadas obtinham-se efeitos ainda mais inteligentes, como a imitação do rufar dos tambores, do ruído de uma serra, das batidas de um martelo, do ritmo de diversas músicas etc. Observou-se que se havia uma inteligência oculta, ela podia responder as perguntas, sim ou não segundo o número de pancadas convencionado, poderia ainda estabelecer-se um número de pancadas correspondentes as letras do alfabeto, para formação de palavras e frases. Repetido esses fenômenos por milhares de pessoas em vários países, esses fatos não podiam deixar dúvidas sobre a natureza inteligente das manifestações.

Desse meio surgiram outros, e assim se chegou ao de comunicações escritas, que foram obtidas inicialmente por meio de uma pequena e leve mesa a que se adaptava um lápis, colocando-a sobre uma folha de papel, sendo substituídas por cestinhas, caixas de papelão, e por fim de simples pranchetas. Descobriu-se mais tarde que esses apetrechos poderiam ser dispensados, visto que a própria mão do médium, impulsionada de maneira involuntária, escrevia sob a influência do Espírito, sem o concurso da vontade ou do pensamento dele.

Vimos assim que a sucessão dos fatos levaram a constatação da interferência, nesses fenômenos, de inteligências ocultas, ou seja dos Espíritos.

Como pode o Espírito mover um corpo sólido? O esclarecimento vem por intermédio do Espírito São Luis, em "O Livro dos Médiuns", Cap.IV, item 74: "O Espírito pode mover um corpo sólido, combinando uma porção do fluido universal com o fluido que se desprende do médium apropriado a esses efeitos".

Quando uma mesa se move, sem a intervenção de alguém, é porque o Espírito evocado tirou do fluido universal o que anima essa mesa de uma vida artificial. Assim preparada, o Espírito a atrai e a movimenta, sob a influência do seu próprio fluido, emitido pela sua vontade. Quando a massa que deseja mover é muito pesada para ele, pede a ajuda de outros Espíritos da sua mesma condição. Por sua natureza etérea, o Espírito não pode agir sobre a matéria grosseira sem intermediário, ou seja, sem o liame que o liga a matéria. “Esse liame que chamais perispírito, oferece a chave de todos os fenômenos espíritas materiais”.

São os Espíritos com maior densidade do perispírito que provocam esses fenômenos, pois os Espíritos Superiores dispõem de um perispírito mais sutil e, quando necessitam provocar esses fenômenos se utilizam daqueles que tem essa condição, assim como os encarnados utilizam-se de carregadores para executar determinadas tarefas.

Qual a necessidade do médium? É necessária a união do fluido animalizado do médium e do fluido universal para dar vida ao objeto desejado, mas não se deve esquecer que essa vida é apenas momentânea, extinguindo-se com a mesma ação, e muitas vezes que a ação termine, quando a quantidade de fluido já não é mais suficiente para animar tal objeto.

O Espírito não poderia agir sozinho? O Espírito necessita do fluido animal do médium, e, pode agir a revelia do médium subtraindo-lhe o fluido necessário, agindo como a tirar de uma fonte o fluido animal de que necessita. O Espírito pode ainda, para produzir o fenômeno, retirar o fluido animalizado de uma pessoa distante. É necessário que o Espírito queira, que tenha um objetivo, um motivo para fazê-lo. É necessário que encontre ainda precisamente no lugar que pretende agir, uma pessoa apta a ajudá-lo, mesmo que apareça inesperadamente.

Mas apesar das circunstâncias favoráveis, ele poderia ser impedido por uma vontade superior que não lhe permitisse agir como quer. Pode também só lhe ser permitido agir dentro de certos limites, nos casos em que essas manifestações sejam consideradas úteis, seja para servirem como meio de convicção ou de experiência para a pessoa que as suporta.

 

Manifestações físicas espontâneas:

Assim como o Espírito envolvia a mesa dando-lhe uma vida artificial, pode também envolver objetos que fará uso segundo seu objetivo e sua vontade (não havendo assim a evocação). Temos como exemplo, o caso do Espírito perturbado - o trapeiro da Rua dos Noyers. Quando foi o Espírito evocado para os devidos esclarecimentos, disse que foi uma criada que serviu de instrumento, e, que apenas procurava se divertir atirando pedras. Relata que os objetos que atirava encontrava no pátio e nos jardins vizinhos, envolvia-os no fluido da médium juntamente com o seu e os atirava. Esclarece ainda que não criava os objetos, embora até pudesse faze-lo, o que seria muito mais difícil, mas diz ele: "em último caso a gente mistura matérias e faz qualquer coisa”. (Revista Espírita, 1858)

De todas as manifestações espíritas, as mais simples e freqüentes são os ruídos e as pancadas. Antes de analisarmos essa manifestação é necessário que tenhamos a certeza de que não operam causas naturais para sua produção tais como vento que assobia ou sacode um objeto, um efeito acústico, um animal oculto, um inseto e até mesmo brincadeiras de mau gosto. Os ruídos espirituais têm características inconfundíveis com intensidade e timbre muito variados. São facilmente reconhecíveis e não podem ser confundidos com os estalidos da madeira, o crepitar do fogo ou o tique e taque de um relógio. São golpes secos, às vezes surdos, fracos e leves. O meio mais eficaz de constatar é submetê-los a nossa vontade. Se eles se fizerem ouvir do lado que indicarmos, se responderem ao nosso pensamento dando o número que pedimos, aumentando ou diminuindo sua intensidade, não podemos negar a presença de uma causa inteligente. Mas a falta de resposta nem sempre prova o contrário.

Importante ressaltar que o medo freqüentemente exagerou estes fatos dando uma conotação supersticiosa e até mesmo ridícula sugerindo contos de fantasmas e casas assombradas. Mas o meio mais seguro de prevenir os inconvenientes é dar a conhecer a verdade. As coisas mais simples tornam-se assustadoras quando ignoramos as causas. Havendo familiaridade com os Espíritos, e os que recebem suas comunicações, não mais acreditando que se trata de demônios, o medo desaparecerá.

Nos diz o Livro dos Médiuns, no Cap. V, item 82, que essas manifestações espontâneas podem ocorrer entre pessoas que nunca ouviram falar a respeito, e ocorrem quando elas menos podiam esperar. Esse fato é importante, pois não são pessoas portadoras de uma imaginação superexcitada pelas idéias espíritas, excluindo assim as suspeitas de conivência.

Essas manifestações ocorrem muitas vezes por Espíritos que querem apenas se divertir, são Espíritos antes levianos do que maus. Riem dos sustos que pregam e do trabalho que dão para descobrir a causa do tumulto. Muitas vezes apegam-se a uma pessoa e se divertem a incomodá-la por toda a parte, outras se apegam a um lugar por simples capricho, outras vezes querem chamar a atenção para estabelecer uma comunicação transmitindo um aviso útil ou mesmo um pedido. Pode ainda acontecer ser um caso de vingança.

Entre as diferentes manifestações, uma das mais interessantes, é a do toque espontâneo de instrumento de música. Os pianos e os acordeons parecem ser para esse efeito, os instrumentos prediletos.

Para entender esse fenômeno busquemos compreender que do mesmo modo que vemos um corpo se nos apresentar sólido, líquido ou gasoso, segundo seu grau de condensação, de igual modo a matéria etérea do perispírito pode se apresentar no estado sólido, vaporoso visível ou vaporoso invisível. Pode ocorrer nessa matéria etérea, tal modificação, que o Espírito pode fazê-la sofrer uma espécie de condensação (que não é exatamente o termo, mas o que mais se aproxima dele) que a torna perceptível aos olhos do corpo. A condensação pode chegar ao ponto de produzir a resistência e tangibilidade. A movimentarem os instrumentos, mãos podem ser visualizadas e até tocadas. Essa formação não é senão temporária ou acidental, por isso num dado momento pode nos escapar como uma sombra. Essa mão pode nos cravar as unhas na carne, nos beliscar, nos arrancar o que está em nossos dedos, agarrar e transportar um objeto como nós mesmos o faríamos, pode dar golpes, erguer e virar uma mesa, agitar uma campainha, puxar cortinas, até mesmo dar uma bofetada. Perguntar-se-á, sem dúvida, como essa mão pode ter a mesma força no estado vaporoso invisível quanto no estado tangível. E por que não? Vemos o ar que tomba edifícios, o gás que lança um projétil, a eletricidade que transmite sinais, o fluido do ímã que ergue as massas. Por que a matéria etérea do perispírito seria menos possante? Argumenta Kardec na Revista Espírita (R. E.) 1858, teoria das manifestações físicas que é "uma nova ordem de idéias, uma luz inteiramente nova".

O fenômeno de transporte: A palavra aporte também serve para designar esse tipo de fenômeno. A tradição espírita incorporou o termo francês "apport" à língua portuguesa, como aconteceu no inglês, para designar também essa forma especial de transporte de objetos a recintos fechados. Este fenômeno só difere dos que tratamos acima pela intenção benévola do Espírito que o produz, pela natureza dos objetos quase sempre graciosos e pela maneira suave e quase sempre delicada porque são transportados. Consiste no transporte espontâneo de objetos que não existem no lugar da reunião. Trata-se geralmente de flores, algumas vezes de frutos, de confeitos, de jóias etc.

Alerta Kardec que esse fenômeno é dos que mais se prestam à imitação, e, portanto é necessário estar prevenido contra o embuste.

Esclarece-nos Erasto, no Livro dos Médiuns (L.M.), Cap. V, item "O fenômeno de transporte" que: esse fenômeno exige sempre maior concentração, e ao mesmo tempo maior difusão de certos fluidos que só podem ser obtidos com médiuns muito bem dotados. Assim como nas manifestações físicas o Espírito combina seu próprio fluido com o fluido animalizado do médium, e é nessa mistura que oculta e transporta o objeto.

 

BIBLIOGRAFIA:

 

KARDEC, Allan. Livro dos Médiuns: cap. IV e V

KARDEC, Allan. Revista Espírita: maio e junho de 1858 (Teoria das Manifestações); agosto 1858 (O caso de Noyers)

 

 

PARTE B

 

AS COMUNICAÇÕES ESPÍRITAS

 

Ensina Paulo (I Epístola aos Coríntios, Cap. 12, versículo 7) que "cada um recebe o dom de manifestar o Espírito para a utilidade de todos".

Na seara espírita, a maioria inquieta-se pelo desenvolvimento imediato das faculdades mediúnicas. Todavia, a mediunidade não se resume em manifestações exteriores, e sim no aprimoramento interior de cada ser, por meio do conhecimento e do amor, as duas coordenadas que possibilitam a efetiva evolução, até a condição suprema do Espírito puro.

Também não há que buscar destaque em nenhuma das diferentes espécies de mediunidade, querendo o médium, por exemplo, ser um grande vidente ou um grande psicógrafo, pois isso seria fruto do orgulho e da vaidade, vícios morais que, antes de tudo, devem ser combatidos pelo verdadeiro aprendiz. O que se deve buscar, constantemente, é o progresso espiritual, resultante do esforço e do trabalho de cada um. Todos os homens possuem mediunidade em maior ou menor grau, nas mais variadas posições evolutivas, e seu desenvolvimento não deve ser precipitado, mas sim, acompanhado pela educação, trabalho fraterno e da boa vontade do aprendiz. A espontaneidade é indispensável, considerando-se que as tarefas mediúnicas são conduzidas em conjunto com os mentores do plano espiritual.

Não existe um tipo de mediunidade mais importante que o outro. É importante que o médium, com a faculdade definida, se conscientize com o espírito de responsabilidade de sua tarefa, com dedicação sincera e fraternidade pura, para que sua tarefa não se torne improdutiva, é necessária a evangelização de si mesmo, antes de se entregar as grandes tarefas doutrinarias, pois, de outro modo, poderá esbarrar sempre com o personalismo, em detrimento ao trabalho espiritual.

Diz Emmanuel no Livro "O Consolador", perg. 389: "Os atributos medianímicos são como os talentos do Evangelho. Se o patrimônio divino é desviado dos seus fins, o mau servo torna-se indigno da confiança do Senhor da seara da verdade e do amor". Diz ainda o Benfeitor Espiritual na mesma obra, na perg. 392: "O médium tem obrigação de estudar muito, observar intensamente e trabalhar em todos os instantes pela sua própria iluminação". Emmanuel também destaca que o apostolado mediúnico é repleto de dificuldades: "O primeiro inimigo do médium reside dentro dele mesmo. Frequentemente é o personalismo, é a ambição, a ignorância ou a rebeldia no voluntário desconhecimento dos seus deveres à luz do Evangelho, fatores de inferioridade moral que, não raro, o conduzem à invigilância, à leviandade e à confusão dos campos improdutivos.

"Contra esse inimigo é preciso movimentar as energias íntimas pelo estudo, pelo cultivo da humildade, pela boa vontade, com o melhor esforço de auto educação, à claridade do Evangelho. O segundo inimigo mais poderoso do apostolado mediúnico não reside no campo das atividades contrárias a expansão da Doutrina, mas no próprio seio das organizações espiritistas, constituindo-se daquele que se convenceu quanto aos fenômenos, sem se converter ao Evangelho pelo coração. (O Consolador -perg. 410). Portanto o mediunato, não se resume apenas no exercício puro e simples das mais diferentes faculdades, porque exige, antes de tudo, o trabalho e o sacrifício, com amor, na sublime tarefa de vivenciar Jesus.

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

Bíblia de Jerusalém: Novo Testamento, Paulo (I Coríntios, Cap. 12:7)

XAVIER, Francisco Candido (Espírito Emmanuel). O Consolador: perg. 389, 392, 410.

XAVIER, Francisco Candido (Espírito Emmanuel). Caminho, Verdade e Vida: itens 100 e 136.

 

Questões para reflexão:

 

1) Faça a diferença entre manifestações espontâneas e manifestações provocadas.

 

2) Discorra sobre o fenômeno de transporte e diga em que ele difere dos outros fenômenos.

 

3) Interprete o ensinamento de Paulo aos Coríntios: “Cada um recebe o dom de manifestar o Espírito para a utilidade de todos”.

 

4) Comente a afirmação de Emmanuel na pergunta 389 de O Consolador: “Os atributos medianímicos são como os talentos do Evangelho”.

 

10ª AULA

 

PARTE A

 

MEDIUNIDADE: FACULDADE HUMANA

PERCEPÇÃO DOS ANIMAIS

 

 

Mediunidade: Faculdade Humana

Mediunidade é termo criado por Allan Kardec, para designar uma faculdade que todos os seres humanos possuem e que lhes possibilita comunicar-se com os Espíritos. Sendo inerente ao homem, há registros históricos sobre a Mediunidade em todos os tempos e em todos os povos, apenas sob outras denominações e interpretações. Foi por meio dela que os Espíritos diretores puderam auxiliar na evolução espiritual do homem orientando-o, assistindo-o, em todas as fases da sua peregrinação no planeta Terra. Vindo conviver com os homens ou dando-lhes, pela mediunidade as inspirações e os ensinamentos necessários; foram sempre eles, esses mentores devotados e solícitos, elementos decisivos dessa evolução. Através do tempo essa faculdade quase não se modificou, desde milênios; manteve os mesmos aspectos, variando os fenômenos e as manifestações conforme a necessidade espiritual evolutiva do homem. (Mediunidade - Edgard Armond).

Todos os homens têm o seu grau de mediunidade, nas mais variadas posições evolutivas, e esse atributo do espírito representa ainda, a alvorada de novas percepções para o homem do futuro, quando, pelo avanço da mentalidade do mundo, as criaturas humanas verão alargar-se a janela acanhada dos seus cinco sentidos.

No L.M. Cap. XIV - 159 os Espíritos afirmam que toda pessoa que sente, em um grau qualquer, a influência dos Espíritos, por isso mesmo é médium. Não é privilégio exclusivo; também são poucos nos quais não se encontrem alguns rudimentos dela. Pode-se, pois, dizer que todo mundo é, mais ou menos, médium.

No Cap. XIX - 223, 224 e 225, acrescenta: para uma comunicação inteligente há necessidade de um intermediário inteligente, e esse intermediário é o médium, pois, os Espíritos não possuem a linguagem articulada, encontram no cérebro do médium os elementos próprios para darem ao seu pensamento a vestimenta da palavra correspondente, embora seja o médium intuitivo, semi-mecânico ou mecânico puro.

Quando os Espíritos encontram num médium o cérebro enriquecido de conhecimentos adquiridos em sua vida atual, e seu Espírito rico de conhecimentos anteriores latentes, a comunicação é facilitada e há preferência, o que não ocorre com um médium de inteligência limitada e conhecimentos anteriores insuficientes.

Camille Flammarion na sua obra "O desconhecido e os Problemas Psíquicos", Cap. I, explana com sabedoria sobre as faculdades humanas que são fatos inexplicados, que pertencem ao domínio do desconhecido. São desta categoria os seguintes fenômenos: a telepatia, ou sensação à distância, as aparições ou manifestações de moribundos, a transmissão do pensamento, a visão em sonho, em estado sonambúlico, sem o concurso dos olhos, a presciência ou premonição, certos ruídos inexplicados, os levantamentos ou levitações contrárias as da gravidade, os movimentos e transportes de objetos sem contato e muitos outros fenômenos estranhos para muitos inexplicáveis. Tudo está na natureza, tanto o desconhecido como o conhecido, e o sobrenatural não existe. Os eclipses, os cometas, as estrelas eram vistos como sobrenaturais, como manifestações da cólera divina, antes de se ter o conhecimento das leis que os regem. Todos os nossos conhecimentos humanos poderiam ser representados por uma minúscula ilha rodeada por um oceano sem limites.

No dia de Pentecostes, vários fenômenos mediúnicos marcaram a tarefa dos apóstolos, mesclando-se efeitos fisicos e intelectuais. Neles mostram-se os valores mediúnicos a serviço da Religião Cósmica do Amor e da Sabedoria, situando-se desse modo, a Justiça Perfeita, no íntimo de cada um, para que se outorgue isso ou aquilo, a cada Espírito, de conformidade com as próprias obras. (A. Luiz - Nos Domínios da Mediunidade, Cap. XXVI)

Gabriel Delanne, no livro "A Alma é Imortal" cita impressões produzidas pelas aparições dos animais, a irrefutável percepção de espíritos que têm os animais, bem corno, o terror que eles manifestam quando os percebem e a atitude que assumem, tão diferente da que guardam em presença dos fenômenos naturais.

 

Percepções dos Animais

O Espiritismo ensina que tudo se evolui no universo.

Darwin abordou a evolução no plano da matéria, Kardec mais ousado enunciou a evolução do espírito. (O Espírito e o Tempo - J. Herculano Pires)

Tudo é transição na natureza, pelo fato mesmo de que nada é semelhante, todavia tudo se liga. (L.E., Cap. XI, q.589).

No L.E. questão 588, encontramos os apontamentos seguintes a respeito das faculdades perceptivas na fase rudimentar nos reinos inferiores da evolução da espécie: Há nas plantas, como nos animais uma espécie de instinto de conservação dependendo da extensão que se que se dá a esse termo.

Na maioria dos animais há neles uma espécie de instinto de inteligência cujo exercício é mais exclusivamente concentrado sobre os meios de satisfazerem suas necessidades fisicas e proverem à sua conservação. L.E. Cap. XI-593

No livro “O Consolador”, Emmanuel, pela psicografia de F. C. Xavier, vem de encontro a esse apontamento: “Os irracionais não possuem faculdades mediúnicas propriamente ditas. Contudo, têm percepções psíquicas embrionárias, condizentes ao seu estado evolutivo.”

Erasto, no L.M., Cap. XXII, item 236, afirma: "Há um princípio que, estou seguro, é admitido por todos os espíritas: é que os semelhantes agem com seus semelhantes e como seus semelhantes. Ora, quais são os semelhantes dos Espíritos senão os Espíritos encarnados ou não?"

Os animais adestrados compreendem certos pensamentos, mas já os vistes reproduzi-los? Concluí, pois, que os animais não podem servir de intérpretes.

No Gênesis 1:24 (Bíblia de Jerusalém) referindo-se a Criação de Deus diz: "Que a Terra produza seres vivos segundo a sua espécie, animais domésticos, répteis e feras segundo sua espécie e assim se fez".

Continuando: 1:26 - "Façamos o homem à nossa imagem e semelhança, e que eles dominem sobre os peixes do mar, as aves do céu, os animais domésticos, todas as feras e todos os répteis que rastejam sobre a terra.

Em Eclesiastes 3:21 afirma: Não procures o que é muito dificil para ti, não investigues o que vai além de tuas forças".

É possível que Erasto tenha se mirado nesses ensinamentos e conhecendo a imperfeição da humanidade falava de uma fase transitória do princípio inteligente na sua caminhada evolutiva, e que naquela condição, os animais não podiam ser comparados ao ser humano.

André Luiz, no livro "Mecanismo da Mediunidade", cap. X, diz: "Nos reinos inferiores da natureza, a corrente mental restringi-se a impulsos de sustentação nos seres de constituição primária, a começar pelo dos minerais, preponderando nos vegetais e avançando pelo domínio dos animais mais simples, para se evidenciar mais complexa nos animais superiores que já conquistaram bases mais amplas à produção do pensamento contínuo".

Emmanuel, em "O Consolador" perg. 79, afirma: "A escala do progresso é sublime e infinita. O mineral é atração. O vegetal é sensação. O animal é instinto. O homem razão. O anjo é Divindade. Busquemos reconhecer a infinidade de laços que nos unem nos valores gradativos da evolução e ergamos em nosso íntimo o santuário eterno da fraternidade universal".

Fechando Cap. XXII do "Livro dos Médiuns" diz Erasto, "Para resumir: os fatos medianímicos não podem se manifestar sem o concurso consciente ou inconsciente de médiuns; e não é senão entre os encarnados, Espíritos como nós que podemos encontrar aqueles que nos sirvam de médiuns".

 

Bibliografia:

 

KARDEC, Allan. Livro dos Médiuns

KARDEC, Allan. Livro dos Espíritos

ARMOND, Edgard. Mediunidade

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). O Consolador

XAVIER, Francisco Cândido (André Luiz). Mecanismo da Mediunidade

FLAMARION, Camille. O Desconhecido e os Problemas Psíquicos

PRADA, lrvênia. A Questão Espiritual dos Animais

PARTE B

 

ÊXITO MEDIUNICO

 

A faculdade mediúnica é uma condição natural do desenvolvimento dos seres humanos. É uma faculdade comum a todos, ou seja, está presente no desenvolvimento inato das criaturas.

O surgimento da mediunidade não depende de idade, condição social, sexo ou lugar. Pode surgir na infância, adolescência, na idade madura ou mesmo na velhice.

Os sintomas variam ao infinito:

• Sensação de enfermidade, só aparente;

• Calafrios e mal estar;

• Irritações estranhas;

• Pode ser espontânea ou exuberante.

É como um botão de rosa que desabrocha, para no encanto de uma rosa, embelezar a vida. "Emmanuel".

A Doutrina Espírita como um jardineiro cuidará de seu crescimento, ensinando que o adubo da paciência, perseverança, boa vontade, humildade, sinceridade, estudo e trabalho são os ingredientes que vão enriquecer na educação e aprimoramento desta faculdade valiosa onde o médium caminha na sua evolução espiritual. São os talentos divinos atribuídos ao homem para que sejam aproveitados na obra de redenção da humanidade e de si mesmo.

As tarefas mediúnicas bem conduzidas, com a consequente valorização dos bens divinos, converterão o medianeiro em instrumento e representante da mediunidade vitoriosa. ("Mediunidade e Evolução", Martins Peralva)

Mediunidade é igual ao trabalho: acessível a todos.

Qualquer médium também é suscetível de ser mobilizado, na produção de fenômenos múltiplos, favorecendo pesquisas e observações, com algum proveito, mas se quisermos rendimento medianímico, seguro e incessante na composição doutrinária do Espiritismo, cada tarefeiro da mediunidade, embora pronto a colaborar, seja onde for levantamento do bem, é convidado a consagrar-se à própria função, conquanto possua faculdades diversas, amando-a, estudando-a e praticando-a no serviço ao próximo, que será sempre serviço de nos mesmos. (Opinião Espírita).

No campo da mediunidade, o dever retamente cumprido é a bússola que propiciará rumo certo, ao porto seguro. ("Religião dos Espíritos")

Em sua luminosa passagem o fenômeno mediúnico, por toda parte, é intimado á redenção da consciência. (Religião dos Espíritos)

Sobretudo, lembra-te sempre de que o talento mediúnico, encerrado nas tuas mãos, deve ser a tela digna em que os mensageiros da Espiritualidade Maior, possam criar as obras primas da caridade e da educação dignos de se expor ao público. ("Religião dos Espíritos")

A mediunidade é aquela luz que seria derramada sobre toda a carne e prometida pelo Divino Mestre aos tempos do Consolador, atualmente em curso na terra. Sendo luz que brilha na carne, a mediunidade é atributo do Espírito, patrimônio da alma imortal, elemento da posição moral da criatura terrena, enriquecendo todos os seus valores no capítulo da virtude e da inteligência, sempre que se encontre ligada aos princípios evangélicos na sua trajetória pela face do mundo. (O Consolador, 382).

Mantenhamos a constância no estudo e na ação.

O médium evoluirá trabalhando e se elevará servindo. Nada de reclamações nem bravatas.

Tomemos cada qual de nós, os tarefeiros nos dois planos de vida, as obrigações que nos competem sem o intento de exceder a nossa capacidade, mas sem deixar de sermos úteis a pretexto de modéstia.(Sol nas Almas).

A mediunidade de hoje, com seu imenso cortejo de aflições e desequilíbrios, deixará de existir, e surgirá a Mediunidade Gloriosa, fonte dos mais elevados ideais, jorrará fertilizando a sementeira da fraternidade instituída pelo Mestre Galileu no cenário da Palestina.

O ensino de Jesus, aplicando a Mediunidade é claro: "Daí de graça o que de graça recebestes." (Martins Peralva)

Bibliografia

 

XAVIER, Francisco Cândido; VIEIRA, Waldo (Espírito André Luiz), Sol Nas Almas

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). O Consolador

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Opinião Espírita

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Religião dos Espíritos

PERAL VA, Martins. Mediunidade e Evolução

SANTO, Francisco do Espírito. A Imensidão dos sentidos

PUGLIA, Silvia C. S. c.- CDM

 

 

Questões para Reflexão

 

1) Explique porque o ato mediúnico só possível entre os humanos.

 

2) Explique o que ocorreu no fenômeno da mula de Balaão visto que a faculdade mediúnica é exclusivamente humana.

 

3) Exponha em linhas gerais o que é necessária para se obter êxito nas tarefas mediúnicas.

 

4) Comente sobre a moral do médium no trabalho mediúnico.

 

 

11ª AULA

 

PARTE A

 

ANIMISMO E MISTIFICAÇÃO

 

 

Animismo: sistema fisiológico que considera a alma como causa primaria de todos os fatos intelectuais e vitais (do latim: anima = alma + ismo+ doutrina).

 

George Ernst Sthal (1660-1734) medico e químico alemão refutou estudo, em medicina, da anatomia, da filosofia e da química, por entender que a cura de um doente estava baseada na alma. Assim, estabeleceu o sistema que se tornou célebre pelo nome de animismo.O Espiritismo, desde o inicio, expõe o fenômeno anímico como a manifestação da alma do médium, portanto, em conceituação diferente daquela fixada por Stahl.

A alma do médium pode manifestar-se como qualquer outro Espírito, desde que goze de certo grau de liberdade, pois recobra os seus atributos de Espírito e fala como tal e não como encarnado.

Devemos lembrar que, o perispírito é o órgão sensitivo do Espírito, por meio do qual este percebe coisas espirituais que escapam aos sentidos corpóreos. Pelos órgãos do corpo, a visão, a audição e as diversas sensações são localizadas e limitadas às percepções das coisas materiais, pelo sentido espiritual, ou psíquico, elas se generalizam: o Espírito vê, ouve e sente, por todo o seu ser, tudo o que se encontra na esfera de irradiação do seu fluido perispirítico. (GE. Cap. XIV, item 22)

Kardec conta-nos um fato anímico: Um senhor, habitante da província, nunca quis casar-se, malgrado as instancias de sua família. Um dia, estando em seu quarto, ficou admiradíssimo de se ver em presença de uma jovem, vestida de branco, e a cabeça ornada com uma coroa de flores. Surpreso com essa aparição, e estando seguro de que estava acordado, informou-se se alguém tinha vindo nesse dia; mas lhe disseram que pessoa alguma fora vista. Um ano depois cedendo às novas solicitações de uma parenta, decidiu ir ver a jovem que lhes propunham. Chegou no dia de Corpus Christi, e, quando voltava da procissão, uma das primeiras pessoas que vê (entrando na casa é uma jovem que reconhece como sendo a que lhe tinha aparecido; estava vestida do mesmo modo. Ele ficou desorientado e, de sua parte, a jovem soltou um grito de surpresa e sentiu-se mal. Voltando a si, disse: eu já tinha visto esse senhor em igual dia do ano precedente. Isso foi em 1835. (LM, Cap. VII, item 117).

Ernesto Bozano em seu livro - "Animismo ou Espiritismo?" Cap. III esclarece que, as comunicações mediúnicas entre vivos (fenômenos anímicos) provam a realidade das comunicações mediúnicas com os desencarnados (fenômenos espíritas).

Os Espíritos Erasto e Timóteo, explicam: "O médium, no momento em que exerce sua faculdade, o seu estado não difere sensivelmente do estado normal, sobretudo nos médiuns escreventes. Acrescenta que a alma do médium pode se comunicar como a de qualquer outro. (LM. Cap. XIX, item 223). Cada médium revestirá o pensamento recebido com suas próprias palavras, e Kardec ressalta que a expressão desse pensamento pode e deve mesmo mais frequentemente, ressentir-se da imperfeição desses Meios" (LM, Cap. XIX, item 224)

"Como um médium cuja inteligência atual ou anterior esteja desenvolvida, nosso pensamento se comunica instantaneamente, de Espírito a Espírito, graças a uma faculdade peculiar à essência mesma do Espírito. Nesse caso encontramos no cérebro do médium os elementos apropriados à roupagem das palavras correspondentes a esse pensamento. É por isso que apesar de diversos Espíritos se comunicarem através do médium, os ditados por ele recebidos trazem sempre o cunho pessoal do médium, quanto à forma e estilo. Porque embora o pensamento não seja absolutamente dele, o assunto não se enquadre em suas preocupações habituais, o que desejamos dizer não provenha dele de maneira alguma, ele não deixa de exercer sua influencia na forma, dando-lhe as qualidades e propriedades características de sua individualidade" (LM , cap.XIX item 225)

Para que se possa distinguir se é o Espírito do médium ou outro Espírito que se comunica, é necessário observar a natureza das comunicações, através das circunstâncias e da linguagem. Quanto a diferenciação entre o pensamento do médium e do Espírito comunicante no médium intuitivo, Kardec diz que: "A distinção, de fato, é às vezes bastante difícil de se fazer. Pode-se, entretanto, conhecer o pensamento sugerido pela razão de não ser jamais preconcebido, surgindo na proporção em que escreve ..."

André Luiz conceitua animismo como o “conjunto dos fenômenos psíquicos produzidos com a cooperação consciente ou inconsciente dos médiuns em ação" ("Mecanismos da Mediunidade", Cap. 23).

Em outro livro, o mesmo autor conceitua o fenômeno anímico como uma forma de desdobramento da alma, que se vê possuída. Há uma espécie de manifestação anímica descrita por André Luiz mostrando que, muitas vezes, o que se assemelha a um transe mediúnico, nada mais é do que o médium desajustado, revivendo cenas e acontecimentos no seu mundo subconsciente, fenômenos esse motivado pelo contato magnético, pela aproximação de entidades que partilharam as remotas experiências. (“Nos Domínios da Mediunidade”, Cap. 22).

Nessa hora, o médium se comporta e se expressa como se ali estivesse realmente um Espírito a se comunicar. Nessas condições, diz Andre Luiz, a ideia de mistificação talvez nos impelisse à desrespeito atitude, diante do seu padecimento moral. Por isso, nessas condições, é preciso armar o coração de amor, a fim de que possamos auxiliar e compreender. Um doutrinador sem tato fraterno apenas lhe agravaria o problema, porque, a pretexto de servir à verdade, talvez lhe impusesse corretivo inoportuno ao invés de socorro providencial. Primeiro, é preciso remover o mal, para depois fortificar a vítima na sua própria defesa. ("Nos Domínios da Mediunidade", Cap. 22)

Mistificar: enganar, burlar, trapacear, tapear, iludir.O primeiro sentido foi o de iniciar alguém nos mistérios de um culto, torná-lo iniciado. Deriva do grego "mysthés", donde procede "mysthérion" mistério.

As mistificações são o escolho mais desagradável da pratica mediúnica, mas, para evitá-la, há "um meio muito simples, que é o de não pedir ao Espiritismo nada mais do que ele não pode e deve dar-vos: seu objetivo é o aperfeiçoamento moral da humanidade. Desde que não vos afasteis disto, jamais sereis mistificados, pois não há duas maneiras de se compreender a verdadeira moral, mas somente aquela que todo homem de bom senso pode admitir .... Se nada pedem, aceitam o que dizem, o que dá na mesma. Se recebessem com reserva e desconfiança tudo o que se afasta do objetivo essencial do Espiritismo, os Espíritos levianos não os enganariam tão facilmente" (LM , 2ª parte, Cap. XXVII, item 303). Do que se conclui que só é mistificado aquele que merece.

Perguntou-se ao Espírito Emmanuel se a mistificação não demonstra desamparo dos mentores da esfera espiritual. Ele respondeu: "A mistificação experimentada por um médium traz, sempre, uma finalidade útil, que é a de afastá-lo do amor próprio, da preguiça no estudo de suas necessidades próprias, da vaidade pessoal ou dos excessos de confiança em si mesmo. Os fatos de mistificações não ocorrem à revelia de seus mentores mais elevados, que somente assim, o conduzem à vigilância precisa e às realizações da humildade e a prudência no seu mundo subjetivo" ("O Consolador", perg. 401).

O charlatão mais hábil geralmente é aquele seguido por maior contingente de pessoas. Assim, é conveniente lembrar que, no intercâmbio com o mundo invisível, os novos discípulos devem precaver-se contra os perigos representados por criaturas desse gênero. O orgulho e a ostentação é o que impulsionam essas pessoas a agirem assim. A técnica de o homem se apresentar como o melhor, o mais bem aquinhoado, de salientar-se à frente dos outros, de ter a presunção de converter consciências alheias, são atributos divorciados da verdade.

Abusa-se de tudo, mesmo das coisas mais sagradas; por que não se abusaria da Doutrina espírita? Mas o mau uso que se faz de uma idéia não pode prejudicar a própria idéia.

Onde não há especulação, o charlatanismo nada tem a fazer.

O objetivo da Doutrina Espírita é a Reforma Intima do ser humano, tendo como foco principal a revisão de valores onde o senso de justiça se faz,urgentemente, necessário. Devemos ter como parâmetro o exemplo de Jesus.

 

BIBLIOGRAFIA:

 

KARDEC, Allan. A Gênese: Cap. XIV, item 22

KARDEC, Allan. Livro dos Médiuns: cap. VII, item 117; cap. XIX, item 224 e

225 – 2ª parte - Cap. XXVIII, item 303

XAVIER, Francisco C. (Espírito André Luiz). Mecanismo da Mediunidade

XAVIER, Francisco Cândido, VIEIRA, Waldo (Espírito André Luiz). Nos

Domínios da Mediunidade: Cap. 22

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). O Consolador: perg. 401

 

 

PARTE B

 

PARÁBOLA DA OVELHA PERDIDA

 

Registra o Evangelho de Lucas (Cap. 15:3 a 7) que, o objetivo de Jesus foi colocar em evidencia que a revelação das grandes verdades, provindas de Deus, não guarda relação com as posições de maior ou menor destaque exercidas pelos homens.

Os ensinamentos religiosos pertinentes ao povo hebreu estavam guardados nos templos, e apenas os escribas podiam dar-lhes a interpretação que melhor conviesse aos interesses da religião predominante, entretanto, Jesus utilizou, muitas vezes, das parábolas para falar ao povo e aos discípulos.

Numa certa época quando ensinava, o Mestre aproveitando-se da presença dos fariseus e escribas que viviam a persegui-lo e, também de um recurso cultural porque era sabedor que o povo hebreu tinha um grande apreço aos animais, contou a Parábola da Ovelha Perdida a fim de tocar a sensibilidade e levar a esperança ao ser humano, possibilitando o conhecimento de um Deus que abre seus braços a seus filhos, norteando um rumo para humanidade em direção as coisas do Espírito.

Da mesma forma que o Mestre, em Espírito, surgiu na estrada de Damasco aos olhos atônitos de Paulo de Tarso, sugerindo-lhe o abandono do ódio e do fanatismo; o Cristo não deixou de exemplificar a tolerância ao seu perseguidor, como contou na Parábola da Perdida que as noventa e nove ovelhas, ou seus discípulos, estavam guardados em seu manto de luz, o Bom Pastor foi buscar a ovelha que estava perdida. Percebemos, assim, que os arautos do Céu continuam a produzir aos olhos dos homens novas estradas de Damasco, com vistas a orientá-los no roteiro certo que conduz a criatura ao Criador.

A Doutrina Espírita propõe uma revisão de valores, lembrando que o corpo serve, apenas, de morada para o Espírito, para o desempenho de aprendizado na Terra. Oferece, no entanto, resistências ponderáveis às inspirações transmitidas pelos mentores espirituais. Entretanto, os mensageiros do bem jamais deixam de nos inspirar bons pensamentos e de nos alertar no tocante aos nossos desvios, os quais poderão representar tenebrosos sofrimentos nesta e na outra existe nela.

No laborioso processo de reforma intima da humanidade, existe uma dependência lógica e preponderante entre Jesus e nós, decorrência a revelação que o Mestre preceituou ser o caminho, a verdade e a vida, deixou bem claro que é por meio dele, dos ensinos dele emanados e contidos no Evangelho que se processará o nosso aprendizado, o qual nos dará condições de sermos considerados, de fato, herdeiros do Reino de Deus.

A Parábola da Ovelha Perdida é pois um atestado eloquente do amor de Deus pelas suas criaturas. Demonstra que o Pai, generoso e bom, jamais condena seus filhos, proporcionando a todos a oportunidade de encontrarem em si valores superiores.

Observamos que para haver alegria no Reino do nosso Pai por um filho que se regenera, é imperioso que a sua reforma interior seja consciente, devendo a criatura tomar por lema a advertência de Jesus Cristo: “Quem tomar do arado não deve mais olhar para trás”.

 

BIBLIOGRAFIA

 

Bíblia de Jerusalém: Novo Testamento, Evangelho de Lucas, Cap. 15:3 a 7

GODOY, Paulo Alves de. Crônicas Evangélicas

PUGLIA, Silvia. C. S. C. – CDM

Questões para reflexão

1) Descreva o que você entendeu por animismo.

2) No dizer de Emmanuel a mistificação tem uma finalidade útil. Comente esta afirmação.

3) Correlacione a parábola da ovelha perdida com aqueles que se perdem pelos caminhos da própria evolução.

4) Analise a advertência de Jesus: “Quem tomar do arado não deve mais olhar para trás”.

 

12ª AULA

 

PARTE A

 

FIXAÇÃO MENTAL

 

Mecanismo da Fixação Mental

Dramas do Espírito - Mecanismo da Mente Humana

 

O homem é responsável pelo seu pensamento perante Deus, e somente Deus podendo conhecê-lo, aplica-lhe a pena ou absolve-o, segundo a sua justiça. (LE-834)

Pensar é criar. A realidade dessa criação pode não exteriorizar -se, de súbito, no campo dos efeitos transitórios, mas o objeto formado pelo poder mental vive no mundo íntimo, exigindo cuidados especiais para o esforço de continuidade ou extinção". ("Pão Nosso" – Emmanuel, lição 15)

A fixação mental é o estado em que se encontra o Espírito, encarnado ou desencarnado em decorrência de um acontecimento, e cujo organismo psíquico se acha dominado por uma idéia da qual não consegue se desvencilhar. A criatura afetada pela fixação, “não se interessa por outro assunto a não ser o da própria dor. Isola-se do mundo externo, vibrando tão somente ao redor do desequilíbrio oculto em que se compraz. Nada mais ouve, nada mais vê e nada mais sente, além da esfera desvairada de si mesma.”

 

O mecanismo da fixação mental

“Os sofrimentos são o resultado dos laços que ainda existem entre o Espírito e a matéria. Quanto mais ele estiver desligado da influência da matéria, quanto mais desmaterializado, menos sensação penosa sofrerá”.

(...) “Que dome as suas paixões animais: que não tenha ódio, nem inveja, nem ciúme, nem orgulho; que não se deixe dominar pelo egoísmo; que purifique sua alma, pelos bons sentimentos; que pratique o bem; que não dê às coisas deste mundo senão a importância que elas merecem; e, então, mesmo sob o seu envoltório corpóreo, já se terá purificado, desprendido da matéria, e quando o deixar, não sofrerá mais a sua influência" (L.E., 257).

"Toda falta cometida, todo mal realizado é uma dívida contraída que deverá ser ressarcida; se não o for em uma existência, sê-lo-á na seguinte ou seguintes, porque todas as existências são solidárias entre si". A situação do Espírito, no mundo espiritual, não é outra senão a por si mesmo preparada na vida corpórea. (A. Kardec - O Céu e o Inferno, Cap. VII, 1ª Parte - Código penal da vida futura, itens 9° e 28°).

Quando o Espírito que reconhece sua culpa se fixa mentalmente no ato que cometeu, passa a emitir pensamentos de remorso que é um sentimento destruidor. A idéia fixa pode durar séculos e até milênios, estagnando a vida mental no tempo.

Hilário, companheiro do Espírito André Luiz, com dificuldade para penetrar os enigmas da cristalização da alma em torno de certas situações e sentimentos, faz as seguintes perguntas ao Assistente Áulus.

- Como pode a mente deter-se em determinadas impressões, demorando-se nelas, como se o tempo para ela não caminhasse?

- E o problema da imobilização da alma?

O interpelado ouviu com atenção e prosseguiu explicando conforme se observa no Capítulo 25 do livro: “‘Nos Domínios da Mediunidade”.

Encontramos no livro O Céu e o Inferno 2ª Parte (Exemplos), depoimentos de Espíritos como o do avarento identificado por François Riquier que fixou-se na busca de seu dinheiro - (Cap. IV "Espíritos Sofredores") ou o do Espírito Castelnaudary, condenado a morar na casa onde cometeu seus crimes (Cap. VI - "Criminosos Arrependidos").

 

Dramas do Espírito

Na erraticidade, "numerosos Espíritos aí flutuam indecisos entre o justo e o injusto, entre a verdade e o erro, entre a sombra e a luz. Outros estão sepultados no insulamento, na obscuridade, na tristeza, sempre à procura de uma benevolência, de uma simpatia que podem encontrar".

O Espírito sofre as consequências naturais de seus atos, que recaindo sobre ele próprio, o glorificam ou acabrunham. O ser padece na vida de além-túmulo não só pelo mal que fez, mas também por sua inação e fraqueza. (Léon Denis - Depois da Morte, Caps. XXXIV e XXXVI)

André Luiz em Obreiros da Vida Eterna, Cap. VIII (Treva e sofrimento) comenta a pregação de Hipólito no momento que ele diz: "O estacionamento, após esforço destrutivo, estabelece clima propício aos fantasmas de toda sorte, fantasmas que torturam a mente que os gerou, levando-a a pesadelos cruéis. Cavamos poços abismais de padecimentos torturantes, pela intensidade do remorso de nossas misérias íntimas. (...) De um lado, a falência gritante; do outro, o desafio da vida eterna".

 

Mecanismo da mente humana

"A mente é a casa do espírito. Como acontece a vivenda, ela possui muitos compartimentos com serventia para atividades diversas. Ás vezes, sobrecarregamos as dependências de nosso lar interior com idéias positivamente inadequadas às nossas necessidades". ("Alma e Coração"- Emmanuel/F.C. Xavier).

"Cada mente é como se fora um mundo de per si, respirando nas ondas criativas que despede - ou na psicosfera em que gravita para esse ou aquele objetivo sentimental, conforme os próprios desejos - sem o que a lei de responsabilidade não subsistiria". O pensamento age e reage carreando para o emissor todas as fecundações felizes ou infelizes que arremessa de si próprio, a determinar para cada criatura os estados psíquicos que variam segundo os tipos de emoção e conduta a que se afeiçoe. Enquanto se não aprimore, é certo que o Espírito padecerá, em seu instrumento de manifestação, a resultante dos próprios erros. (Mecanismos da Mediunidade - A. Luiz, Cap. XVII e XXIV)

Nos Domínios da Mediunidade diz Áulus: (...) Quando não nos esforçamos por superar a câmara lenta da angústia, a idéia aflitiva ou obcecante nos corrói a vida mental, levando-nos à fixação.

André Luiz, no cap. XVI de Evolução em Dois Mundos, falando do mecanismo da mente explica: Alma e corpo assemelham-se ao musicista e seu instrumento. Conjugam-se um com o outro para a execução do trabalho que a vida lhes reserva. A alma é direção e o corpo obediência, é da Lei Divina que o homem receba em si mesmo o fruto da plantação que realizou, e de seu próprio comportamento retira o bem ou o mal que, lançando ao caminho, estará impondo a si mesmo.

O Espírito não pode esquecer a sublimação de si mesmo, que é a mais alta vitória no processo de regeneração. Não deve também cultivar os sentimentos negativos de culpa e remorso que poderão levá-lo a um estado de fixação mental. Arrepender-se da prática danosa e perseguir a reparação é o remédio. Por estas razões é que o apóstolo Paulo adverte aos cristãos de Filipos: “uma coisa faço: esquecendo-me do que fica para trás e avançando para o que está adiante, prossigo para o alvo, para o prêmio da vocação do alto, que vem de Deus em Cristo Jesus”. (Epístola aos Filipenses, 3: 13).

 

Bibliografia:

 

KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos: pergs. 229, 257, 834, 965 a 972-a

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito André Luiz). Nos Domínios da Mediunidade; Cap.25

XAVIER, Francisco Cândido; VIEIRA, Waldo (Espírito André Luiz). Mecanismos da Mediunidade: Caps. XVII e XXIV

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito André Luiz). Evolução em Dois Mundos:

Cap. XVI

KARDEC, Allan. A Gênese: Cap. XIV, item 16

KARDEC, Allan. O Céu e o Inferno: Caps. IV (Espíritos Sofredores) e VI

(Criminosos Arrependidos)

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito Emmanuel). Pão Nosso: Lição 15

DENIS, Leon. Depois da Morte: Caps. XXXIV e XXXVI

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito André Luiz). Obreiros da Vida Eterna

A Bíblia de Jerusalém. Epístola aos Filipenses: cap. 3, versículo 13

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito Emmanuel). Alma e Coração: lição 11

(Tua Mente)

 

 

PARTE B

 

NECESSIDADE DA REENCARNAÇÃO

VIAGEM DA VIDA

 

A volta do Espírito ao mundo corpóreo é conhecida desde os tempos remotos. Egípcios, os Hindus e os Gregos sabiam que a alma poderia voltar à Terra, usando um novo corpo.

O Espírito não se purifica senão com vagar e as diversas encarnações são os alambiques em cujo fundo ele deixa, de cada vez, suas impurezas.

A reencarnação é a mais excelente demonstração da Justiça Divina, em relação aos infratores das Leis, na trajetória humana, facultando-lhes

A oportunidade de ressarcirem numa encarnação, as falhas cometidas em existências anteriores. A evolução é impositivo da Lei de Deus, incessante, inquestionável. Nessa Lei não existe o repouso, o desinteresse, a inércia. Por toda a parte e sempre o impositivo da evolução, o imperativo do progresso. Ela enseja, mediante processo racional, a depuração do Espírito que evolve, contribuindo simultaneamente para o aperfeiçoamento e a sutilidade da própria organização fisica, nos milênios contínuos da evolução.

Allan Kardec, o Codificador da Doutrina Espírita, defende com argumentação irretorquível, o imperativo da reencarnação sob a ótica da justiça e da misericórdia de Deus. (L.E. item 222).

Mas foi Jesus, indubitavelmente, quem melhor afirmou a necessidade da reencarnação, a fim de que o homem possa atingir o Reino de Deus. Em seu diálogo com Nicodemos (João, Ill1-12) asseverou que o retomo à organização fisica para reparar e aprender, nascendo "do corpo e do Espírito" ,repetindo as experiências que a necessidade impõe para a própria redenção. Não obstante Nicodemos interrogar: como tal seria possível, retomar ao ventre materno? O Senhor assegurou-o, interrogando-o, a seu turno: como seria crível que ele doutor em Jerusalém, ignorasse aquilo, que era conhecido pelos estudiosos e pelos profetas?! Posteriormente, respondendo às perguntas dos discípulos (Mateus, 17:10-13), ao descer do Tabor, após a Transfiguração. Reiterou que Elias esperado, "aquele que havia de vir, já viera", facultando aos discípulos que entenderam ser de "João Batista que Ele falara". Somente pela reencarnação e não através da ressurreição João Batista ser Elias, o Profeta querido de Israel.

Jesus não modificou nem o ensino dos profetas nem o estabelecido pela Lei Antiga. Os adotou, acrescentando a sublime Lei do Amor, como sendo a única que poderia facultar ao homem a paz e a felicidade almejadas, propiciando-lhes desde a Terra, o sonhado Reino de Deus.

"Quando Jesus nos convocou à perfeição, conhecia claramente a carga de falhas e deficiências de que estamos ainda debitados perante a Contabilidade da Vida. (...) Somos criaturas humanas, a caminho da sublimação necessária e, nessa condição, errar e corrigir-nos para acertar sempre mais, são impositivos de nosso roteiro". (Emmanuel- "Alma e Coração", lição 54).

 

BIBLIOGRAFIA:

 

KARDEC, Allan. Livro dos Espíritos: item 222

KARDEC, Allan. Evangelho Segundo o Espiritismo: Cap. IV "Ninguém pode ver o Reino de Deus se não nascer de novo.

KARDEC, Allan. Gênese: Cap. II, item 35

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito Emmanuel). Alma e Coração: lição 54

PUGLIA, Silvia C. S. C. – CDM – Curso de Desenvolvimento Mediúnico.

 

 

Questões para reflexão:

 

1) Explique o mecanismo da fixação mental.

 

2) Faça o seu comentário sobre o mecanismo da mente humana.

 

3) Descreva o que você entendeu sobre a necessidade da reencarnação.

 

4) Descreva sobre o efeito da Lei de Amor na evolução das almas.

 

 

13ª AULA

 

PARTE A

 

TRANSTORNOS MENTAIS

DOENÇAS PSIQUICAS

INFLUENCIAÇÕES

 

"O ser humano é essencialmente resultado da educação, carregando os fatores genéticos que o compõem como conseqüência das experiências anteriores em reencarnações transatas". Joanna de Angelis

O homem traz em si experiências e tendências positivas e negativas, que se exteriorizam em determinado período de vida. Por isso o espírito busca com a reencarnação, elaborar seus conflitos de identidade comportamento, forma de pensar, de sentir e de agir diante das situações de cada dia.

Sendo assim imprescindível o equilíbrio de pensamentos, pois será através deste que, atrairemos Espíritos sintonizados no mesmo padrão mental.

André Luiz afirma "onde há pensamentos, há correntes mentais e onde há correntes mentais existem associações e toda associação é interdependência e influenciação recíproca". Nossos pensamentos geram nossos atos e nossos atos geram pensamentos nos outros.

Emmanuel diz "A mente humana é um espelho de luz, emitindo raios e assimilando-os. E são esses raios ou radiações mentais a fonte de treva ou luz, felicidade ou desventura céu ou inferno, onde quer que o Espírito esteja."

Os fluidos são o veículo do pensamento; Kardec afirma: "O pensamento pode modificar as propriedade dos fluidos que ficam impregnados de qualidades boas ou más.

Os maus Espíritos pululam ao redor da terra, conseqüência da inferioridade moral de seus habitantes. “A obsessão é um dos efeitos dessa ação, como a moléstia e todas as tribulações da vida, devem ser consideradas como prova ou uma expiação e aceitar como tais”.

A ação persistente que um mau Espírito exerce sobre um indivíduo, pode ser desde a simples influência moral em sinais exteriores sensíveis, até a perturbação completa do organismo e das faculdades mentais.

Assim como as moléstias são resultado das imperfeições físicas que tornam o corpo acessível às influências perniciosas exteriores, a obsessão é sempre a decorrência de uma imperfeição moral.

A obsessão - a ação de uma vontade mais forte sobre outra mais fraca - é quase sempre, o fato de uma vingança exercida por um Espírito, e tem sua origem nas relações que o obsedado teve com ele em uma existência anterior.

O ser humano destina-se a patamares mais elevados do que aqueles que norteiam o pensamento materialista. Portanto, o propósito da vida deve centrar na busca do conhecimento, na vivência das disciplinas morais, a fim de preparar-se para os embates do processo evolutivo.

Transtornos mentais como: conflitos fóbicos, transtornos neuróticos e psicóticos, insegurança, insônia, instabilidade sexual, além das causas genéticas, psicológicas, psicossociais, também podem ter sua origem nas obsessões que são as interferências de Espíritos, cobrando dívidas passadas.

Sabemos que a prece, os passes espirituais, as reuniões práticas de desobsessão, são meios importantes no combate à obsessão, mas a renovação moral, que inclui estudo, reforma íntima e o exercício da caridade pode produzir resultados efetivos no campo da cura espiritual

A prece, enfatiza Kardec, é o mais poderoso auxiliar contra o Espírito obsessor.

Esclarece Emmanuel "O passe é uma transfusão de energias psíquicas, onde os elementos psíquicos são retirados do reservatório ilimitado das forças espirituais".

Jesus impunha as mãos sobre os enfermos e sofredores, inclusive os endemoniados, curando-os de seus males.

Os apóstolos adotaram também essa prática.

 

"Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a Terra" Jesus (Mateus, V: 5.)

A delicadeza e a civilidade são filhas diletas da mansidão. Pela mansidão o homem conquista amizades na Terra e bem-aventurança no Céu. Inimiga da irritabilidade que gera a cólera, a mansidão sempre triunfa nas lutas, vence as dificuldades, enfrenta os sacrificios. Os mansos e os humildes de coração possuirão a Terra, porque se elevam na hierarquia espiritual e se constituem outros tantos propugnadores invisíveis do progresso de seus irmãos, guiando-lhes os passos nas veredas do Amor e da Ciência - nobres ideais que nos conduzem a Deus!

"Aprendei de mim, disse Jesus, que sou humilde e manso de coração". ("Parábolas e Ensinos de Jesus" - Cairbar Schutel).

Em a Gênese, Allan Kardec nos diz que: "os maus pensamentos corrompem os fluidos espirituais, como os miasmas deletérios corrompem o ar respirável. Os fluidos que cercam ou que projetam os maus Espíritos são, pois, viciados, ao passo que aqueles que recebem a influência dos bons Espíritos tão puros quanto o comporta o grau da perfeição moral destes".

 

 

BIBLIOGRAFIA:

 

KARDEC, Allan. A Gênese: Cap. XIV, itens 16, 45 e 46

FRANCO, Divaldo Pereira (Joanna de Angelis). Adolescência e vida: Cap. XIV

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito André Luiz). Nos domínios da Mediunidade: Cap. XV

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito Emmanuel). Pensamento e Vida

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito Emmanuel). O Consolador: questão 98

KARDEC, Allan. Livro dos Espíritos: cap. 5, itens 3 a 10; Cap. 19, itens 2 a 7; e, cap. 27, itens 1 a 15.

SCHUTEL, Cairbar. Parábolas e Ensinos de Jesus.

 

 

PARTE B

 

RESPONSABILIDADE E DESTINO

MENTE SÃ EM CORPO SÃO

 

"Portanto, vede diligentemente como andais, não como néscios, mas sábios" (Efésios 5: 15 - S. Paulo).

"Bem-aventurado o Homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores". (Salmos 1: 1)

"Energia viva, o pensamento desloca, em torno de nós, forças sutis, construindo a paisagem ou formas criando centros magnéticos ou ondas, com as quais emitimos a nossa atuação ou recebemos a atuação dos outros (...)". "Desequilíbrio gera desequilíbrio, mente enfermiça busca mente enfermiça; assim vício busca vício, isso nos faz pelo pensamento co- criadores a qualquer tempo e lugar". A associação mora entre toda as coisas, preside a todos os acontecimentos e comanda a existência de todos os seres (...) é que sentindo, mentalizando, falando ou agindo, sintonizamo-nos com as emoções e idéias de todas as pessoas, encarnadas ou desencarnadas da nossa faixa de simpatia". (...)

"Os médiuns, em qualquer região da vida, filtros que são de rogativas e respostas, precisam, pois, acordar para a realidade de que viveremos sempre em companhia daqueles que buscamos, de vez que, por toda a parte, respiramos ajustados ao nosso campo de atração", assinala o Espírito Emmanuel.

Paulo conhecia os efeitos que o pensamento mórbido produz, antecipando de muito que a Psicologia e a Psicoterapia dos séculos 19 e 20 vieram comprovar. Paulo sabia também que a mente insana escraviza, e, por isso, ensinava o equilíbrio mental a seus discípulos. Hoje se sabe qual o papel da mente desequilibrada, nos processos de instauração e desenvolvimento da obsessão. A mediunidade é um fato da mente, e o processo de imantação mental é o caminho mais lógico e direto para o estabelecimento da sintonia com o plano espiritual, seja ele de que categoria for. Anteriormente à Doutrina Espírita, os fenômenos mediúnicos, que levaram à fogueira tantos médiuns acusados de "feiticeiros", não eram conhecidos, nem estudados, e considerados até por diabólicos. Após Kardec, sabe-se perfeitamente qual o papel desempenhado pela mente na mediunidade.

Guardar a saúde mental, perante os conflitos que em todos os momentos o cristão é chamado a enfrentar, é o dever do espírita consciente de suas possibilidades e responsabilidades. É a luta constante consigo mesmo, na certeza de que Jesus segura o leme, sempre que a tempestade vier. E a certeza de que o destino da Humanidade está nas mãos do Pai Ce1estial, mesmo quando tudo parecer comprovar o contrário:

"No mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo. Eu venci o mundo". Foi o que o Mestre nos ensinou. (Evangelho segundo João, 16:33)

Enfim, considerar o velho ditado: "Mente sã em corpo são".

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Religião dos Espíritos.

KARDEC, Allan. Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap. V – itens 14, 15, 16 e 17 – Cap. XIII, itens 7 e 8.

Novo Testamento – Epístolas de Paulo

Novo Testamento – Evangelho de João

 

Questões para reflexão:

 

1) Fale sobre o transtorno mental e suas causas.

 

2) Analise o pensamento de Joanna de Ângelis no primeiro parágrafo.

 

3) Explique o significado da citação “mente as, corpo são”.

 

4) Descreva como podemos guardar a saúde mental.

 

 

 

14ª AULA

 

PARTE A

 

ONDAS E PERCEPÇÕES

 

Onda - Grande agitação; ímpeto, tumulto; movimento ondulatório; ondulação (Dicionário Aurélio)

Retratando o traçado eletroencefalográfico, as ondas Alphas representariam o ideal do ritmo psíquico humano; poderíamos dizer que seria o ritmo dos harmonizados e equilibrados, praticamente os que alcançaram a paz em nosso tumultuado momento de vida planetária. (Jorge Andréa)

falta de terminologia mais clara, diremos que uma onda é determinada forma de ressurreição da energia, por intermédio do elemento particular que a veicula ou estabelece." (André Luiz - "Mecanismos da Mediunidade", Cap. I).

 

Percepção - Ato ou efeito de perceber (Dicionário Aurélio).

A Terra é um magneto (ímã) de gigantescas proporções, constituído de forças atômicas condicionadas que se combinam e formam o chamado campo eletromagnético em que o planeta se tipifica na Imensidade Cósmica. Nesse reino de energias, em que a matéria concentrada estrutura o Globo de nossa moradia e em que a matéria em expansão lhe forma o clima peculiar, a vida desenvolve agitação. E toda agitação produz ondas. ( "Mecanismos da Mediunidade") 

A fonte primordial de qualquer irradiação é o átomo ou partes dele em agitação, despedindo raios ou ondas que se articula, de acordo com as oscilações que emite.

 

ATOMO

 

 

 

 

 

A ciência na Terra acreditava antigamente que os átomos fossem corpúsculos eternos e indivisíveis.

"Oscilando de maneira integral, sacudidos nos elétrons de suas órbitas ou excitados apenas em seus núcleos, os átomos lançam de si ondas que produzem calor, som, luz, raios gama, através de inumeráveis combinações". (André Luiz - "Mecanismos da Mediunidade", Cap. I).

Observe a figura. Ela nos permite observar uma tabua das marés ocorridas no porto de Santos/São Paulo.

 

                  

 

 

"Onda-maré: A onda proveniente do fenômeno da maré, e que, no alto-mar, se desloca de leste para oeste a urna velocidade de 864 nós, dando urna volta em redor da Terra cada 24 horas." (Dic. Aurélio)

Quanto mais investiga a Natureza, mais se convence o homem de que vive num reino de ondas transfiguradas em luz, eletricidade, calor ou matéria, segundo o padrão vibratório em que se exprimam (Espírito André Luiz)

As ondas do mar são ondas de superfície que ocorrem nos oceanos. São provocadas pelo vento que cria forças de pressão e fricção que perturbam o equilíbrio da superfície dos oceanos. O vento transfere parte da sua energia para a água através da fricção entre o vento e a água.

Comprimento de onda - distância entre duas "cristas" consecutivas.

Velocidade - depende não só do tipo de onda, mas também da natureza do meio onde a onda se propaga. (água óleo ar...).

Frequência - o número de impulsos ou vibrações da onda, por segundo. A freqüência não se altera, quando a onda é transferida de um meio para outro.

Amplitude - distância vertical entre o meio da onda e a crista ou cava.

Oscilação - frequência ou vibração.

 

As ondas classificam-se em longas, médias, curtas e ultra-curtas.

Ondas longas - São as superiores a 600 metros de comprimento. Caminham ao longo da superfície terrestre e têm pequeno alcance.

Ondas médias - são as de 150 a 600 metros, caminham em parte ao longo da superfície, e se projetam também para as camadas superiores da atmosfera. Têm alcance maior que as anteriores.

Ondas curtas - são as que variam entre 10 e 150 metros e rumam todas para atmosfera superior

Ondas ultracurtas - são todas as que forem menores que 10 metros. Têm muito maior alcance e força, ecoando nas camadas superiores da atmosfera.

André Luiz afirma que os anjos exprimem-se através de raios super-ultracurtos, em processos ainda inacessíveis à observação comum, enquanto a mente humana exterioriza-se por meio de oscilações curtas médias e longas.

Percepções

André Luiz explica o que ele chamou de continente do "Infra-som":

"Ajustam-se ouvidos e olhos humanos a balizas naturais de percepção, circunscritos aos implementos da própria estrutura. Abaixo de 35 a 40 vibrações por segundo a criatura encarnada, ou fora do corpo físico em condições análogas, não dispõe de recursos para assinalá-los. (...) Nesse continente do "infra-som" circulam forças complexas; contudo, para o Espírito encarnado ou ainda condicionado às sensações do Plano Físico, não existe nessas províncias da Natureza senão silêncio."

 

Sons perceptivos

"Aumenta-se a freqüência das ondas, nascidas do movimento incessante do Universo, e o homem alcançará a escala dos sons perceptíveis, mais exatamente qualificáveis nas cordas graves do piano. Nesse ponto, penetraremos a esfera das percepções sensoriais da criatura terrestre, porquanto, nesse grau vibratório, as ondas se transubstanciam em fontes sonoras que afetam o tímpano, gerando os "tons de Tartini" ou "tons de combinação", com efeitos psíquicos, segundo as disposições mentais de cada indivíduo.

A escala de percepção é extremamente variável (Nota do Autor espiritual)

“O homem somente assinala as ondas que se lhe afinam com o modo de ser, pois está condicionado nas suas percepções, à escala do progresso que já alcançou.” (Espírito André Luiz).

O som é produzido quando alguma coisa faz o ar se mover. Esse movimento chama-se vibração. Quando as moléculas de ar vibram, elas batem uma contra as outras, fazendo com que as vibrações se espalhem pelo ar sob a forma de ondas, produzindo o som.

A radiação pode ser definida como a emissão de energia através do espaço, na forma de ondas eletromagnéticas

Um raio ou relâmpago é uma descarga elétrica que se produz entre nuvens de chuva ou entre uma destas nuvens e a terra. Descarga visível com trajetórias sinuosas e de ramificações irregulares, às vezes com muitos quilômetros de distância. Ocorre também uma onda sonora chamada trovão.

Matéria mental

Como alicerce vivo de todas as realizações nos planos fisico e extrafisico, encontramos o pensamento por agente essencial.

Conhecemos o elétron como sendo um dos corpúsculos-base, nas organizações e oscilações da matéria, interpretamos o Universo como um todo de forças dinâmica, expressando o Pensamento do Criador.

(...) Da matéria mental dos seres criados, estudamos o pensamento ou fluxo energético do campo espiritual de cada um deles, a se graduarem nos mais diversos tipos de ondas. (André Luiz - "Mecanismos da Mediunidade", Cap. IV)

Os átomos mentais inteiros, regularmente excitados, na esfera dos pensamentos, produzirão ondas muito longas ou simples sustentação da individualidade, correspondendo à manutenção de calor. (...) As emoções profundas, as dores indizíveis, as laboriosas e aturadas concentrações de força mental ou as súplicas aflitivas, o domínio dos pensamentos emitirá raios muitos curtos ou de imenso poder transformador do campo espiritual, teoricamente semelhantes aos que se aproximam dos raios gama. (...) a corrente mental é suscetível de produzir as suas próprias peculiaridades em outra corrente mental que lhe sintonize.

(...) É nessa projeção de forças, a determinarem o compulsório intercâmbio com todas as mentes encarnadas ou desencarnadas, que se nos movimenta o Espírito no mundo das formas-pensamentos, construções substanciais na esfera da alma, que nos liberam o passo ou no-lo escravizam, na pauta do bem ou do mal de nossa escolha - (André Luiz- "Mecanismos da Mediunidade", Cap. IV).

Ondas e percepções no processo mediúnico

A Doutrina Espírita explica que "o Espírito se expressa através da emissão de seu pensamento, e, que toda comunicação entre ele e o seu corpo fisico ou material, se dá através do seu corpo psicossomático ou perispírito, constituído de matéria quintessenciada, faz parte integrante do Espírito como o corpo o faz do homem. É o instrumento de ação do Espírito". (LM – Cap. 1, 2ª parte).

Mediunicamente, perceber é captar ondas vibratórias do pensamento de encarnados ou desencarnados, em decorrência da Lei de Sintonia, pela associação das correntes mentais. O pensamento é matéria mental, e se compõe de átomos e partículas, com cargas positivas (prótons) e negativas (elétrons).

"Sendo o pensamento força sutil inexaurível do Espírito, podemos categorizá-lo, assim à conta de corrente viva e exteriorizante, com faculdades de auto-excitação e autoplasticização inimagináveis". ("Mecanismos da Mediunidade", Cap. IX)

As vibrações do pensamento - são ondas eletromagnéticas que se propagam com a velocidade da luz: 300.000km/s.

"O Espírito encarnado ou desencarnado, na essência, pode ser comparado a um dínamo complexo, em que se verifica a transubstanciação do trabalho psicofisico em forças mento-eletromagnéticas que guardam consigo, no laboratório das células em que circulam e se harmonizam, a propriedade de agentes emissores e receptores, conservadores e regeneradores de energia. (...) Existe capacidade de afinização entre um Espírito e outro, quando a ação de plasmagem e projeção da matéria mental na entidade comunicante for, mais ou menos, igual à ação de receptividade e expressão na personalidade mediúnica". ("Mecanismos da Mediunidade", Cap. V).

No Cap. VI o mesmo autor conceitua o circuito mediúnico como a extensão do campo de integração magnética em que circula uma corrente mental, sempre que se mantenha a sintonia psíquica entre os seus extremos ou, mais propriamente, o emissor e o receptor.

O "circuito mediúnico”, dessa maneira, expressa uma ''vontade-apelo" e uma “vontade-resposta", respectivamente, no trajeto ida e volta, definindo o comando da entidade comunicante e a concordância do médium, fenômeno esse exatamente aplicável tanto à esfera dos Espíritos desencarnados, quanto à dos Espíritos encarnados.

Sempre que pensamos, expressando o campo íntimo na ideação e na palavra, na atitude e no exemplo, criamos formas-pensamentos ou imagens-moldes que arrojamos para fora de nós, pela atmosfera psíquica que nos caracteriza a presença.

 

Bibliografia:

 

XAVIER, F. Cândido e Valdo Vieira (Espírito André Luiz). Mecanismos da Mediunidade: Caps. I, IV, V, VI, IX, XI

SANTOS, Jorge Andrea - Visão Espírita nas Distonias Mentais, Cap. 2

KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos: perg. 257.

KARDEC, Allan. Livro dos Médiuns: 23 p, Cap. 1.

NOBRE, Marte R. S.A. Obsessão e suas Máscaras

 

PARTE B

 

MAGNETISMO PESSOAL

 

"O Espiritismo e o Magnetismo nos dão a chave de uma infinidade de fenômenos sobre os quais a ignorância teceu muitas fábulas, que fatos são exagerados pela imaginação. O conhecimento esclarecido dessas duas ciências, que se resumem numa só, mostrando a realidade das coisas e sua verdadeira causa, é o melhor preservativo contra as idéias supersticiosas, porque revela o que é impossível o que está nas leis da Natureza e o que não passa de crença ridícula". (LE, 555)

"Há, entre os seres pensantes, ligações que ainda não conheceis. O magnetismo é a bússola dessa ciência, que mais tarde compreendeis melhor". (LE, 388)

Ao lado da medicação ordinária, elaborada pela Ciência, o magnetismo nos deu a conhecer o poder da ação fluídica, depois o Espiritismo veio revelar-nos outra espécie de força, através da mediunidade curadora e da influência da prece. (E.S.E. Cap. 28, item 77 - Prefácio)

O magnetismo da fé.

LM, Cap. XIV, item 175 - Há pessoas que têm um gênero de mediunidade que consiste no dom de curar pelo simples toque, pelo olhar, por um gesto mesmo, sem o socorro de nenhuma medicação. Dir-se-á, sem dúvida, que isso não é outra coisa do que o magnetismo. (...) A magnetização comum é um verdadeiro tratamento continuado, regular e metódico.

O Cristo, que realizou verdadeiros milagres, mostrou, por esses mesmos milagres, quanto o homem que tem fé, ou seja, que a vontade de querer e a certeza de que essa vontade pode realizar-se a si mesma.

Os apóstolos também não fizeram milagres? Ora, o que eram esses milagres, senão os efeitos naturais de uma causa desconhecida dos homens de então, mas hoje em grande parte explicada e que será completamente compreendida pelo estudo do Espiritismo e do magnetismo?

(...) O magnetismo é uma das maiores provas do poder da fé, quando posta em ação. (E.S.E, Cap. XIX, item 12)

Magnetismo Humano – GE –Cap. XIV, item 33

A ação magnética pode produzir-se por diversas maneiras:

1º- Pelo próprio fluido do magnetizador; é o magnetismo propriamente dito, ou magnetismo humano, cuja ação é subordinada à potência e, sobretudo à qualidade do fluido;

2°- Pelo fluido dos Espíritos que atuam diretamente e sem intermediário sobre o encarnado, seja para curar ou acalmar um sofrimento, seja para exercer sobre o indivíduo uma influência fisica ou moral qualquer. É o magnetismo espiritual, cuja qualidade está em razão, das qualidades do Espírito.

3°- Pelo fluido que os Espíritos derramam sobre o magnetizador e ao qual este serve de condutor. É o magnetismo misto, semi-espiritual ou, se assim o quisermos, humano-espiritual.

LM, Cap. XIV, item 175 - Há pessoas que têm um gênero de mediunidade que consiste no dom de curar pelo simples toque, pelo olhar, por um gesto mesmo, sem o socorro de nenhuma medicação. Dir-se-á, sem dúvida, que isso não é outra coisa do que o magnetismo. (...) A magnetização comum é um verdadeiro tratamento continuado, regular e metódico.

“'No magnetismo humano se percebe e se constata a existência de um componente anímico que não participa das outras modalidades de magnetismo. No magnetismo dos ímãs e dos oriundos dos campos energizados por eletricidade, obtêm - se padrões e quantidades invariável e fisicamente mensuráveis, abstração feita às variações previstas e determinadas; no magnetismo humano os valores são extremamente flexíveis e variáveis não apenas por condições fisico-químicas e orgânicas, mas igualmente por influências psíquicas e espirituais”. ("O Passe" - Jacob Melo)

No capitulo n°. 19 - Passes, do livro "Missionários da Luz", André Luiz afirma na pagina n°. 321: "O missionário do auxilio magnético, na Crosta ou aqui em nossa esfera, necessita ter grande domínio sobre si mesmo, espontâneo equilíbrio de sentimentos, acendrado amor aos semelhantes, alta compreensão da vida, fé vigorosa e profunda confiança no Poder Divino".

Jesus em sua passagem pela Terra foi a maior expressão viva do amor, do equilíbrio e do magnetismo. Sua presença era disputada por todos; as multidões acompanhavam-No, sempre aos lugares que visitava.

No Evangelho de Lucas, temos o exemplo da mulher hemorrágica, que tocando a extremidade da veste de Jesus, no mesmo instante, o fluxo de sangue parou. Jesus disse-lhe: "Minha filha, a tua fé te salvou; vai em paz" (Lucas, 8:43-48).

Outro exemplo do magnetismo de Jesus é a cura do servo de um centurião em Cafarnaum (Lucas, 7: 1-10).

A razão primária do magnetismo irradiado por Jesus fundamentava-se no amor, contudo, é necessário que o enfermo ou necessitado ofereça condições íntimas de recepção do fluido irradiado.

Ainda podemos encontrar em Atos dos Apóstolos (9:15-18) a cura de Paulo por Ananias, que se dirigira a cidade de Damasco a pedido de Jesus.

Bibliografia:

 

KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos-perguntas 388, 555.

KARDEC, Allan. Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. XIX, item 12, Cap. 28, item 77

KARDEC, Allan. Livro dos Médiuns, 2ª Parte, Cap. XIV, n 175

KARDEC, Allan. A Gênese, Cap. XIV, item 33

KARDEC, Allan. Revista Espírita

MELO, Jacob. O Passe- Seu Estudo, Suas Técnicas, Sua Prática

XAVIER, Francisco Cândido. / Luiz, André. Missionários da Luz – cap. 19 (passes)

Bíblia de Jerusalém: Novo Testamento - (Lc., 7:1-10; 8:43-48); Atos, (9:15-18).

 

Questões para reflexão

 

1) Faça um breve comentário sobre ondas e percepções.

 

2) Analise a interferência das ondas e percepções no processo mediúnico.

 

3) Faça um breve relato sobre o magnetismo humano.

 

4) Pesquise e relate o caso de Paulo de tarso, na estrada de Damasco, bem como, a restituição de sua visão por Ananias.

15ª AULA

 

PARTE A

 

VIBRAÇÃO, RADIAÇÃO, DOAÇÃO

E MEDITAÇÃO

 

O corpo fisico é uma máquina que funciona sem parar do nascimento ao desencarne e é formado de matéria densa, ou seja, energia condensada em vários graus.

Vibração - como conceito, é o ato ou efeito de vibrar, oscilar, balançar.

Radiação - é a propagação de energia sob a forma de ondas.

Irradiar - é lançar de si, emitir. Todo ser humano irradia de si um fluido vital ou ectoplásmico (emanação de matéria orgânica, magnetismo humano), dando origem às radiações de energia eletromagnéticas, que se apresentam sob a forma vibratória.

A Doutrina Espírita, no entanto mostra que todas as radiações decorrem da ação do Espírito, quer dizer são mentais. A radiação mental é um processo intelectual mediante o qual se emite e projeta a determinado alvo pensamentos concordantes com o motivo que determinou a projeção.

Todos os Espíritos, encarnados e desencarnados, possuem a faculdade de emitir e projetar radiações a qualquer distância por maiores que sejam; entre os desencarnados como é obvio, tal faculdade é exercida livremente, por ausência do entrave natural, que é o corpo físico.

Tais projeções como também ocorre com os pensamentos, são tão rápidas que ultrapassam mesmo a velocidade da luz.

Quando a mente está voltada para os ideais superiores da fé ativa, a expressar-se em amor pelos semelhantes; quando a disciplina se faz constante, através da renuncia amorosa, da bondade, do esforço próprio no bem, e no estudo nobremente conduzido, a criatura adquire elevado teor mental ("Nos Domínios da Mediunidade", Cap. 2). André Luiz fala neste livro, neste capítulo sobre "o Psicoscópio, aparelho que facilita os exames e estudos "da alma com o poder de definir-lhe as vibrações e com capacidade para efetuar diversas observações em torno da matéria". "Funciona a base de eletricidade e magnetismo, utilizando-se de elementos radiantes análogos na essência os raios gama".

"Identifica os valores da individualidade humana pelos raios que emite. A moralidade, o sentimento, a educação e o caráter são claramente perceptíveis, através de ligeira inspeção''. Usando este aparelho André Luiz pode observar que "teto, paredes e objetos do cotidiano eram formados de corrente de força, a emitirem baça claridade e que os encarnados em oração, ao redor da mesa de trabalho, apareciam mais estreitamente associados entre si, pelos vastos círculos radiantes que lhes nimbavam as cabeças"

E explica que "o homem encarnado é um gerador de força eletromagnética (resulta da ação de atração e repulsão) e que todas as substâncias vivas da Terra emitem energias, enquadradas nos domínios das radiações ultravioletas.

Existem "almas regularmente evoluídas, em apreciáveis condições vibratórias pela sincera devoção ao bem, com esquecimento dos seus próprios desejos. Podem desse modo, projetar raios mentais, em vias de sublimação, assimilando correntes superiores e enriquecendo os raios vitais de que são dínamos comuns. Complementa André Luiz que esses raios podem ser chamados de raios ectoplasmicos e são peculiares a todos os seres vivos. É na "base deles que se efetuam todos os processos de materialização mediúnica, porquanto os sensitivos encarnados que os favorecem libertam essas energias com mais facilidade. Todas as criaturas, porém, guardam-nas consigo, emitindo-as em freqüência que varia e cada uma, de conformidade com as tarefas que o Plano da vida lhes assinala. O estudo da mediunidade repousa nos alicerces da mente com o seu prodigioso campo de radiações".

"Cada qual de nós respira em determinado tipo de onda. Quanto mais primitiva se revela a condição da mente, mais fraco é o influxo (influência) vibratório do pensamento, induzindo a compulsória aglutinação do ser ás regiões da consciência embrionária ou torturada, onde se reúnem as vidas inferiores que lhe são afins" ("Entre a Terra e o Céu", André Luiz, Cap.20)

No livro Passes e Irradiações, diz Edgard Armond: "O ser humano, como um organismo celular dinâmico, é uma unidade vibratória que absorve e emite radiações diferentes: as físicas - calor, magnetismo, luz; as psíquicas - ondas vitais, essenciais, pensamentos, idéias, desejos, etc.

Tudo isso age e reage sobre os outros seres, influenciando-os em sua vontade, sentimentos, pensamentos e atos, sofrendo por sua vez a influência dos afins. Tudo se reflete na radiação tonal, na aura individual, criando atmosfera boa ou má, atrativa ou repulsiva. “As afinidades vibratórias é que regulam esse intercâmbio de dar e receber, no plano invisível, forças e fluidos”.

No corpo físico do homem ou do animal, cada célula, órgão, aparelho ou sistema, possui sua tonalidade própria e o conjunto de todas elas, amalgamadas, fundidas numa só, forma a tonalidade individual orgânica. Órgãos, aparelhos e sistemas, cada um possui sua tonalidade vibratória individual.

Doação - "o pensamento influi de maneira decisiva, na doação de princípios curadores. Sem a idéia iluminada pela fé e pela boa vontade, o médium não conseguiria ligação com os Espíritos amigos que atuam sobre essas bases." Diz André Luiz no capítulo XVII do livro Nos Domínios da Mediunidade.

O passe é uma transfusão de energias, mas nem todos os doentes alcançam a melhora, e isso se dá pela falta de fé e merecimento, para que a criatura registre o socorro que necessita. No terreno das vantagens espirituais, é imprescindível que o candidato apresente condições favoráveis através da assistência magnética, onde "recursos espirituais se entrosam entre a emissão e recepção, ajudando a criatura necessitada, para que ela ajude a si mesma e ainda André Luiz, ao final do capítulo "Serviço de Passes", diz que" a mente reanimada reergue as vidas microscópicas que a servem, no templo do corpo, edificando valiosas reconstruções"; nos passes a distância companheiros espirituais se ajustam no trabalho de auxílio, favorecendo a realização; e a prece silenciosa será o melhor veículo da força curadora.

Meditação - É uma concentração intensa da mente em uma idéia ou em algum fato. A meditação pode ser considerada como a extensão da concentração, quando, ao invés de nos abrirmos para o mundo espiritual, nos concentramos em aspectos emocionais ou filosóficos de nossa realidade. W. E.Sangster afirma que meditar é dirigir o nosso pensamento, fixar a nossa mente em certos pensamentos que transcendem as trivialidades da vida cotidiana, "uma espécie de exercício espiritual que consiste em reflexão profunda e contínua”. (‘O valor da Meditação’, em Revista Espírita Allan Kardec, n" 13, pág. 11).

Segundo esse mesmo autor, a meditação faz nosso pensamento "girar em torno de um tema verdadeiro e profundo; é preciso aprender a revolver no pensamento esse tema uma quantidade de vezes". Os temas citados como exemplo pra a meditação são a humildade, a gratidão, a disciplina, etc.

Meditação não deve ser confundida com reflexão.

Reflexão é o ato ou efeito de refletir-se; volta da consciência do Espírito, sobre si mesmo, para examinar o seu próprio conteúdo por meio do entendimento, da razão (Dicionário Aurélio). Refletir é uma avaliação interior, analisando idéias situações ou emoções através de um processo mental lógico. Quando refletimos, pensamos racionalmente, com o intuito de conhecer, compreender ou julgar algo conscientemente, através da nossa inteligência. Caracteriza-se pela busca e associação de idéias de uma maneira extremamente racional e consciente.

A meditação diferencia-se naquilo que ela tem de aleatório e ocasional nessas associações. A mente deixa-se ao livre fluir dos pensamentos.

"Você medita quando, na quietude da natureza ou na paz de algum velho templo, você se volta para dentro de si mesmo por alguns instantes para participar do silêncio de Deus. Você medita ainda mais valiosamente quando, no meio do burburinho da vida, no centro do alvoroço e dos desafios do dia a dia, leva consigo a mesma quietude interior que transforma o seu coração no templo do Espírito, quando embebe a sua mente nas águas da criação e da inteligência Divina para que com sua atitude, cada ser, cada coisa, possa despertar para a sua qualidade essencial". Revista Espírita Allan Kardec, O que é Meditação? n° 18, pág.16.

Bibliografia:

 

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito André Luiz). Nos Domínios da Mediunidade; Cap. 2 e 17

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito André Luiz). Entre a Terra e o Céu: Cap.20

KARDEC, Allan. Livro dos Médiuns: Cap. XIV, itens 175 e 176

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito Emmanuel). Seara dos Médiuns: lições 81 e 83

ARMOND, Edgard. Passes e RADIAÇÕES: Caps. 5 e 23

 

PARTE B

 

FAZER O BEM SEM OSTENTAÇÃO

NA ESCOLA DO MESTRE

 

Fazer o bem sem ostentação é um grande mérito, além da caridade material, é a caridade moral que sabe encontrar palavras dóceis e afáveis que colocam o beneficiado à vontade em face do benfeitor, não sendo o beneficiado humilhado.

Que a mão esquerda não saiba o que dá a mão direita é uma figura que caracteriza a beneficência modesta; é tomar o cuidado para que as boas obras realizadas não sejam com o objetivo de serem mostradas aos homens.

No laborioso processo de reforma íntima precisamos compreender que para atingirmos tão alto objetivo é indispensável traçar um roteiro para a nossa organização mental no Infinito bem, e segui-lo sem recuar (Espírito Emmanuel).

Nosso êxito ou fracasso dependem da persistência e da fé com que nos consagramos mentalmente aos objetivos que nos propomos alcançar.

A terra cultivada produz o bom grão.

Jesus sintetizou os dez mandamentos no ensinamento: "Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo". E o Espírito de Verdade, prometido por Jesus Cristo, veio acrescentar mais uma ordenação: "Amai-vos, eis o primeiro mandamento, instruí-vos", eis o segundo. É essencial nossa frequência, de forma permanente a imensa escola que a Terra, cujo Mestre é Jesus e na qual o método do ensino é sedimentado sobre o amor e a persuasão.

Entretanto, apesar da singeleza e magnitude dos ensinos, na Escola existem alunos orgulhosos, vaidosos, pseudo-sábios que julgam saber mais que o Mestre, e por outro lado, existem também alunos humildes, submissos dedicados e ansiosos por assimilar tudo aquilo que lhes ensinam.

Para o desempenho do aprendizado, os discípulos precisam despender uma serie de esforços, e essa vivência implica em sofrimento, abnegação e desprendimento. O Mestre não sobrecarrega ninguém com peso acima de suas forças. O que ele nos ensina é fácil de ser assimilado e somente se torna pesado e insuportável para aqueles que se rebelam ou criam seus próprios sistemas, dos quais se tomam prisioneiros.

O Mestre esclarece: "O meu jugo é suave e o meu fardo leve, quem se tomar humilde de coração não terá maiores dificuldades em assimilar e viver aquilo que ensino".

 

Bibliografia:

 

KARDEC, Allan. Evangelho Segundo o Espiritismo: Cap. 13 itens 1 a 3

GODOY, Paulo Alves. Crônicas Evangélicas: Lição: Na Escola do Mestre

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Roteiro: Lição 28 - Sintonia

 

 

Questões para reflexão:

 

1) Comente a afirmação: "O estudo da mediunidade repousa nos alicerces da mente com o seu prodigioso campo de irradiação".

 

2) Comente sobre doação e meditação.

 

3) Descreva como um espírita cristão deve traçar o seu roteiro de reforma intima.

 

4) Analise a afirmação de Jesus: "Meu jugo é suave e meu fardo leve".

 

 

16ª AULA

 

PARTE A

 

DEPENDÊNCIA QUÍMICA

 

Visão Científica

O conceito de dependência química ainda é muito discutido no meio científico. Várias teorias estão sendo estudadas e testadas.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) acrescentou grande colaboração ao assunto, ao catalogar a síndrome da dependência de substâncias psicoativas (as drogas atuando no cérebro afetando a atividade mental) como uma doença. Neurologicamente, está ligada a alterações na estrutura e funções cerebrais, o que caracteriza uma doença cerebral, com implicações psicológicas, sociais e espirituais. Esta colocação elimina os conceitos leigos que catalogavam o dependente químico como um viciado, fraco, sem caráter, etc.

Hoje, para a Medicina, o dependente químico deve ser tratado como um doente como qualquer outro. O dependente químico viverá bem se não ingerir drogas. Estas atuam sobre o sistema nervoso central, estimulando o consumo repetitivo da substância, o que gera a dependência, que poderá ser fisica e/ou psicológica.

A OMS considera ainda, que o abuso de drogas não pode ser definido apenas em função da quantidade e freqüência de uso. Uma pessoa somente será considerada dependente se o seu padrão de uso resultar em pelo menos três dos seguintes sintomas ou sinais, ao longo dos últimos doze meses:

a)   Forte desejo ou compulsão de consumir drogas; dificuldades em controlar o uso, seja em termos de início, término ou nível de consumo;

b)   Uso de substâncias psicoativas para atenuar sintomas de abstinência, com plena consciência dessa prática; estado fisiológico de abstinência; evidência de tolerância, quando o indivíduo necessita de doses maiores de substância para alcançar os efeitos obtidos anteriormente com doses menores;

c)   Estreitamento do repertório pessoal de consumo, passa a consumir drogas em ambientes inadequados, a qualquer hora, sem nenhum motivo especial;

As drogas também são catalogadas como lícitas ou legalizadas, os medicamentos alopatas e homeopáticos, o álcool, o tabaco e a cafeína, que são as drogas mais consumidas e de uso praticamente universal e as ilícitas ou ilegais, cuja produção e comércio são proibidos, como a maconha, cocaína, crack, LSD, heroína, êxtase, etc.

Elas formam basicamente três grupos:

1)  Depressoras da Atividade Cerebral: diminuem a atividade mental, a atenção, a concentração e a capacidade intelectual. O usuário fica "desligado", "devagar", desinteressado, podendo entrar em depressão.

2)  Estimulantes da Atividade Cerebral: aceleram a atividade mental, afetando o cérebro. O usuário fica "ligado", "elétrico", sem sono.

3)  Perturbadoras da Atividade Cerebral: provocam distúrbios no funcionamento do cérebro, este trabalha de forma desordenada. O usuário fica com a mente perturbada.

 

 

Depressoras

Estimulantes

Perturbadoras

 

Álcool

Anfetaminas

LSD

Calmantes

Extasy

Maconha, Haxixe

Barbitúricos

Cocaína

Ayahuasca

Inalantes

Crack, Merla

Cogumelo

Solventes

Cafeína

Lírio

Ópio – Morfina

Tabaco

 

Ópio - Codeína

 

 

 

Muitas pesquisas têm demonstrado que algumas pessoas nascem com o organismo predisposto (predisposição mórbida) a criar dependência quando ingerem determinadas substâncias psicoativas.

Aproximadamente 10 em cada 100 pessoas nascem com essa predisposição, mas só desenvolverão a doença ao entrarem em contato com a substância, ou seja, ao ingerirem álcool, cocaína, anfetarninas, etc.

Dependência Química é, portanto, a predisposição mórbida a desenvolver dependência a substâncias químicas alteradoras do estado de humor.

A Sociedade Americana da Medicina de Adicção (ASAM) define dependência química:

à Doença Crônica: exige tratamento pelo resto da vida (corno a Diabetes) , ao contrário da doença aguda, que surge e desaparece após tratamento adequado, por exemplo a gripe. Por isso, é também considerada, até o momento, como doença incurável, porém tratável.

à Doença Primária: é a "doença base ", que aparece em primeiro lugar, desencadeando doenças secundárias (hepatite, cirrose, problemas circulatórios, etc.).

à Doença Progressiva: quando não tratada, evolui em fases preestabelecidas com piora de todos os aspectos da vida. O dependente inicia o uso do químico de maneira moderada e vai aumentando o consumo gradativamente.

à Doença Fatal: leva à morte ou loucura se não tratada. O dependente deve ser incluído em programas de tratamentos que abordem os aspectos biopsicossociais e espirituais.

 

A Dependência Química é uma doença grave, com conseqüências alarmantes. Caracteriza-se por urna contínua ou periódica perda do controle, pela obsessão ou uso de substâncias psicoativas e distorções na maneira de pensar e de agir.

Estatísticas da OMS e da Abead (Associação Brasileira de Estudos sobre Álcool e Drogas) apontam cerca de 64%, em média, dos homicídios,

35% a 64% de acidentes de trânsito com vítimas e 80% de pessoas que praticam tentativa de suicídio. Compromete a saúde física (síndrome da abstinência, doenças hepáticas, gastrite, anemia, distúrbios neurológicos); psicológica (danos na percepção, mudança de humor e de comportamento); relacionamento interpessoal (problemas conjugais e violência, enfraquecimento das relações sociais); desempenho ocupacional (problemas escolares ou profissionais) e problemas legais, financeiros e/ou espirituais (deturpação de valores éticos e morais).

Os recursos para detê-la são as ações chamadas de prevenção primária, para evitar o surgimento de novos casos, através das intervenções educativas (psico-pedagógicas) precoces, massificadas e incessantes, na família, na escola, na comunidade, etc. As ações de prevenção secundária (tratamento dos casos já existentes) e de prevenção terciária (reintegração social).

A família e muitas outras pessoas que convivem com o dependente químico (amigos, vizinhos, colegas de trabalho) na tentativa de o ajudarem, se envolvem emocionalmente na situação, em função da ligação afetiva e desenvolvem os mesmos comportamentos irracionais dos dependentes químicos. Desenvolvem uma doença emocional chamada co-dependência: dependência emocional ao comportamento do dependente químico, vivendo em função do mesmo. Perdem o controle de sua própria vida, apresentam grandes dificuldades em lidar com as próprias emoções, desenvolvendo atitudes impensadas. Sentimentos como raiva, perda, culpa e medo e atitudes como fuga, controle, ameaças, críticas, agressões e negação, refletem a desestruturação emocional do co-dependente.

 

Tratamento:

O 1º passo para a recuperação é o afastamento total do uso da droga. O importante não é a diminuição da quantidade ou freqüência, mas a abstinência total.

O dependente não pode jamais voltar a fazer uso da droga, pois logo a dependência se reinstala, por tratar-se de uma doença crônica, incurável até o momento.

Não há caso de dependente que, tendo parado de usar a droga possa fazê-lo de novo – ainda que por simples e ocasional recreação – sem voltar à dependência. Parar temporariamente e voltar ao uso significa recaída, isto é, retomar ao ponto de partida.

Há várias opções de tratamento, tanto para o dependente como para o familiar, a nível ambulatorial ou hospitalar: médico, psicológico, grupos de auto-ajuda (como "Alcoólicos Anônimos" e "Narcóticos Anônimos" e para a família "Al-Anon" e ''Nar-Anon''), Comunidades Terapêuticas, etc.

Não existe uma forma de tratamento que seja universalmente a melhor. Um mesmo indivíduo pode tentar diferentes caminhos até encontrar o mais eficaz para si.

A Federação Espírita do Estado de São Paulo (FEESP) oferece assistência espiritual especializada para a dependência química, com assistência distinta para usuários de drogas ilícitas (P3AT) e drogas lícitas: álcool (P3A) e tabagismo (P3T).

 

Visão Espírita

A Doutrina Espírita pode colaborar muito para a recuperação do dependente químico, mostrando-lhe novas perspectivas de vida.

A causa da pré-disposição física, detectada pela Ciência, é de origem espiritual, pois através do uso abusivo de drogas em vidas passadas, plasma-se no corpo fisico, através do perispírito, a predisposição orgânica como forma de resgate e auto-superação.

O Espiritismo representa poderoso estímulo na luta para vencer a dependência química, pois ensina de onde viemos, porque nos encontramos na Terra, porque sofremos e para onde vamos após a morte do corpo, gerando reflexões sobre as causas e conseqüências do uso de drogas na vida presente, na vida espiritual e nas futuras reencarnações.

As conseqüências espirituais da dependência química são diversas:

Deturpação dos valores ético morais: com a progressividade da doença, o dependente químico utilizará de qualquer estratégia par conseguir mais droga, deixando de lado seus valores, os padrões éticos e tudo mais que tenha aprendido de bom na vida: pode enganar, manipular, roubar, se prostituir e até matar. A obsessão pela droga é tão intensa que no momento da compulsão, o dependente não consegue respeitar sequer os laços familiares, podendo apresentar as atitudes descritas acima inclusive com seus familiares. Obviamente, estas atitudes vão sintonizar o dependente com Espíritos também desequilibrados e infelizes.

A ação das drogas no perispírito: Segundo a Ciência, a droga, ao penetrar no organismo físico do usuário, atinge o aparelho circulatório, o sangue, o sistema respiratório, o cérebro e as células, principalmente as neuroniais.

No livro "Missionários da Luz", o Espírito André Luiz relata que: "O corpo perispiritual, que dá forma aos elementos celulares, está fortemente radicado no sangue. O sangue é elemento básico de equilíbrio do corpo perispiritual". Em "Evolução em dois Mundos", o mesmo autor espiritual relata que os neurônios guardam relação íntima com o perispírito.

Desta forma, a ação das drogas no sangue e nos neurônios, também vai comprometer as regiões correspondentes no perispírito, gerando lesões e deformações no corpo espiritual, podendo até bloquear as energias emanadas do perispírito ao corpo físico via centros de força, alcançando e comprometendo, substancialmente, o equilíbrio e a própria saúde do seu corpo perispiritual.

O corpo material é um bem facultado para a evolução do homem na Terra. O uso de drogas pode danificá-lo de maneira irreversível, comprometendo também o perispírito. Em uma próxima encarnação desarmonia condicionará o normal desenvolvimento do novo corpo material. Exemplo: tabagistas que reencarnam com problemas pulmonares.

O fumo não só introduz impurezas no perispírito, que são visíveis aos médiuns videntes, à semelhança de manchas, formadas de pigmentos escuros, envolvendo os órgãos mais atingidos, como os pulmões, mas também amortece as vibrações mais delicadas, bloqueando-as, tornando o homem até certo ponto insensível aos envolvimentos espirituais de entidades amigas e protetoras. As substâncias tóxicas do cigarro ficam impregnadas ao organismo espiritual causando de pequenas a grandes lesões. As drogas em geral, causam nos seres encarnados, um entorpecimento dos sentidos, deslocando o perispírito, para um ponto de desequilíbrio com o corpo material.

 

Vampirismo: Esclarece André Luiz em "Missionários da Luz": "Paralelamente aos micróbios alojados no corpo fisico há bacilos de natureza psíquica, quais larvas, portadoras de vigoroso magnetismo animal. Essas larvas constituem alimento habitual dos espíritos desencarnados e fixados nas sensações animalizadas." O Espírito de um usuário de drogas que desencarne sem ter se libertado da dependência, na espiritualidade continuará sentindo o desejo e a necessidade de consumir a droga. Desta forma, vai se aproximar de dependentes químicos encarnados e vampirizar ou sugar os vapores sutis das drogas. Estes vapores, ao se volatilizarem são facilmente detectados e sugados pelos Espíritos ainda presos às sensações dos químicos.

 

Obsessão: Os Espíritos dependentes químicos que desencarnaram sem tratamento, mantém no perispírito integralmente as mesmas sensações experimentadas na jornada terrena. Para garantir que possam continuar sorvendo os vapores que as drogas exalam, influenciam os encarnados a manterem a ingestão dos químicos, por intermédio dos processos de obsessão. Como Espírito precisará vincular-se à mente de um dependente para transmitir-lhe seus anseios de consumo da droga e incentivar o encarnado a consumir mais e mais, o que demonstra que o dependente encarnado sustenta a sua compulsão e a de muitos desencarnados! André Luiz, em "Sexo e Destino", capítulo 6°, ilustra muito bem como os Espíritos conseguem levar um indivíduo a ingerir químico e, ao mesmo tempo, usufruir de suas emanações. Estabelecem uma sintonia que gera uma sobrecarga mental no encarnado que afeta as funções cerebrais, gerando queda no rendimento fisico, intelectual e emocional do usuário. Este absorve as impregnações fluídicas maléficas daqueles, deixando o usuário, enfermiço, triste, irritadiço, infeliz, submetido à vontade dos obsessores.

 

O Médium e a Dependência Química

 

"A primeira condição para ser passista é trabalhar em sua própria depuração moral, a fim de não comprometer os fluidos salutares que está encarregado de transmitir. O fluido humano está sempre mais ou menos impregnado de impurezas fisicas e morais do encarnado. Os fluidos dos bons Espíritos é necessariamente mais puro e, por isto mesmo, tem propriedades mais ativas, que acarretam uma cura mais pronta, mas, passando através do encarnado pode alterar-se. Todo passista, tem a necessidade de trabalhar para seu melhoramento moral". (Allan Kardec - Revista Espírita, Setembro, 1865)

O médium deve estar gozando de boa saúde fisica e mental para doar suas energias ao assistido. O passe magnético, por exemplo, é uma transfusão de energia magnética, algo semelhante à transfusão de sangue. Não é preciso uma condição especial para doar sangue, apenas que o doador seja saudável, da mesma forma que o médium.

Como o passista doa de si uma parte dos fluidos que vão fortalecer o lado material e espiritual do necessitado, esses fluidos precisam estar limpos de vibrações deletérias. O uso de produtos químicos, como por exemplo, o fumo ou do álcool gastam muita energia vital, deixando o médium deficiente de energia, além de contaminar a pureza dos fluidos que é portador, dificultando o trabalho dos Espíritos, que acabam por não obter a devida qualidade nos trabalhos. Como a intenção é ajudar, ele deve oferecer o melhor de si ao assistido.

Se o médium é dependente de qualquer químico, deve buscar tratamento material e espiritual para recuperar-se antes de iniciar suas tarefas mediúnicas.

Caso o médium seja usuário ocasional destas substâncias, sem dependência, também deve conscientizar-se de que são produtos alteradores de seu humor e que podem vir a prejudicá-lo muito mais do que imagina. Gradativamente, deve eliminar o consumo destas substâncias, desde que é ciente de que causam dependência fisica e psíquica e que também as suas emanações sustentam a dependência de Espíritos menos esclarecidos.

Todo aquele que vai adentrar no trabalho mediúnico na Seara de Jesus deve realizar a renovação interior da maneira mais ampla possível. Caso ainda seja portador de alguma dependência química, precisa buscar ajuda para recuperar-se, a fim de doar ao assistido fluidos de melhor qualidade. À medida que o médium avança na compreensão da importância do trabalho mediúnico, percebe que o seu bem-estar fisico e espiritual não mais representa beneficio apenas para si próprio, mas também para todos que vai assistir em sua tarefa. Relembrando o Apóstolo Paulo de Tarso: "Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém!"

 

 

Bibliografia:

 

Centro Brasileiro de Informações Sobre Drogas Psicotrópicas – Universidade Federal de São Paulo - Depto de Psicobiologia

BURNS, John E. O Caminho dos Doze Passos.

MILAN, James R.; KETMAN, Katerine. Alcoolismo Mitos e Realidade

KRUPNICK, L.. Do Desespero à Decisão

MURAD, José Elias. Maconha A Toxidade Silenciosa

MURAD, José Elias. Reflexões Sobre Tabaco e Tabagismo

LEITE, Marcos da Costa; ANDRADE, Arthur Guerra de. Cocaína e Crack

MIRANDA, Clara F; MIRANDA, Mareio L. Construindo a Relação de Ajuda

BEATTIE, Melody. Co-Dependência Nunca Mais

MINIRTH, Robert Hemfelt, F; MÉIER, Paul. O Amor é Uma Escolha

TIBA, Içami. Anjos Caídos: como prevenir e eliminar as drogas na vida do adolescente

DRUMMOND, Marina C. Caetano; DRUMMOND FILHO, Helio Caetano.

Drogas, a busca de respostas

GIKOVATE, de Flávio. Drogas Opção de Perdedor

Revista Reformador - Março - 1998

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito André Luiz). Sexo e Destino

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito André Luiz). Missionário da Luz

XAVIER, Francisco Cândido; VIEIRA, Waldo. (Espírito André Luiz). Evolução em dois Mundos

PIRES, José Herculano. Diálogo dos Vivos

TEIXEIRA, J. Raul. Desafios da Educação

MIRANDA, Manoel P. Nas Fronteiras da Loucura

FERREIRA, Dr. Inácio. Psiquiatria em Face da Reencarnação

 

 

PARTE B

 

ATIRE A PRIMEIRA PEDRA

 

"Então lhe trouxeram os escribas e fariseus uma mulher que fora apanhada em adultério, e a puseram no meio, e lhe disseram: Mestre, esta mulher foi agora mesmo apanhada em adultério; e Moisés, na Lei, mandou apedrejar a estas tais. Qual é a vossa opinião sobre isto: Diziam, pois os judeus, tentando-o, para o poderem acusar. Jesus, porém, abaixando-se, pôs-se a escrever com o dedo na Terra. E como eles perseveraram em fazer-lhes perguntas, ergueu-se Jesus e disse-lhes: Aquele dentre vós que estiver sem pecado atire-lhe a primeira pedra. E tornando a abaixar-se, escrevia na terra. Mas eles, ouvindo-o, foram saindo um a um, sendo os mais velhos os primeiros. E ficou só Jesus com a mulher, que estava no meio, em pé. Então, erguendo-se, Jesus lhe disse: Mulher, onde estão os que te acusavam? Ninguém te condenou? Respondeu ela: Ninguém, Senhor. Então Jesus lhe disse: Nem eu tampouco te condenarei; vai, e não peques mais. (João, VIII-3:11)

Estas palavras de Jesus fazem da indulgência um dever, pois não há quem dela não necessite para si mesmo. Ensinam que não devemos julgar os outros mais severamente do que julgamos a nós mesmos, nem condenar nos outros aquilo que desculpamos em nós. Antes de reprovar uma falta de alguém, consideremos se a mesma reprovação não nos pode ser aplicada. Desejamos a vitória do bem na Terra, contudo, para tanto se faz necessário acendermos a luz da indulgência para conquistá-la com segurança. Todos nós, espíritos imperfeitos, ainda arraigados à evolução da Terra, reclamamos concurso e compaixão uns dos outros, mas nem sempre sabemos por nós mesmos, quando surgimos necessitados de semelhantes recursos. Como ensina-nos Emmanuel, por intermédio de Francisco Cândido Xavier, em muitas circunstâncias, estamos cegos da reflexão, surdos do entendimento, paralíticos da sensibilidade e anestesiados na memória sem perceber.

A censura de conduta alheia pode ter dois motivos: reprimir o mal, ou desacreditar a pessoa cujos atos criticamos. Este último motivo jamais tem justificativa, pois decorre da maledicência e da maldade. O primeiro pode ser louvável, e torna-se mesmo um dever em certos casos, pois pode dele resultar um bem, e porque sem ele o mal jamais será reprimido na sociedade. O homem deve ajudar o progresso do seu semelhante. Indiscutivelmente, ninguém constrói nada de bom, sem responsabilidade e disciplina, advertência e firmeza, mas é preciso considerar que toda boa obra roga auxílio, a fim de aperfeiçoar-se.

É preciso lembrar que o bem exigido pela força da violência gera inúmeros males em seu redor e desaparece da área luminosa do bem para converter-se num mal maior.

Jesus não podia proibir de se reprovar o mal, pois ele mesmo nos deu o exemplo disso, e o fez em termos enérgicos. Mas quis dizer que a autoridade da censura está na razão da autoridade moral daquele que a pronuncia. A única autoridade legítima, aos olhos de Deus, é a que se apóia no bom exemplo. Comecemos, pois, por lavar a nossa alma dos vícios e paixões que a maculam, para purificar os nossos corações; depois, então, quando limpos de coração, poderemos censurar as faltas alheias. Porém, limpos de toda imperfeição, não julgaríamos porque estaríamos banhados pela luz da indulgência, por meio de um sentimento fraternal, que todos nós deveríamos ter para com os nossos irmãos. O indulgente não vê os defeitos alheios, e se os vê evita comentá-los e divulgá-los. Ele jamais se preocupa com os maus atos alheios, a menos que seja para prestar um serviço, porém, ainda assim com o cuidado de atenuar tanto quanto possível. Não faz observações chocantes, nem traz censura nos lábios, mas sempre conselhos quase sempre velados. A indulgência acalma, corrige, enquanto o rigor desalenta, afasta e irrita.

O Evangelho recomenda-nos severidade para com nós mesmos e indulgência para as fraquezas alheias, porque essa é também uma forma de praticar a caridade, que bem poucos observam. Caridade para com todos, porque o amor resume todos os deveres, e porque é impossível amar a Deus sem praticar a caridade, da qual Ele faz uma lei para todas as criaturas.

Na luz da indulgência sustentaremos os fortes estimulando-os à perseverança e fortificaremos os fracos, mostrando-lhes a bondade de Deus, que leva em conta o menor arrependimento. É necessário compreendermos toda a misericórdia infinita de nosso Pai, e nunca nos esquecermos: “Perdoai as nossas ofensas, como perdoarmos aos nossos ofensores”. Estas palavras não são admiráveis apenas pela letra, mas também pela essência que encerram.

Quando percebermos alguém delirando na ambição desenfreada, usando a indulgencia poderemos renovar-lhe o modo de pensar e agir. Usando a indulgencia no dia a dia poderemos oferecer apoio, mentalizar o melhor para as criaturas que nos cercam, compreender as necessidades alheias, seguindo assim os exemplos de Jesus e esforçando-nos para sermos dignos do amor e da misericórdia de Deus.

Quem somos nós para julgar nossos irmãos, se todos nós somos réus no tribunal de nossas consciências?

 

BIBLIOGRAFIA

 

KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo: cap. X

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Livro da Esperança: item 27

 

 

Questões para reflexão:

 

1) Faça um breve relato referente a Dependência Química, sobre a Visão Cientifica.

 

2) Comente a Visão Espírita sobre a Dependência Química e suas implicações os usuários.

 

3) Escreva a reação de Jesus diante da mulher adultera.

 

4) Comente as palavras de Jesus: “Atire-lhe a primeira pedra aquele que estiver isento de pecado”.

 

 

17ª AULA

 

PARTE A

 

AURA

 

Aura, do latim: aura, ae = o ar em movimento, vento, sopro, eflúvio, exaltação, no sentido figurado: brilho, cintilação. (Dicionário Aurélio).

claramente compreensível que todas as agregações celulares emitam radiações e que essas radiações se articulem, através de sinergias funcionais, a se constituírem de recursos que podemos nomear por "tecidos de força" em torno dos corpos que as exteriorizam. Todos os seres vivos, por isso, dos mais rudimentares aos mais complexos se revestem de um "halo energético" que lhes corresponde à natureza”. (A. Luiz, Evolução em dois Mundos, Capítulo XVII)

André Luiz não classifica as emanações dos seres não humanos como (auras), porém, de "halo energético", constituído por "tecido de força", sinalizando-nos sensível diferença entre as irradiações humanas das dos demais reinos da Terra. (...) a alma encarnada ou desencarnada está envolvida na própria aura ou túnica de forças eletromagnéticas, em cuja tessitura circulam as irradiações que lhe são peculiares (...) essas irradiações, de maneira condensada, até um ponto determinado de saturação, contendo as essências e imagens que lhe configuram os desejos do mundo íntimo, em processo espontâneo de auto- exteriorização, ponto esse do qual a sua onda mental se alonga adiante, atuando sobre todos os que com ela se afinem e recolhendo naturalmente a atuação de todos os que se lhe revelem simpáticos". ("Mecanismos da Mediunidade", Cap. X).

Cada ser tem o fluido próprio, que o envolve e o acompanha em todos os seus movimentos, corno a atmosfera acompanha e envolve cada planeta. (O.P, Manifestações dos Espíritos, item I)

Em torno do ano 1939, o casal russo Kirlian desenvolveu na Universidade de Kirov, antiga União Soviética, uma câmera que consegue fotografar as emanações de um corpo submetido a um campo elétrico de alta voltagem e de baixa amperagem, e fotografou o que seria a aura das plantas e dedos humanos.

Já em 1968 admitiu-se que a aura seria o Corpo Bioplasmático descoberto por cientistas russos da Universidade de Kirov. Falou-se também que ocorreriam irradiações em corpos materiais inorgânicos, como rochas, moedas; etc.

Nos corpos inorgânicos há um campo magnético formado pelo magnetismo emanante do estado vibratório dos átomos. O ímã e os astros-celestes são exemplos desse campo de irradiações. No ser orgânico existe algo mais que no inorgânico, pois é um ser dotado de vitalidade, fluido vital, o que enriquece a aura, fazendo-a mais complexa e rica. No ser orgânico pensante, a complexidade energética da aura é muito maior. O pensamento orientado pela vontade pode dar um maior significado à aura, visto que sob seu controle ele pode expandir-se ao infinito.

 

A Aura humana

 

Além do corpo fisico há uma camada leitosa, emanação do próprio corpo. É a aura material, a qual se dá o nome de duplo etéreo, ou etérico, ou aura vital, comum a todos os seres orgânicos, existindo, portanto, nos vegetais, nos animais e nos homens. Esta aura material, emanação de nosso corpo fisico, interpenetra-o, ao mesmo tempo em que parece dele emergir, emitindo continuamente, uma emanação energética que se apresenta em formas de raias ou estrias que partem de toda a superficie. Na codificação encontramos na Gênese, Cap. 15: "os movimentos mais secretos da alma repercutem no envoltório fluídico". E assim que uma alma pode ler outra alma como um livro, vendo o que não é perceptível aos olhos do corpo.

A aura humana constitui, portanto, a fotosfera psíquica do homem apresentando cores variadas, segundo a onda mental emitida, retratando-lhe os pensamentos em cores e imagens, conforme os objetivos escolhidos, nobres ou deprimentes.

Na obra "Nos Domínios da Mediunidade", no Cap. 2, André Luiz cita um aparelho do plano espiritual, o "psicoscópio", que destina-se auscultação da alma, com o poder de definir-lhe as vibrações e com capacidade para efetuar diversas observações em torno da matéria. A moralidade, o sentimento, a educação e o caráter são claramente perceptíveis, através de ligeira inspeção.

"A leitura da aura é uma técnica de avaliação das condições espirituais das pessoas através da vidência. Mas é ponto pacífico no Espiritismo que a vidência não oferece nenhuma condição de segurança para servir corno instrumento de pesquisa" (J.H. Pires - "Mediunidade", capítulo 13).

 

A aura espiritual compõe-se de:

1. Um campo estável, fundamental, indicativo do caráter das pessoas e de seu grau de espiritualidade (parte fixa);

2. Faixas ondulantes que revelam as reações do Espírito encarnado às inúmeras circunstâncias da vida exterior (parte variável).

3. Conjunto de estrias que são cintilações, radiações que indicam impulsos momentâneos, de caráter passageiro.

 

Nos trabalhos de cura espiritual, os videntes chamados a proceder a exames espirituais para determinação de perturbações físicas e psíquicas; isso impõe a necessidade de conhecimentos sobre o corpo humano e do Perispírito, do qual a aura é urna espécie de espelho exterior. Os médiuns, para fazerem exames espirituais, devem apenas deter-se no campo físico, estável da aura. Ela reflete saúde, doença, caráter, os pensamentos, sentimentos, virtudes e vícios. Nas moléstias graves a aura se desvanece.

A Aura humana acrescida das vibrações dos pensamentos humanos forma a chamada aura espiritual do homem.

Temos na obra de Emmanuel, "Pensamento e Vida", Cap. 8: "Na vida comum, a alma entra em ressonância com as correntes mentais em que respiram as almas que se assemelham. Assimilamos os pensamentos daqueles que pensam como pensamos. É que sentindo, mentalizando, falando ou agindo, sintonizamo-nos com as emoções e idéias de todas as pessoas, encarnadas ou desencarnadas, da nossa faixa de simpatia. Estamos invariavelmente atraindo ou repelindo recursos mentais que se agregam aos nossos, fortificando-nos para o bem ou para o mal, segundo a direção que escolhemos".

Verificamos assim que "a aura é a nossa plataforma onipresente em toda comunicação com as rotas alheias, ante câmara do Espírito, em todas as nossas atividades de intercâmbio com a vida que nos rodeia, através da qual somos vistos e examinados pelas Inteligências Superiores, sentidos e reconhecidos pelos nossos afins, e temidos e hostilizados ou amados e auxiliados pelos irmãos que caminham em posição inferior a nossa. É por essa couraça vibratória, espécie de carapaça fluídica, em que cada consciência constrói o seu ninho ideal, que começaram todos os serviços de mediunidade na Terra. (André Luiz, Evolução em Dois Mundos, Cap. 17)

Quando nossos pensamentos estiverem um padrão vibratório elevado, em prece ou estudos edificantes, por exemplo, nossa aura apresenta-se, geralmente, ampliada e mais iluminada.

 

Bibliografia:

 

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito André Luiz). Evolução em Dois Mundos:

Cap. XVII

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito André Luiz). Mecanismos da Mediunidade: Cap. X

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito André Luiz). Nos domínios da Mediunidade: Cap. XI

KARDEC, Allan. A Gênese: Cap. XV

KARDEC, Allan. Obras Póstumas: Manifestações dos Espíritos

PIRES, J. Herculano. Mediunidade: Capítulo XIII

MELO, Jacob. O Passe: cap. IV, item 2

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito Emmanuel). Pensamento e Vida: Cap.8

 

 

PARTE B

 

A CANDEIA DO CORPO

 

 

“Ninguém acende uma lâmpada para colocá-la em lugar escondido ou debaixo do alqueire, e sim sobre o candelabro, a fim de que os que entram vejam a luz. A lâmpada do corpo é o teu olho. Se teu olho estiver são, todo o teu corpo ficará também iluminado.” (Lucas, 11: 33 a 35)

"Ora, eu vos digo, conduzi-vos pelo Espírito e não satisfareis os desejos da carne, pois a carne tem aspirações contrárias ao espírito e o espírito contrárias à carne. Eles se opõem reciprocamente, de sorte que não fazeis o que quereis." (Paulo, Gálatas, 5: 16 a 26). "Nenhuma carne é igual às outras, uma é carne dos homens, outra a carne dos quadrúpedes, outra a dos pássaros, outra a dos peixes. Há corpos celestes e corpos terrestres. São, porém, diversos o brilho dos celestes e o brilho dos terrestres. Um é o brilho do sol, outro o brilho da lua, e outro o brilho das estrelas. E até de estrela para estrela há diferenças de brilho. O mesmo se dá com a ressurreição dos mortos; semeado corruptível, o corpo ressuscita incorruptível; semeado desprezível, ressuscita reluzente de glória; semeado na fraqueza, ressuscita cheio de força; semeado corpo psíquico ressuscita corpo espiritual." (Paulo, Coríntios: 15:39 a 44)

Paulo A. Godoy em sua obra, "Os Quatro Sermões de Jesus", cita os seus ensinamentos: "Os vossos olhos são a candeia de vosso corpo. Se os vossos olhos forem bons, todo o vosso corpo será luminoso, entretanto, se eles forem maus, todo o vosso corpo será treva, e quão grandes serão essas trevas." Essas afirmações, disse Jesus, refletem o que vai dentro de nossas almas. Com base nesse ensinamento devemos usar os nossos olhos no sentido do bem, de forma que as nossas almas sejam beneficiadas. Em outra ocasião disse o Mestre: Se teu olho direito te escandalizar, arranca-o e tira-o para longe de ti, pois, te é melhor que se perca um dos teus membros do que seja todo o seu corpo lançado no abismo.

"Caminhai enquanto tendes a luz, para que as trevas não vos apreenda: quem caminha nas trevas não sabe para onde vai!." Jesus. (João, 12:35)

"O homem de meditação encontrará pensamentos divinos, analisando o passado e o futuro. Ver-se-á colocado entre duas eternidades - a dos dias que se foram e a que lhe acena do porvir. Examinando os tesouros do presente, descobrirá suas oportunidades preciosas. No futuro, antevê a bendita luz da imortalidade, enquanto que no pretérito se localizam as trevas da ignorância, dos erros praticados, das experiências mal vividas".

A vida humana, pois, apesar de transitória, é a chama que vos coloca em contacto com o serviço de que necessitais para a ascensão justa. Nesse abençoado ensejo, é possível resgatar, corrigir, aprender, ganhar, conquistar, reunir, reconciliar e enriquecer-se no Senhor. Refleti na observação do Mestre e apreender-lhe-eis o luminoso sentido. Andai enquanto tendes luz, disse Ele. Quem vive, segundo as leis sublimes do espírito, respira em esfera diferente do próprio campo material em que ainda pousa os pés. Avançada compreensão assinala-lhe a posição íntima. (...) Nas dificuldades e aflições da estrada, recolhe recursos à própria iluminação e engrandecimento. Ampara sem inclinações doentias. Serve sem escravizar-se. Permanece atento para com as obrigações da sementeira, todavia, não se inquieta pela colheita, porque sabe que o campo e a planta, o sol e a chuva, a água e o vento pertencem ao Eterno Doador.

Bem-aventurado o homem que segue vida a fora em espírito! Para ele, a morte aflitiva não é mais que alvorada de novo dia, sublime transformação e alegre despertar! (Espírito Emmanuel - "Pão Nosso", lições 6 e 82)

Emmanuel, descrevendo o corpo humano, o chama de Santuário Divino e diz: Raros estudiosos, no entanto, se recordam dos prodígios do corpo humano, realização paciente da Sabedoria Divina, nos milênios, templo da alma, em temporário aprendizado na Terra. Por mais se nos agigante a inteligência, até agora não conseguimos explicar, em toda a sua harmoniosa complexidade, o milagre do cérebro, com o coeficiente de bilhões de células; o aparelho elétrico do sistema nervoso; a câmara ocular onde as imagens viajam, da retina para os recônditos do cérebro, em cuja intimidade se incorporam às telas da memória, como patrimônio inalienável do espírito; o parque da audição com seus complicados recursos; o centro da fala; e outros sistemas que integram o corpo humano, o mais sublime dos santuários e uma das supermaravilhas da Obra Divina. Dia surge, porém no qual o homem reconhece a grandeza do templo vivo em que se demora no mundo e suplica o retomo a ele, como trabalhador faminto de renovação, que necessita de adequado instrumento à conquista do abençoado salário do progresso moral para a suspirada ascensão às Esferas Divinas. As energias mentais dos habitantes da Terra tecem o envoltório que os retém à superfície do Globo. Raros são aqueles cuja mente vara o teto sombrio com os raios de luz dos sentimentos sublimados que lhes fulguram no templo íntimo. O pensamento é o gerador dos infracorpúsculos ou das linhas de força do mundo subatômico, criador de correntes de bem ou de mal, grandeza ou decadência, vida ou morte, segundo a vontade que o exterioriza e dirige. (Emmanuel/F.C. Xavier - Roteiro, Lições 3 e 30).

 

 

Bibliografia:

 

Bíblia de Jerusalém: Lucas (11:33 a 35)

Bíblia de Jerusalém: Paulo (I Coríntios 15:39 a 44)

Bíblia de Jerusalém: Paulo (Gálatas 5:16 a 26)

Bíblia de Jerusalém: João (12:35)

GODOY, Paulo Alves. Os quatro Sermões de Jesus: Lição, A Candeia do

Corpo

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito Emmanuel). Roteiro: Lições 3 e 30

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito Emmanuel). Pão Nosso: Lições 6 e 82

PUGLIA, Silvia C. S. C. - CDM

 

Questões para reflexão:

 

1) Explique a formação da aura segundo André Luiz.

 

2) Explique a interferência do pensamento na exteriorização da aura.

 

3) Comente os ensinamentos de Paulo quando ele diz que nenhuma carne é igual à outra.

 

4) Analise o significado da afirmação de Emmanuel: "Bem-aventurado o homem que segue a vida fora em espírito!"

 

 

18ª AULA

 

PARTE A

 

MANIFESTAÇÕES VISUAIS

 

 

"De todas as manifestações espíritas, as mais interessantes são, sem contradita, aquelas pelas quais os Espíritos podem se tornar visíveis. Ver-se-á, pela explicação deste fenômeno, que ele não é mais sobrenatural do que os outros" (L.M., Cap. VI, item 100).

O estudo das manifestações visuais examina as razões pelas quais os Espíritos se tornam visíveis. Segundo Allan Kardec "toda pessoa que sente a influência dos Espíritos em qualquer grau de intensidade é médium" (...), pois, a mediunidade é inerente ao ser humano (L.M., Cap. XIV, item 159).

Médiuns Audientes são aqueles que ouvem os Espíritos e podem conversar com eles. Às vezes é uma voz interna, que se faz ouvir intimamente; pode ser externa como se fosse uma pessoa encarnada ao nosso lado.

O médium auditivo capta as ondas sonoras que provêm dos Espíritos por meio de rumores, palavras ou conversas inteiras vindas do mundo espiritual.

"O hábito de comunicar-se com os Espíritos faz com que o médium audiente reconheça e identifique o Espírito comunicante pelo timbre vocal. Quem não possui esta faculdade, ainda assim pode comunicar-se com um Espírito conhecido, um ente querido, uma pessoa amiga ou alguém de notoriedade pública, através de um médium audiente, que fará às vezes de intérprete." (L.M., Capo XIV, item 165).

O médium auditivo tanto pode captar ondas sonoras, provindas de Espíritos desencarnados que deliberadamente os transmitem, como quaisquer rumores, vozes, palavras e até mesmo conversações inteiras, provindas do mundo etéreo, mesmo quando não sejam emitidas, deliberadamente, para seu conhecimento. Os Espíritos podem produzir sons vocais imitando a voz humana; esse fenômeno é designado pelo nome de pneumatofonia. Esses sons manifestam-se de duas maneiras bem distintas: "é, às vezes, uma voz interna que ressoa em nosso foro íntimo, e, embora as palavras sejam claras e distintas, nada tem de material; de outras vezes, as palavras são exteriores e tão distintamente articuladas como se proviessem de uma pessoa ao nosso lado.

“Esse fenômeno da pneumatofonia é quase sempre espontâneo e só muito raramente pode ser provocado” (L.M., Cap. XII, item 151).

Os Médiuns Videntes são dotados da faculdade de ver os Espíritos. Comumente é uma faculdade que resulta de uma crise súbita e passageira. É raro que ela seja permanente.

Há médiuns que possuem tal faculdade em estado normal (vigília) e guardam a lembrança precisa do que viram.

Existem outros que a vidência se apresenta em estado sonambúlico ou aproximado do sonambulismo. Na vidência é a alma que vê os Espíritos; os médiuns podem vê-los com os olhos abertos e/ou fechados.

Um cego pode ver os Espíritos da mesma forma que aqueles que têm visão normal, pela mesma razão (L.M., Cap. XIV, item 167).

Alguns fatores interferem nas aparições no estado de vigília; é necessário que exista a combinação dos fluidos do Espírito com os fluidos do médium que tenha condição para vê-lo. Deve haver afinidade espiritual e uma finalidade útil para se apresentarem.

Os médiuns não devem provocar a aparição dos Espíritos, pois corre o risco de excitar a imaginação e se perturbar espiritualmente.

Os bons Espíritos se apresentam para orientar, consolar, ajudar o médium.

Os Espíritos inferiores assustam, amedrontam e muitos se vingam do médium.

É importante o esforço pessoal para a renovação interior a fim de vencer as más tendências e poder se elevar espiritualmente para sintonizar com os bons Espíritos.

 

Bibliografia:

 

Kardec, Allan. Livro dos Médiuns: Capítulos: VI e XIV

 

PARTE B

 

ENTRE AS FORÇAS COMUNS

 

O Espírito foi criado para viver em comunhão com os semelhantes que é a unidade de um todo em processo de aperfeiçoamento e que não pode fugir, sem dano, à cooperação, mas, à maneira da árvore no reino vegetal, precisa crescer e auxiliar com eficiência para garantir estabilidade do campo e fazer-se respeitável (Roteiro, Lição 33).

"Indiscutivelmente a mediunidade, no aspecto em que a conhecemos na Terra, é a resultante de extrema sensibilidade magnética, embora, no fundo, estejamos informados de que os dons mediúnicos, graus diversos são recursos inerentes a todos" (Emmanuel e F.C. Xavier - Roteiro, Lição 35).

O intercâmbio entre o mundo fisico e o mundo espiritual se dá pelo pensamento.

Na prática da mediunidade, o pensamento invisível do homem associa-se ao pensamento invisível das entidades espirituais que o assistem, estabelecendo uma série infinda de combinações em beneficio trabalho de todos, no roteiro da evolução. Os bons pensamentos do encarnado se associam aos bons pensamentos do desencarnado, quando aceita as oportunidades de trabalho para o bem.

É fundamental aos médiuns a renovação interior, um trabalho de evangelização que ajuda na sublimação dos pensamentos e sentimentos, para sintoma e convivência com os Bons Espíritos.

Quando os pensamentos são viciados e voltados à negatividade é preciso educá-los por meio de boas leituras, conversas edificantes, estudo e reflexão dos ensinamentos do Evangelho. Assim, com força de vontade, firmeza e amor o médium consegue modificar sua forma de pensar.

''Ninguém se esqueça de que estamos assimilando incessantemente as energias mentais daqueles com quem nos colocamos em relação. (Emmanuel e F.C. Xavier - "Roteiro", Lição 35).

A mente é manancial vivo de energias criadoras. O pensamento é substância, coisa mensurável. Encarnados e desencarnados povoam o Planeta, na condição de habitantes dum imenso palácio de vários andares, em posições diversas, produzindo pensamentos múltiplos que se combinam, que se repelem ou que se neutralizam ("Roteiro").

Um bom exemplo de mediunidade com Jesus, encontramos em Maria de Nazaré, pura de coração, sintonizava-se com a espiritualidade superior.

Através da mediunidade recebeu o aviso de Gabriel- Um Espírito Superior, de que seria mãe do Messias.

O Benfeitor Espiritual Emmanuel no livro "Roteiro", afirma o seguinte: "Os pensamentos honestos e nobres, sadios e generosos, belos e úteis, fraternos e amigos, são a garantia do auxílio positivo aos outros e a nós mesmos".

 

 

Bibliografia:

 

Bíblia de Jerusalém - Antigo Testamento, Êxodo: Cap.3: 1-22,

Novo Testamento: Lucas Cap. 1: 26 a 28; Atos dos Apóstolos, Cap. 16:9

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito Emmanuel). Roteiro: Lição 35.

PUGLIA, Silvia – C.S.C. e C. D. M.

 

 

Questões para reflexão:

 

1) Descreva sucintamente sobre os médiuns Audientes.

 

2) Explique porque os Espíritos se tornam visíveis.

 

3) Faça um breve relato sobre a anunciação do Espírito Gabriel, a Maria de Nazaré.

 

4) Analise a frase: “a mente é manancial de energias criadoras”.

 

19ª AULA

 

PARTE A

 

SONAMBULISMO

 

Visão Científica - Visão Espírita

Participação do Perispírito no Sonambulismo

Sonambulismo e Mediunidade

 

Visão Científica

Sonambulismo [do latim somnus = sono e ambulare = marchar, passear]

Sonâmbulo [do francês somnambule] - Pessoa em estado de sonambulismo, podendo levantar-se, andar e falar durante o sono.

O sonambulismo, conhecido também como noctambulismo, segundo a Medicina, é um transtorno classificado como uma parassonia do sono: manifestação noturna em forma de movimentos anormais durante o sono, resultando em interrupções do mesmo. São exemplos de parassonia o despertar confusional, o terror noturno, o sonambulismo, os pesadelos, os distúrbios alimentares noturnos, entre outros.

O conhecimento sobre parassonias expandiu-se muito nos últimos anos. Foram identificados novos transtornos, registrando-se a ocorrência de transtornos conhecidos mais freqüentemente numa faixa etária mais larga e com conseqüências mais sérias do que previamente se pensava. As parassonias podem causar traumatismos relacionados ao sono e promover sofrimento psicológico pela perda repetida do autocontrole durante o sono.

O diagnóstico das parassonias é realizado através do uso de entrevista clínica, (as informações do paciente podem esclarecer o diagnóstico e levar ao tratamento apropriado) e da polissonografia, ou seja, monitorização fisiológica do sono. Em adultos, as parassonias costumam ser mal diagnosticadas e tratadas inadequadamente como distúrbios psiquiátricos.

O sonambulismo ocorre durante os estágios do sono denominados 3 ou 4, chamados sono de ondas lentas. O sono tem cinco estágios durante os quais as ondas cerebrais diminuem de intensidade até atingir um profundo estado de relaxamento. A baixa atividade se mantém no hipotálamo, ligado à consciência, e no córtex cerebral, que controla os movimentos do corpo. No caso dos sonâmbulos, essas ondas, vindas de uma área do cérebro chamada ponte, são irregulares. Por isso não cumprem a contento a função de inibir a região motora. Como as áreas motoras permanecem ativas, o sonâmbulo levanta da cama e pode andar, urinar, comer, realizar tarefas comuns e mesmo sair de casa, enquanto permanece inconsciente e sem possibilidade de comunicação, pois a área relacionada à consciência, no hipotálamo, se mantém quase inativa. E isso explica porque quem sofre desse distúrbio não percebe o que faz e nem se lembra de nada no dia seguinte.

Os episódios de sonambulismo geralmente emergem 15 minutos a duas horas depois do início do sono, embora possam ocorrer em qualquer momento durante o sono. A duração dos episódios poderá variar amplamente.

Algumas características são comuns entre os sonâmbulos, tais como: manter os olhos abertos durante o sono: falar durante o sono, de maneira incompreensível e sem propósito; ter uma expressão facial indiferente; sentar-se e parecer despertar durante o sono; caminhar ou realizar outras atividades detalhadas durante o sono, de qualquer tipo, sem lembrança do evento ao despertar, além de certa confusão e desorientação ao despertar.

Ocorre sonambulismo sem traumatismos com igual freqüência em ambos os sexos, mas o sonambulismo com traumatismos é mais predominante no sexo masculino. Já foram relatados casos de sonambulismo homicida, quando o sonâmbulo apresentou comportamento agressivo com manejo de armas (facas, revólveres); outras vezes há a perda do senso crítico (sair pela janela do quarto, andar sem destino por grandes distâncias) que podem resultar em trauma inadvertido ou morte para si ou outros.

É mais comum a ocorrência do sonambulismo em crianças e adolescentes.

Habitualmente, são episódios isolados. Dentre as crianças entre 5 e 12 anos de idade, estima-se que 15 a 40% tenham apresentado algum episódio de sonambulismo, pelo menos uma vez na vida. A maior parte das crianças sonâmbulas deixa de apresentar este comportamento a partir da adolescência. Em crianças, a causa habitualmente é desconhecida, mas o sonambulismo também pode estar relacionado com a fadiga, privação de sono ou ansiedade.

Dentre os adultos, as pesquisas estimam que 0,5 a 2,5% apresentaram ou apresentam episódios de sonambulismo, que pode estar associado habitualmente a distúrbios neurológicos, psiquiátricos, estresse, apnéia do sono obstrutiva, movimentos periódicos das extremidades, crises noturnas, doença febril e uso ou abuso de álcool.

Outros fatores de risco incluem privação do sono, gravidez, menstruação e medicamentos específicos, incluindo psicotrópicos (carbonato de lítio e agentes com efeitos anticolinérgicos). Em idosos, o sonambulismo pode ser sintoma de uma síndrome cerebral orgânica.

A causa do sonambulismo é desconhecida da Ciência e não há tratamento que gere cura eficaz até o momento. Muitos pesquisadores atribuem como uma das causas o nervosismo ou o medo, mas ainda não há nada comprovado neste sentido.

Há algumas orientações preventivas, caso haja predisposição ao sonambulismo, como evitar o consumo de álcool ou agentes depressores do SNC (Sistema Nervoso Central); evitar a fadiga, a insônia, o estresse e a ansiedade, que podem agravar o distúrbio.

Habitualmente não é necessário nenhum tratamento específico para o sonambulismo. Podem ser necessárias medidas de segurança, impedir a ocorrência de lesões, como: a modificação do ambiente, mudando objetos como fios elétricos ou móveis para reduzir tropeções e quedas. Pode ser necessário bloquear as escadas com um portão. Em alguns casos, os tranqüilizantes de curta duração têm sido úteis para reduzir a incidência do sonambulismo. Se este for acompanhado por outros sintomas, for freqüente ou persistente e/ou incluir atividades potencialmente perigosas, o sonâmbulo deve ser submetido à avaliação médica mais rigorosa.

Se o sonambulismo for frequente ou persistente, pode ser apropriado um exame para excluir outros distúrbios, como convulsões. Também pode ser apropriado submeter-se a uma avaliação psicológica, para determinar causas como ansiedade excessiva ou estresse, ou a uma avaliação clínica, para excluir outras causas.

 

Visão Espírita do Sonambulismo

A Doutrina Espírita considera o sonambulismo como um fenômeno de emancipação da alma, tal como o êxtase, a dupla vista, os sonhos, etc. Estes fenômenos são naturais, sempre existiram e comprovam a existência da alma, pois esta se manifesta independentemente da atividade corpórea.

O corpo pode viver, enquanto está ausente o Espírito, pois a vida orgânica, que independe do Espírito, embora permaneça ligado este pelo cordão fluídico. Não é necessário o sono completo emancipação do Espírito, quando os sentidos entram em torpor o Espírito recobra a sua liberdade. Os órgãos materiais, achando-se certa forma em estado de catalepsia, deixam de receber as impressões - exteriores e com a prostração das forças vitais, o Espírito se desprende, tornando-se tanto mais livre, quanto mais fraco for o corpo. Para se emancipar, aproveita todos os instantes de inatividade que o corpo lhe concede. É um estado de emancipação da alma mais completo que o sonho, que pode ser considerado um sonambulismo imperfeito.

A manifestação ocorre, sobretudo durante o sono, quando o Espírito pode deixar provisoriamente o corpo, que se acha entregue ao repouso indispensável à matéria. Geralmente, o Espírito, preocupado com algo, se entrega a alguma ação que exige o uso do seu corpo, do qual se serve como se empregasse uma mesa ou qualquer outro objeto material

O sonambulismo pode ser espontâneo, produzindo-se naturalmente e sem influência de nenhum agente exterior ou artificial ou o que é provocado por emanação magnética, conhecido como sonambulismo magnético.

No sonambulismo há uma maior lucidez da alma, porém o esquecimento absoluto no momento do despertar é um dos sinais característicos do verdadeiro sonambulismo, visto que a independência da alma e do corpo é mais completa do que nos sonhos. O cérebro, em repouso como os demais orgãos, não registra a atividade da alma, daí a impossibilidade da recordação do que foi vivenciado em estado de emancipação da alma.

O desenvolvimento maior ou menor da clarividência sonambúlica depende da organização fisica e da natureza do Espírito encarnado.

Há disposições fisicas que permitem ao Espírito desprender-se mais ou menos facilmente da matéria. O sonâmbulo diz que vê de várias formas, porque, achando- se inteiramente preso à matéria, não compreende como pode ver sem o auxílio dos órgãos. Porém, está se referindo à visão da alma, que vê pelo todo, não necessitando de um canal específico para tal. O sonâmbulo consegue ver o que se passa no ambiente em que se encontra, bem como o que está ocorrendo em locais mais distantes, pois desdobra-se até estes locais, sente-se transportado ao lugar onde vê o que descreve. É a dupla vista ou segunda vista, é a visão da alma. Nos fenômenos sonambúlicos, em que a alma se transporta, o sonâmbulo experimenta no corpo as sensações do frio e do calor existentes no lugar onde se acha em espírito muitas vezes bem distante do seu invólucro material, descrevendo cenas ou pessoas daquele local. A alma, que permanece ligada ao corpo pelo cordão fluídico, desempenha o papel de condutor das sensações que vivencia,

O sonâmbulo, muitas vezes, demonstra possuir mais conhecimentos do que os que lhe supõe, falando com exatidão de coisas que ignora quando desperto, do que está acima de sua capacidade intelectual. Isto ocorre porque, entrando no estado de crise sonambúlica, ativa sua bagagem de conhecimentos das existências anteriores e que estão arquivadas em sua memória perispirítica, embora de modo incompleto. Passada a crise, a recordação se apaga.

 

Participação do Perispírito no Sonambulismo

A participação do perispírito no fenômeno sonambúlico concentra-se principalmente em algumas de suas propriedades, no caso em questão, a expansibilidade, que é o seu poder de irradiar-se ao redor e à distância do corpo fisico.

É a expansibilidade do perispírito que faculta o processo de emancipação da alma.

A expansibilidade é uma das principais propriedades do perispírito. O perispírito não está preso ao corpo. Embora seja indivisível, pode expandir-se. Em "Obras Póstumas", no capítulo sobre manifestações dos Espíritos, 1ª parte, item 11: "O Perispírito não está encerrado no limites do corpo como numa caixa. É expansível por sua natureza fluídica; irradia-se e forma, em torno do corpo, uma espécie de atmosfera que o pensamento e a força de vontade podem ampliar mais ou menos".

O perispírito é o órgão sensitivo do Espírito, por meio do qual este percebe aquilo que escapa aos sentidos corpóreos. O Espírito vê, ouve e sente, por todo o seu ser, tudo o que se encontra na esfera de irradiação do seu fluido perispirítico. O sonâmbulo vê, portanto, com os olhos da alma.

O fluido perispiritual é o agente de todos os fenômenos espíritas.

Todos os fenômenos só podem realizar-se graças à ação recíproca dos fluidos emitidos pelo médium e pelo Espírito. O desenvolvimento da faculdade mediúnica prende-se à natureza mais ou menos expansível do perispírito do médium e a sua maior ou menor facilidade de assimilação com os fluidos dos Espíritos.

A expansibilidade perispirítica, está na base dos principais processos mediúnicos. A ação fluídica do Espírito se transmite de perispírito a perispírito, e deste ao corpo material. O estado de sonambulismo facilita consideravelmente essa ação graças ao desprendimento do perispírito, que melhor se identifica com a natureza fluídica do Espírito. No estado de desprendimento em que se encontra, a alma do sonâmbulo entra em comunicação mais fácil com os Espíritos desencarnados, comunicação que se estabelece pelo contato fluídico que conduz a eletricidade e serve de transmissão ao pensamento, como um fio.

 

Sonambulismo e Mediunidade

O sonâmbulo é médium?

Há aqui uma importante distinção a ser feita, os fenômenos de emancipação da alma são anímicos e não mediúnicos. Porém, em alguns casos podem se tornar também mediúnicos.

No estado de desprendimento em que se coloca, o sonâmbulo pode entrar mais facilmente em comunicação com os Espíritos, pois o estado de emancipação da alma facilita essa comunicação. Assim, o sonâmbulo pode ser considerado médium sonâmbulo, quando durante seu sonambulismo, entrar em contato com os Espíritos, transmitindo as comunicações destes e não as suas opiniões e visões anímicas.

Faz-se necessário diferenciar quando ele está agindo por influência anímica: ver, ouvir e sentir fora dos limites dos sentidos, transmitir informações que esteja vendo à distância ou transmitir conhecimentos de sua bagagem espiritual ou quando está agindo como médium: intérprete de um outro ser, de uma inteligência estranha, transmitindo conhecimentos que não são dele próprio.

Por conta disso, o sonambulismo é considerado uma variedade faculdade mediúnica.

O Espírito que se comunica o pode fazer com um sonâmbulo; observa-se isto principalmente em prescrições médicas, quando o sonâmbulo transmite a mensagem com a receita para o tratamento enfermo, recebida de um Espírito. Muitas vezes, ao ser questionado sobre a patologia do doente não sabe responder, pois está fora de âmbito de seus conhecimentos, indicando que só transmitiu aquilo que o que o Espírito lhe ditou.

Os sonâmbulos também podem ver e ouvir perfeitamente os Espíritos e os descrever precisamente, como o fazem os médiuns videntes e audientes. Também podem transmitir mensagens por meio da psicofonia ou psicografia.

Kardec denomina os "médiuns de desdobramento" de "médiuns sonâmbulos".

Encontramos exemplos de médiuns sonâmbulos na obra “'Nos Domínios da Mediunidade”, do Espírito André Luiz, psicografada por Francisco Cândido Xavier, Capítulos 8 e 10 - "Psicofonia sonambúlica" e "Sonambulismo torturado".

Na mediunidade sonambúlica a sintonia também é muito importante para a prática da Mediunidade. Se o médium sonâmbulo não estabelecer sintonia com os bons espíritos, mediante a sua conduta cristã atrairá os Espíritos enganadores e levianos, perdendo a oportunidade de colaborar na Seara de Jesus, com o bom uso de sua faculdade mediúnica.

 

 

Bibliografia:

 

NAGEL, Ruddy Reite. Transtornos do Sono

REIMÃO, Rubens. Segredos do Sono: sono e qualidade de vida.

TUFIK, Sérgio. Medicina e Biologia do Sono.

MELLO, Marco Túlio de. Sono: Aspectos profissionais e suas interfaces na

Saúde.

KARDEC, Allan. Livro dos Espíritos: Livro 2, Cap. VIII, questões 425 a 455

KARDEC, Allan. Livro dos Médiuns: 2ª Parte, Caps. XIV n° 172, 172, 173 e

Cap. XXV, n 46

KARDEC, Allan. A Gênese: Cap. XIV, n 22 e 23

KARDEC, Allan. Obras Póstumas: Dos Médiuns, item 34

KARDEC, Allan. Revista Espírita: janeiro e novembro de 1858, julho de 1861, janeiro de 1863 e setembro e novembro de 1865

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito André Luiz). Nos Domínios da Mediunidade: capítulos 8 e 10; “Psicofonia sonambúlica” e “Sonambulismo torturado”.

Folha Espírita - março/ 2005: Artigo: "Sonambulismo: Independência do Espírito" - Entrevista com o Dr. José Roberto Pereira Santos (Secretário da AME-Brasil),

Revista Cristã de Espiritismo - edição 36 - artigo: "Sonambulismo"

ZIMMERMANN, Zalmiro. Perispírito

MOREIRA, Fernando. Fisiologia da Alma

PEREIRA, Yvonne do Amaral. Devassando o Invisível

PEREIRA, Yvonne do Amaral. Recordações da Mediunidade

 

 

PARTE B

 

ATIVIDADE ESPIRITUAL AQUI E ALÉM

 

O Espírito está sempre em atividade. Considerando a atividade espiritual como atividade do Espírito, esta ocorre durante o estado de vigília (desperto), como durante o repouso do corpo fisico (durante o sono).

Durante a vigília, a alma ou Espírito encarnado, realiza suas atividades em seu dia a dia, pautando-as de acordo com seus valores e crenças.

Todo aquele que se considera cristão deve orientar sua conduta no trabalho, na rua, no recinto doméstico, na comunidade, na prática das máximas morais de Jesus. Desenvolver pensamentos positivos voltar a atenção a prática do bem e reforma íntima, ou seja, substituir defeitos por virtudes. Mantendo esta conduta no cotidiano, teremos maior facilidade para entrar em sintonia com os bons espíritos.

Durante o repouso para refazimento do corpo fisico, a alma ou Espírito encarnado, pode se emancipar, ou seja, retomar as suas atividades em outros planos. Neste momento, o corpo está inativo e não necessita de sua parceria, embora permaneçam ligados pelo cordão fluídico. Desta forma, pode entrar em contato com outros Espíritos. O sonho será a recordação de uma parte dessa atividade, a qual o Espírito desenvolverá durante sua emancipação através do sono.

O Espírito será atraído para regiões e companhias harmonizadas e sintonizadas com ele, através das suas ações, pensamentos, desejos, intenções. Os iguais se atraem, daí a importância da conduta diária voltada para a moral cristã, enquanto em estado de vigília.

O libertino buscará o erotismo, o avarento tratará astutamente de negócios lucrativos, o cônjuge costumeiramente queixoso encontrará quem incentive ainda mais seus reclamos, bem como amigos se encontrarão para conversas, inimigos continuarão suas disputas, aprendizes farão cursos, comparsas planejarão crime. Assim, durante o sono, tanto podem se realizar encontros com espíritos bons e amigos ou com desafetos ou parceiros para planejar atos menos dignos.

Quem planta espinhos não colherá rosas, aquele que não sabe viver em paz com seus semelhantes, que semeia a discórdia, a inveja, a maledicência, a ociosidade e tantos outros comportamentos desequilibrados, vai atrair Espíritos afins. Desta forma, durante o sono podem se estabelecer relações maléficas, que culminam em obsessões, vampirismos, perseguições, simbioses e tantos outros desequilíbrios.

O Espírito André Luiz, na obra "Missionários da Luz", cita o exemplo de uma escola no plano espiritual onde se encontravam matriculados em torno de 300 alunos encarnados. No momento do repouso fisico, muitos se desviavam do curso devido às paixões terrenas, buscando outros interesses, comparecendo assiduamente às aulas apenas em torno de 10% dos 300 alunos matriculados.

A oportunidade de retomo diário à vida espiritual, durante o sono, é uma benção de Deus e não deve ser desperdiçada ou mal utilizada.

O homem deve preparar-se para o sono, a fim de não ter pesadelos: realizar leituras edificantes, conversas salutares, meditação, oração, manter bons pensamentos, fazer refeições leves, mas o mais importante será sempre a conduta moral evangelizada.

O Espírito André Luiz apresenta orientações preciosas em sua obra "Os Mensageiros", advertindo que o homem precisa aprender a "dormir para o bem”: viver de forma cristã durante o dia, para durante o sono atrair os bons espíritos e junto a eles aproveitar sua estadia no plano espiritual para sua evolução. Estes podem levá-lo a participar de atividades produtivas na esfera espiritual: estudar, trabalhar em favor do próximo, receber tratamento e/ou orientações para ajudar a sanar problemas do cotidiano, encontros com entes queridos desencarnados, entre outros. Reuniões maravilhosas ocorrem na Pátria Espiritual com objetivos elevados, para instrução e trabalho em favor do próximo, a fim de dar seguimento ao lema do Espiritismo: "Fora da caridade não há salvação!"

 

Bibliografia:

 

PERALVA, Martins. Pensamento de Emmanuel: Capítulos 21 e 22

PERALVA, Martins. Mediunidade e Evolução: Cap. 34

KARDEC, Allan. Livro dos Espíritos: Livro 2, cap. VIII, questão 401, 403, 407, 410, 412, 413 a 418.

XAVIER, F. Cândido (espírito Andre Luiz). Os Mensageiros: cap. 38

XAVIER, F. Cândido (espírito Andre Luiz). Os Missionários da Luz: cap. 08

 

Questões para reflexão

1) Descreva as características mais comuns entre os sonâmbulos

2) Faça um breve relato da visão espírita sobre sonambulismo, bem como a participação do perispírito no seu desenvolvimento.

3) Descreva algumas atividades da alma (Espírito encarnado) durante o estado de emancipação.

4) Explique o que é necessário ao homem para evitar pesadelos.

 

 

20ª AULA

PARTE A

 

LABORATÓRIO DO MUNDO INVISIVEL

 

Como os Espíritos atuam sobre os fluidos espirituais?

Os fluidos mais conhecidos são:

Fluido Cósmico ou Fluido Cósmico Universal: que se constitui da matéria elementar primitiva da qual derivam os vários corpos da natureza.

Fluido Vital: que tem por função vitalizar e energizar os corpos físicos.

Os Espíritos atuam sobre os fluidos espirituais empregando o pensamento e a vontade, diferente dos homens que ao manipular os gases utilizam meios materiais.

Para os Espíritos o pensamento e a vontade são o que as mãos são para os encarnados. Pelo pensamento eles imprimem a determinados fluidos a direção que desejam; os aglomeram, combinam ou dispersam; organizam com eles conjuntos que têm uma aparência, uma forma e uma coloração determinada.

 

Vestuário dos Espíritos

As pessoas dotadas de visão psíquica (vidência) descrevem sempre os Espíritos vestidos com túnicas, com roupas de outras épocas ou como sempre estiveram.

Um Espírito pode se fazer visível a um encarnado sob a aparência que tinha quando vivo, na época em que essa pessoa o conheceu, mesmo que o Espírito tenha encarnado outras vezes depois disso. Pode apresentar-se com o vestuário e até sinais exteriores, tais como, deformidades, cicatrizes, membros amputados, que tinha nessa mesma época. Isso não quer dizer que tenha conservado essa aparência no espaço, apenas utilizou-se desse recurso para se fazer reconhecer.

Quando um Espírito quer utilizar a aparência que tinha em determinada encarnação, retrocede o pensamento a essa existência e seu perispírito retoma então, instantaneamente, o aspecto que apresentava na época.

Essa aparência deixa de existir assim que o seu pensamento pare de agir nesse sentido.

E quanto à formação de objetos? Como é que bengalas, cachimbos, lanternas, livros e armas, entre outras coisas, são observados com os Espíritos?

Os Espíritos são vistos algumas vezes (vidência) com os objetos que ainda permanecem aqui na Terra. Tomemos como exemplo um Espírito que se apresenta usando um anel e que este mesmo anel está sendo usado hoje por um descendente seu que está encarnado. Se o anel está aqui na Terra, de onde o Espírito tirou aquele que está usando no plano espiritual?

Para os Espíritos que possuem poder sobre os elementos materiais (fluidos) que se encontram no espaço e que nós nem podemos imaginar, sabem como utilizá-los em criações fluídicas.

Eles tiram do fluido cósmico, que é matéria, os elementos necessários para formar objetos que terão a aparência que quiserem (materialização).

Citamos como exemplo um militar que terá as suas armas e seu uniforme; um fumante o seu cigarro e assim por diante.

Em "Nosso Lar", o pai de André Luiz, no umbral, tomava conta de uma porção de barro, acreditando tratar-se de um tesouro.

A matéria elementar (o fluido cósmico) dá origem aos corpos da natureza e suas transformações. Essas transformações (da matéria elementar) conferem às mesmas certas propriedades especiais, diferenciadas.

Por exemplo, se pegarmos dois átomos de hidrogênio (H) e um átomo de oxigênio (O) formamos uma molécula de água. Todavia, se juntarmos à esses átomos mais um de oxigênio (O), obteremos um líquido corrosivo, ou seja, "água oxigenada" (transformação).

Os Espíritos possuem essa capacidade que é inerente a eles e muitos a utilizam sem dar-se conta do que eles fazem.

Os objetos criados pelos Espíritos têm existência temporária e estão submetidos à sua vontade ou necessidade; podem fazê-los ou desfazê-los livremente.

Existe formação e não criação. Os Espíritos formam e transformam, porém, quem cria é somente Deus.

Algumas vezes esses objetos podem, além de visíveis ser também tangíveis, com o aspecto real (materializações).

 

Materialização

O fator moral está sempre presente em qualquer realização espírita, inclusive nas de efeitos fisicos, onde os Espíritos concordam em materializar- se desde que o motivo seja elevado.

Sendo um trabalho altamente responsável, pois exige muito tanto do médium, como também dos presentes. São raros os encarnados que possuem condições espirituais que esses trabalhos exigem, impondo grande preparação nas sessões de materialização.

Os superiores espirituais tomam inicialmente três providências:

Isolamento do local através de fronteiras vibratórias.

O isolamento do local se faz por meio de extenso cordão de obreiros esclarecidos a fim de evitar o acesso de entidades inferiores, que perturbariam os trabalhos, afetariam a saúde dos médiuns e a pureza do ectoplasma.

Ionização da atmosfera

A ionização (formação de íons) é uma espécie de eletrificação do ambiente, facilitando a manipulação de efeitos elétricos e magnéticos, tais como: focos de luz, lampejos, etc. Eletrizar é carregar de eletricidade.

Ionização do ambiente

A destruição de bactérias se dá através de aparelhos elétricos invisíveis (espirituais) para que o ectoplasma não seja contaminado.

Sendo assim, é fácil entender porque só por motivos elevados os Espíritos se materializam:

Atender aos sofredores encarnados nos serviços de cura;

Facilitar investigações científicas em beneficio da humanidade, previamente planejadas no Plano Superior.

Com tanto preparo espiritual é natural que os encarnados também se preparem. Nessa preparação são ajudados por trabalhadores desencarnados, principalmente o médium de efeitos fisicos que é preparado fisica e psicologicamente, adequando-o ao trabalho.

Devolução do Ectoplasma.

Como o médium fornece ectoplasma do seu próprio corpo, é importante preservar a pureza da doação.

Os componentes de um grupo de materialização devem tomar precauções necessárias para o bom andamento dos trabalhos e para tanto devem abster-se do consumo de álcool, fumo, alimentação pesada e pensamentos inadequados, os que não correspondem devem ser isolados.

Elementos essenciais

Nos fenômenos de materialização, os Espíritos precisam contar com três elementos essenciais para que possam ter êxito no trabalho.

O Assistente Aulus ("Nos Domínios da Mediunidade") classifica os fluidos:

Fluidos mais puros representando as forças superiores e sutis de nossa esfera.

Fluidos do médium e demais presentes;

Recursos e energias tomadas à Natureza terrestre, nas águas, nas plantas, etc. são fluidos dóceis e facilitam a execução do trabalho.

De modo geral, no processo de materialização, enquanto o médium, é assistido pelo plano espiritual permanece em recinto separado (cabine) o Espírito materializado anda, conversa, distribui gentilezas e faz curativos entre os encarnados.

Há manifestações que chamaríamos de sublimes que podem dispensar o concurso ostensivo de um médium, isto é, o médium em transe.

Essas manifestações podem ocorrer em qualquer lugar fora das reuniões espíritas.

Embora o ectoplasma não apareça aos olhos daqueles que presenciam essas manifestações, ele existe e se associa aos dois outros elementos: a energia dos planos superiores e os recursos tomados da Natureza. Alguém está fornecendo de forma sutil e que transcende a nossa capacidade de percepção.

 

Ectoplasma

Todas as pessoas da Terra possuem essa energia?

No livro ''Nos Domínios da Mediunidade", encontramos:

“O ectoplasma se situa entre o corpo e o perispírito. É recurso peculiar não só ao homem, mas a todas as formas da Natureza. Em certas pessoas existem em maiores proporções e possibilidade de exteriorização. É um elemento amorfo (que não apresenta organização interna), ou seja, é de aparência tal que uma pasta flexível, como uma geléia viscosa e semilíquida. Porém, apresenta grande potência e vitalidade; está subordinada ao pensamento e vontade do médium; infinitamente plástico dá forma às entidades que se fazem visíveis e a todos os elementos necessários à levitação ou formação de imagens criadas pelos presentes”.

Portanto, nas materializações se exige muito cuidado para não sofrer o domínio de inteligências sombrias.

 

Bibliografia:

 

KARDEC, Allan. Livro dos Médiuns: Cap. VIII

KARDEC, Allan. A Gênese: Cap. XIV, item 14

PERALVA, Martins. Estudando a Mediunidade: Cap. XLII, XLIII (Materialização)

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Nos Domínios da Mediunidade: Cap. XXVIII

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Missionários da Luz: Cap. X

 

 

PARTE B

 

ESPIRITISMO E VOCÊ

 

Ultrapassada está a fase inicial da divulgação do Espiritismo, quando se associavam à doutrina crendices populares ou a idéia de seita milagreira.

Hoje é possível visualizá-la, amplamente, nos seus três aspectos: como ciência, quando pesquisa os chamados fenômenos paranormais com métodos próprios; como filosofia, quando interpreta a natureza dos fenômenos e reformula a concepção do mundo e de toda a realidade segundo as novas descobertas científicas; como religião, em decorrência das conclusões filosóficas, baseadas na sobrevivência após a morte e nas ligações com o Cristianismo, desvinculada de aparatos formais, cultos e dogmas de fé.

No entanto, é preciso considerar que o Espiritismo se tornará uma crença comum e marcará uma nova era na história da humanidade, porque é inerente à Natureza e chegou o tempo em que deve tomar lugar nos conhecimentos humanos.

Kardec esclarece que as idéias só se transformam com o tempo e não subitamente; elas se enfraquecem de geração em geração e acabam por desaparecer com os que as professavam e que são substituídos por outros indivíduos imbuídos de novos princípios.

Ao se deparar com a atitude preconceituosa diante de fenômenos espíritas, constata-se a reverência aos poderes misteriosos da Natureza, levando-os a toda espécie de superstições e crendices presas ao aspecto mágico, ao sobrenatural, diante de fenômenos que ainda não compreendem.

Com o Espiritismo, a humanidade deve entrar numa fase nova, a do progresso moral, que lhe é consequência inevitável, promovendo o desenvolvimento de idéias reformadoras, em etapas naturais caracterizadas por três períodos distintos. O primeiro é o da curiosidade provocada pela estranheza dos fenômenos; o segundo é o do raciocínio e da filosofia; o terceiro, o da aplicação e das consequências.

É oportuno transcrever as palavras conclusivas de Pedro: "Por isto mesmo, aplicai toda a diligência, acrescentai à vossa fé a virtude, à virtude o conhecimento..." (Segunda Epístola de Pedro, cap. l, versículo 5), e, de Emmanuel: "Conseguir a fé é alcançar a possibilidade de não mais dizer: eu creio, mas afirmar: eu sei, com todos os valores da razão tocados pela luz do sentimento" (O Consolador, questão 354).

 

 

Bibliografia:

 

KARDEC, Allan - Livro dos Espíritos

A Bíblia de Jerusalém

PIRES, J. Herculano. Curso Dinâmico de Espiritismo.

XAVIER, F. Cândido (espírito Emmanuel). O Consolador.

 

 

Questões para reflexão

 

1) Faça um comentário referente ao vestuário dos Espíritos.

 

2) Descreva os cuidados dos Espíritos Superiores para o fenômeno da materialização.

 

3) Explique porque o Espiritismo marcará uma nova era.

 

4) Fale sobre superstições e crendices e suas conseqüências na evolução do Espírito.

 

 

21ª AULA

 

PARTE A

 

PSICOGRAFIA

PNEUMATOGRAFIA

PNEUMATOFONIA

 

 

Psicografia

Psicografia, do grego psuikê, borboleta, alma, e graphó, eu escrevo (Revista Espírita, 1859 agosto)

O primeiro meio empregado para produzir o fenômeno da psicografia, foi o das pranchetas e das cestas munidas de lápis, chamada de psicografia indireta. As cestas eram movidas pela vontade dos Espíritos comunicantes, enquanto o médium mantinha a mão na cesta, esta atuava sobre o lápis.

A psicografia direta ou manual é realizada pelo próprio médium.

Neste caso, o Espírito comunicante age sobre o médium e este, por sua vez, transmite a mensagem por meio da escrita, no papel.

São vários os meios de comunicação entre o mundo material e o mundo espiritual, e de todos os meios de comunicação, a escrita manual é o mais completo.

É por intermédio dela que os Espíritos revelam melhor a sua natureza e o grau de sua evolução. Sendo um meio de comunicação permanente, pois demonstra uma potência oculta no fenômeno mediúnico.

É graças à psicografia, que possuímos todo um acervo literário a nosso dispor, de grande valor moral para os nossos estudos.

Além disso, para o médium, essa faculdade é a mais suscetível de se desenvolver pelo exercício.

Em "Missionários da Luz", no capítulo I, podemos aprender com o Espírito André Luiz que, durante uma reunião mediúnica, o médium é preparado, pelos auxiliares espirituais, para a tarefa da psicografia, para que não se lhe perturbe a saúde física. A transmissão da mensagem não será simplesmente 'tomar a mão’. Há processos intrincados complexos. Todo centro glandular é uma potência elétrica transformando-se em núcleos luminosos; os condutores medulares formam extenso pavio, sustentando a luz mental, como chama generosa de uma vela de enormes proporções. O cerebelo mostra fulgurações; as células corticais e as fibras nervosas constituem-se em elementos delicadíssimos de condução de energias imponderáveis; a epífise desempenha o papel mais importante, emitindo raios azulados e intensos e é nela, que reside o sentido novo dos homens.

Ainda neste capítulo, aprendemos que o médium não pode improvisar o estado receptivo, há que ter uma preparação espiritual incessante.

As variedades de médiuns escreventes seguem uma relação extensa, conforme mostra Kardec, no capítulo XVI, itens 191 a 197, de "O Livro aos Médiuns".

No exercício do psicógrafo comum, pode ocorrer a mudança da caligrafia, segundo o Espírito que se comunica, podendo, inclusive reproduzir a letra que o Espírito comunicante tinha durante sua existência. Este caso, o da identidade da letra, é mais raro. São os chamados médiuns polígrafos.

Os médiuns escreventes ou psicógrafos são os que têm a faculdade de escrever por si mesmos, sob influência dos Espíritos, e podem ser mecânicos, intuitivos, semi-mecânicos, inspirados, ou de pressentimentos.

Graças a um impulso involuntário, os médiuns escreventes mecânicos recebem a comunicação, caracterizando-se pela inconsciência absoluta do que escrevem. "O primeiro indício da disposição para escrever é uma espécie de frêmito no braço e na mão. Pouco a pouco, a mão é arrastada por um impulso que não pode dominar. Quase sempre, de início, traça apenas sinais sem significação. Depois, os caracteres se tornam mais precisos, e, por fim, a escrita se processa com a rapidez da escrita normal. Mas é sempre necessário abandonar a mão ao seu movimento natural, não a embaraçando, nem a propelindo." (L.M., Cap. XVII, item 210).

Já os médiuns intuitivos têm consciência do que escrevem por impulso voluntário da própria mão, porém o pensamento escrito não é seu, mas do Espírito comunicante, que age sobre a alma do médium, com a qual se identifica. São os mais comuns. “O papel do médium mecânico é o de uma máquina; o médium intuitivo atua como o faria um intérprete” (L.M., Cap. XV, item 180). "Diferem dos médiuns inspirados no particular de que estes últimos não têm necessidade de escrever, ao passo que o médium intuitivo escreve o pensamento que lhe é sugerido instantaneamente sobre um assunto determinado e provocado" (L.M., Cap. XVI, item 191).

Os médiuns semi-mecânicos são aqueles cuja mão se move involuntariamente, mas têm, instantaneamente, consciência das palavras ou das frases, à medida que escrevem.

Os médiuns inspirados são os que no estado normal, de pensamento, recebem ideias estranhas às suas ideias preconcebidas. Isto ocorre sem o saberem, no seu estado normal, seja para as atividades ordinárias da vida ou para os grandes trabalhos intelectuais. "Toda a pessoa que recebe, seja no estado normal, seja no estado de êxtase, pelo pensamento, comunicações estranhas às suas ideias preconcebidas, pode ser incluído na categoria dos médiuns inspirados; como se vê, é uma variedade da mediunidade intuitiva, com a diferença de que a intervenção de uma potência oculta é ainda bem menos sensível, porque, nos inspirados, é ainda mais dificil distinguir o pensamento próprio do que é sugerido. O que caracteriza este último, sobretudo, é a espontaneidade" (L.M., Cap. XVI, item 190). É a mediunidade dos cientistas, poetas, etc.

Os médiuns de pressentimentos têm uma intuição vaga das coisas futuras.

 

Pneumatografia

Pneumatografia: Do grego, pneuma: ar; sopro; fluido; grafia: escrita; modo de escrever.

Pneumatografia ou escrita direta é a escrita produzida pelo Espírito, sem o auxílio do médium nem do lápis.

Kardec, em "O Livro dos Médiuns", Cap. XII - itens 146 a 149, nos explica que a escrita direta é obtida, como a maioria das manifestações espíritas não espontâneas, pelo recolhimento, a prece e a evocação. Podendo ser produzida nos lugares mais comuns, desde que se esteja nas condições morais exigidas e se disponha da necessária faculdade mediúnica.

A possibilidade de escrever sem intermediário é um dos atributos dos Espíritos e é produzida hoje, como o foi desde a Antiguidade. E é assim que se pode explicar a aparição das três palavras no festim de Baltazar, escrita na parede principal do palácio real: "Menê, Teqel Parsin". Estas palavras foram interpretadas por Daniel, a pedido do rei Baltazar.

Kardec, ainda, nos fala da importância do estudo, para não no limitarmos a ver os efeitos sem procurar as causas. E também estabelecer uma linha divisória entre a verdade e a superstição.

Para a produção desse fenômeno o Espírito não se serve de substâncias e instrumentos nossos. Ele mesmo os produz, tirando os seus materiais do elemento primitivo universal, que submetido a sua vontade, sofre as modificações necessárias para atingir o efeito desejado.

A pneumatografia foi utilizada na comprovação da existência do Espírito e na sua manifestação. Não tendo, nos dias de hoje maior extensão de sua utilidade. As manifestações através da psicografia encontram uma agilidade mais adequada à realidade atual.

Na Revista Espírita 1859 agosto encontramos a seguinte narração de Kardec: " Um dos nossos honoráveis colegas da Sociedade, o senhor Didier, obteve estes dias os resultados seguintes, que nós mesmos constatamos, e dos quais podemos garantir a perfeita autenticidade. Tendo ido, com a senhora Hüet, que há pouco teve êxito em ensaios desse gênero, na igreja de Notre-Dame dês Victoires, tomou uma folha de papel de carta trazendo o cabeçalho de sua casa de comércio, dobrou em quatro e a depositou sobre os degraus de um altar, pedindo em nome de Deus a um bom Espírito qualquer que quisesse escrever alguma coisa; ao cabo de dez minutos de recolhimento, encontrou, no interior e sobre uma das folhas a palavra fé, e sobre uma outra folha a palavra Deus. Tendo em seguida pedido ao Espírito consentir dizer por quem isso fora escrito, ele recolocou o papel, e depois de dez outros minutos, encontrou estas palavras: por Fénelon."

Na Revista Espírita 1860 maio, encontramos mais um caso interessante, narrado também por Kardec, de pneumatografia, onde a Sra. Huet recebeu uma mensagem em Inglês, sem ter conhecimento dessa língua

 

Pneumatofonia

Pneumatofonia: Do grego, pneuma: ar; sopro; fluido; fonia: som; voz.

A pneumatofonia ou voz direta é o fenômeno em que os Espíritos podem produzir gritos de toda espécie e sons vocais que imitam a voz humana, que podem, igualmente, parecer que estão ao nosso lado ou nos ares. São devidos a uma causa inteligente e não acidental.

Kardec fala, em "O Livro dos Médiuns", item 151, que "os sons espíritas ou pneumatofônicos manifestam-se por duas maneiras bem distintas: às vezes é uma voz interna que ressoa em nosso foro íntimo e, embora as palavras sejam claras e distintas, nada têm de material; outras vezes, as palavras são exteriores e tão distintamente articuladas como se proviessem de uma pessoa ao nosso lado".

De um modo, ou de outro, o fenômeno da pneumatofonia é quase sempre espontâneo e só muito raramente pode ser provocado. Diante da natureza dos Espíritos, podemos supor que, dentre eles, alguns, de ordem inferior, se iludem e julgam falar como quando vivos. Na Revista Espírita, fevereiro de 1858, podemos conhecer a história da aparição de Mlle. Clairon.

Não podemos esperar que todo ruído, pancada ou zumbido provenha da manifestação de um Espírito.

 

 

Bibliografia:

 

KARDEC, Allan. Livro dos Espíritos: Introdução

KARDEC, Allan. Livro dos Médiuns: Cap. XII, XIII, XVI

XAVIER, Francisco Cândido (André Luiz). Missionários da Luz: Cap. XVII:

XAVIER, Francisco Cândido (André Luiz). Nos Domínios da Mediunidade

KARDEC, Allan. Revista Espírita 1858 fevereiro; 1859, agosto; 1860, maio

Bíblia de Jerusalém: Daniel, 5.

 

 

PARTE B

 

COMUNICAÇÕES PREMATURAS

 

É vasto e amplo o conhecimento, a necessidade e a importância das comunicações entre o mundo invisível e o mundo material. A existência desse intercâmbio é ponto pacífico, não se trata mais de segredo ou mistério.

Abramos aqui uns parênteses para o estudo das Comunicações Prematuras, ou seja, o intercâmbio antes do perfeito ajuste e organização perispiritual do recém-desencarnado.

Quantas pessoas acorrem às casas espíritas na esperança de sufocar a saudade, a tristeza, aliviar o coração sofrido dilacerado face ao desencarne de entes queridos, através de comunicações escritas ou faladas. Muitas vezes uma palavra, uma lembrança, um pedido, traz um bálsamo incomensurável àquelas pessoas que não se conformam com a "perda" com a "morte". Saber onde está, como está, que de fato não há perda ou morte, mas apenas uma separação temporária, chega muitas vezes a tirar certas pessoas de graves doenças, crises de depressão profunda, da inconformidade. Esse intercâmbio traz consolo, conforto.

Mas, muitas vezes, essa comunicação não é possível, tendo em vista a prematuridade do desencarne, pois sabemos da fase de transição que o Espírito passa ao desencarnar.

Lembremo-nos do exemplo de André Luiz, o qual após ser acolhido, tratado e esclarecido na colônia de "Nosso Lar", em visita, na Terra, à sua família, ficou perturbado com as novas diretrizes que seus familiares assumiram.

Como tudo está sob a égide da Providência Divina, os benfeitores espirituais desaconselham as comunicações prematuras, retardando-as até que possam ser realizadas.

No livro "Mediunidade e Evolução", Cap. 20, Comunicações Prematuras, Martins Peralva ressalta quanto é importante esse aspecto: "A intranquilidade dos familiares, vergastados pela saudade cruciante, projeta dardos mentais de angústia e desespero que atingem, em consecutivo bombardeio, a organização perispiritual do recém-desencarnado, ferindo-lhe as fibras sensíveis do coração".

Salvo exceções, em que haja necessidade de determinadas comunicações com urgência, para determinadas finalidades previstas pela Espiritualidade Superior. Por isso a cautela, o esclarecimento aos familiares é indispensável. o médium educado, estudioso e harmonizado mentalmente, no momento do intercambio, auxiliará o Plano Superior de uma forma muito mais eficaz, sendo realmente um bom instrumento na comunicação.

Como nos diz Emmanuel em "Pão Nosso", na lição 66: "O espírito de serviço alcança a compreensão. A compreensão ganha humildade. A humildade conquista o amor. O amor gera a renúncia. A renúncia atinge a luz..."

 

Bibliografia:

 

XAVIER, Francisco Cândido (André Luiz). Nosso Lar

PERALVA, Martins - Mediunidade e Evolução – nºs 20, 25 e 43

Novo Testamento - Epístola de Paulo aos Efésios – Cap. 5:11 e 15

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Pão Nosso: Lição nº 66

PUGLIA, Silvia - C. S. C. - CDM

 

Questões para reflexão:

 

1) Faça um breve relato sobre a psicografia.

 

2) Descreva sucintamente corno se processa a pneumatografia e a pneumatofonia.

 

3) Explique porque os Benfeitores Espirituais desaconselham as comunicações prematuras.

 

4) Explique o que pode ocorrer no perispírito do desencarnado, em conseqüência da intranqüilidade dos familiares.

 

22ª AULA

 

PARTE A

 

LOCAIS ASSOMBRADOS

 

 

A superstição e o desconhecimento das leis que regulam a vida espiritual originaram a crença em locais assombrados. Histórias muitas vezes fantasiosas e lendas são criadas sobre tais lugares, dando a eles um toque de mistério que, geralmente, impressiona os incautos e que assustam crianças. Como ocorre com fatos extraordinários que o senso comum desconhece, a ignorância viu sempre nos fenômenos espíritas uma causa sobrenatural, e a fé cega complementou o erro, juntando- lhes absurdas crendices.

A ocorrência pode ser real, quando não é provocada por fraudes, mas não maravilhosa ou sobrenatural. Portanto, não existem lugares assombrados. Diz-nos Kardec em o "Livro dos Médiuns" que o fenômeno nada mais é do que "manifestações espontâneas verificadas em todos os tempos”, provocadas pela "insistência de alguns Espíritos em mostrarem a sua presença". Na mesma obra, questão 85, Kardec explica que as manifestações físicas tem por finalidade nos chamar a atenção para algo, além de nos convencer da presença de um poder que nos é superior.

Lembremo-nos de que foi por meio de uma manifestação espontânea desse tipo que a história do moderno Espiritualismo começou: as manifestações ocorridas em 1848 na casinha modesta da família Fox, em Hydesville, Estado de Nova Iorque (EUA), e que despertou o mundo para a realidade da vida espiritual.

Ainda hoje aqueles que desconhecem as leis que regem o intercâmbio entre desencarnados e encarnados, ou seja, a afinidade e a sintonia, encaram a manifestação dos Espíritos como aparições demoníacas ou dos gênios do mal, quaisquer que sejam as manifestações e ainda mais no caso dos ditos locais assombrados. Camille Flammarion na obra "As Casas Mal Assombradas" nos relata o caso da Rua das Nogueiras, em Paris, onde havia uma casa em que todos desistiam de morar, pelos inúmeros projéteis lançados em seu interior, vindos do nada e que chegavam a machucar quem lá estivesse. Um dos estudiosos do caso, o Marquês de Mirville, não chegando a nenhuma conclusão aceitável do que provocava o fenômeno, confessou, equivocado, que suas experiências só ajudaram-no a fortalecer sua crença na existência do demônio.

Segundo o Espiritismo, anjos e demônios não existem. Existem sim, Espíritos puros, no caso dos denominados "anjos" ou ainda devotados ao mal, quando os rotulamos de "demônios". Kardec elucida em "O Céu e Inferno" que "há Espíritos em todos os graus de adiantamento, moral e intelectual, na imensa escala do progresso. Em todos os graus existe, portanto, ignorância e saber, bondade e maldade".

Os Espíritos que se ocupam de manifestações físicas ou materiais são, comumente, os inferiores ou também designados por Espíritos batedores, pela mesma razão porque entre nós os torneios de força e agilidade são próprios dos saltimbancos e não de sábios. Geralmente assim procedem por serem levianos e brincalhões, quando se comprazem em fazer travessuras (ver questão 530 de "O Livro dos Espíritos"), ou que não gostam de fazer coisas úteis, ou são demasiadamente apegados à matéria e por outras razões. E o que levaria ainda um Espírito a produzir tais fenômenos? "Sua simpatia por algumas das pessoas que frequentam os lugares ou o desejo de se comunicarem com elas. Entretanto, suas intenções nem sempre são louváveis. Quando se trata de maus Espíritos, podem querer vingar-se de certas pessoas das quais tem queixas".

Contudo, qualquer seja a causa da manifestação, sempre é necessário que haja um médium por perto, pois o Espírito sozinho não consegue produzir o fenômeno. É preciso o médium que lhe forneça o fluido animalizado (ver questões 92 e 93 de "O Livro dos Médiuns").

O Espírito também pode ser forçado a permanecer num local como lição. É o caso de algumas localidades onde aconteceram crimes, como é relatado na "Revista Espírita" de fevereiro de 1860, em "História de um condenado". Em todos esses casos de manifestações, elas não se prendem a dias e horários específicos porque para os Espíritos o tempo é vivido de maneira diversa da nossa. A escuridão, o silêncio, o aspecto lúgubre do local, uma ruína, não favorecerão a realização do fenômeno, mas somente excitarão a imaginação da mentalidade pueril, embalada ainda pelos contos fantásticos que ouviu na infância. Para afastar esses Espíritos é preciso que os habitantes do local se melhorem, pois são os pensamentos e as intenções que ligam os desencarnados aos encarnados. Sessões de exorcismo de nada valem, ao contrário, divertem esse tipo de Espírito.

O melhor meio de expulsar um mau Espírito é atrair os bons, o que acontece quando fazemos o bem no limite das nossas forças. Dessa maneira, "os maus fugirão, pois o bem e o mal são incompatíveis. Sede sempre bons e só tereis bons Espíritos a vosso lado". Quando se trata de um Espírito sofredor que permanece no local, o melhor remédio é a prece para aliviar-lhe as dores. Kardec conclui que muitos Espíritos que se apegam a locais podem não se manifestar e mesmo sendo inferiores, não são necessariamente maus. "São mesmo, algumas vezes, companheiros mais úteis que prejudiciais, pois caso se interessem pelas pessoas podem protegê-las".

Fatos antiquíssimos, que nos acompanham desde sempre, certamente ainda perdurarão por um longo tempo, até que aprendamos a nos desapegar de tudo o que é material.

 

Bibliografia:

 

CAMARGO, Cid. O Casarão do General

DENIS, Léon. No Invisível. – 2ª Parte – Cap. XVI

FLAMMARION, Camille. As Casas Mal Assombradas

KARDEC, Allan. O Céu e o Inferno: Cap. X e XI

KARDEC, Allan. Livro dos Médiuns: 2ª parte – Cap. V e IX e 1ª parte – Cap. X, item 13

KARDEC, Allan. Revista Espírita: fevereiro/1860

PUGLIA, Silvia C. S. C. - CDM

 

 

PARTE B

 

PODERES PSÍQUICOS

 

Segundo o evangelista Marcos (6:56), certa vez quando Jesus estava em Genesaré, ao sair de uma barca, logo o povo o reconheceu e o seguiu, em busca de auxílio. Relata o Evangelho: "E onde quer que Ele entrasse nas aldeias, nas cidades ou campos, punham os enfermos nas praças, rogando-lhe que os deixasse tocar ao menos na orla da sua veste; e quantos o tocavam saíam curados". Jesus, o mais perfeito Espírito que veio à Terra, era possuidor de faculdades e virtudes muitíssimo superiores as da nossa humanidade terrestre, por isso, curava os enfermos por conhecer leis que ainda desconhecemos. "Agia por si mesmo, em virtude de seu poder pessoal, como o podem fazer, em certos casos, os encarnados na medida de suas forças (...). Segundo definição dada por um Espírito, ele era médium de Deus".

Contudo, mesmo tendo poderes em sua maioria ocultos aos olhos de muitos encarnados, Jesus curava com o objetivo de ser útil, de minorar as dores e não para satisfazer à curiosidade dos detratores e indiferentes, cumprindo a missão que recebera de Deus "porém nunca se prevaleceu dos milagres para se apresentar como possuidor do poder divino'.

Até os 12 anos de idade a vida de Jesus é desconhecida, mas nada leva a crer que tenha vivido uma rotina diferente do esperado. Nas narrativas de Lucas (2:41-52), ele aparece com essa idade no conhecido episódio do Templo, quando manteve um diálogo inteligente com os Doutores da Lei, surpreendendo a todos. Depois de seus pais irem buscá-lo no Templo, conta ainda Lucas que Jesus continua sua vida normalmente: "E crescia Jesus em sabedoria, estatura e graça, diante de Deus e dos homens" (2:52).

Pela ausência de informações sobre a vida de Jesus dos 12 aos 30 anos, surgiram as narrativas dos Evangelhos Apócrifos e a especulação de que ele teria passado esse tempo "em atividades iniciáticas na Índia, Egito, China ou qualquer outro lugar. Em geral essas especulações são cultivadas por pessoas sedentas de fantasias. Elas preferem ilusões às realidades prosaicas da vida e formam o caldo de cultura ideal para escritores inescrupulosos, que lhes exploram a ânsia pelo fantástico com falsas 'revelações ocultas".

Há ainda os que pretendem que Jesus tenha passado esse tempo com os essênios. Quanto a isso, diz Emmanuel, em "A Caminho da Luz": "O Mestre não obstante a elevada cultura das escolas essênias, não necessitou da sua contribuição. Desde os seus primeiros dias na Terra, mostrou-se tal qual era, com a superioridade que o planeta lhe conheceu desde os tempos longínquos do princípio.

Se Jesus nunca quis que suas naturais faculdades prevalecessem entre os homens, se nunca se serviu delas para procurar privilégios, por que ainda muitos de nós buscamos a aquisição de poderes psíquicos como forma de destaque?

Sabemos que o Mestre sempre combateu tradições vazias e ritos exteriores, distante da vaidade e da presunção.

Como, então, procedermos no exercício da mediunidade e com a percepção aguçada que muitas vezes nos assinala a presente encarnação?

"O anseio de melhorar-se, o desejo do equilíbrio, a intenção de manter a paz, constituem belos propósitos; no entanto, é recomendável que o aprendiz não se entregue às preocupações de notoriedade, devendo palmilhar o terreno dessas cogitações com a cautela possível", aconselha-nos Emmanuel.

E Emmanuel complementa: "Ainda aqui, o Mestre Divino oferece a melhor exemplificação".

A exemplificação do amor, da humildade, da mansuetude. Desde o começo de sua missão, em Cafarnaum, escolheu para seus discípulos homens simples, destituídos de glórias e de saber superior. Sua doutrina é bastante clara: "dirigia-se à multidão, sobretudo aos deserdados e aos humildes. Tudo nela era feito para mover os corações, para arrebatar as almas até ao entusiasmo, iluminando, fortalecendo consciências”.

Daí a necessidade do nosso aprimoramento interior, o estudo constante, para que possamos nos enriquecer espiritualmente, que é o que verdadeiramente importa. A busca constante pelo destaque social é perigosa armadilha que acaba por nos comprometer cada dia mais.

Quando Jesus se despediu de seus discípulos nas suas últimas instruções disse: ''Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros" (João, 13:35).

Emmanuel que nos aconselha: "Se já recolheste migalha de luz, diminui a sombra no outro. Vê-lo-ás, em toda parte, esperando-te auxílio

(...) A árvore é julgada pelos frutos. A criatura é vista pelas próprias obras. Em todos os sucessos que partilhemos, alguém nos carrega a imagem. Aquilo, pois, que fizeste ao outro, a ti mesmo fizeste. Trabalho em prol do semelhante e humildade, só assim conseguiremos que a figura luminosa do Cristo Redivivo habite no íntimo de nosso ser.

 

Apêndice:

"Obras Póstumas" - 1ª Parte - Estudo sobre a natureza do Cristo - Item II

 

Bibliografia:

 

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito Emmanuel). Caminho, Verdade e Vida:

Capítulo 70

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito Emmanuel). Religião dos Espíritos: O outro

Bíblia de Jerusalém: Evangelho de Marcos. Capítulo 6, versículo 56

KARDEC, Allan. A Gênese: Capítulo XV - item 2

PUGLIA, Silvia C. S. C. - CDM

DENIS, Léon. Cristianismo e Espiritismo – cap. III

 

Questões para reflexão:

 

1) Comente sobre a superstição que acompanha o caso dos locais assombrados.

 

2) Explique que tipo de Espírito se liga aos chamados locais assombrados e o que fazer para afastá-lo.

 

3) Comente sobre as faculdades superiores de Jesus.

 

4) Comente a necessidade da busca de valores espirituais para auxiliar nosso semelhante.

 

 

23ª AULA

 

PARTE A

 

MEDIUNIDADE DOS APÓSTOLOS

 

"Se alguém julga ser profeta ou inspirado pelo Espírito, reconheça um mandamento do Senhor nas coisas que estou escrevendo para vocês" (Paulo, aos Coríntios).

 

A mediunidade e Jesus

Quando Jesus recomenda a seus doze discípulos a divulgação de que o "reino do Céu está próximo" fica evidenciado, aos que estudaram ou vivenciam esse fenômeno, que o Mestre se referia à era da faculdade mediúnica. Entretanto, por conta dos tradutores ou dos teólogos, essa realidade ficou comprometida no texto bíblico. Entretanto, como é impossível "tapar o sol com uma peneira", podemos perfeitamente identificá-la, apesar de todo o esforço para escondê-la.

Abaixo, vários relatos do Novo Testamento, nos quais se observa mediunidade dos apóstolos, como Jesus havia lhes falado.

 

O Evangelista Mateus narra o seguinte:

"Eis que eu vos envio como ovelhas entre lobos. Por isso, sedes prudentes como as serpentes e sem malícia como as pombas. Guardai- vos dos homens: eles vos entregarão aos sinédrios e vos flagelarão em suas sinagogas. E, por causa de mim, sereis conduzidos à presença de governadores e de reis, para dar testemunho perante eles e perante as nações. Quando vos entregarem, não fiqueis preocupados em saber como ou o que haveis de falar. Naquele momento vos será indicado o que deveis falar, porque não sereis vós que estareis falando, mas o Espírito de vosso Pai é que falará em vós". (Mt, 10:16-20)

 

Sobre a transfiguração de Jesus, em Marcos, cap. 9:2-8, encontramos:

"Seis dias depois, Jesus tomou consigo a Pedro, Tiago e João, e os levou, sozinhos, para um lugar retirado sobre uma alta montanha. Ali foi transfigurado diante deles. Suas vestes tornaram-se resplandecentes, extremamente brancas, de uma alvura tal como nenhum lavadeiro na terra as poderia alvejar. E lhes apareceram Elias com Moisés, conversando com Jesus: Rabi, é bom estarmos aqui. Façamos, pois, três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias. Pois não sabia o que dizer, porque estavam atemorizados. E uma nuvem desceu, cobrindo-os com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: "Este é o meu Filho amado; ouvi-o" E de repente, olhando ao redor, não viram mais ninguém: "Jesus estava sozinho com eles".

 

Referente ao dia de Pentecostes, afirma o livro dos Atos dos Apóstolos, que, estando os discípulos de Jesus reunidos num cenáculo, celebrando o Dia de Pentecostes, foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles, que passaram a falar várias línguas (mediunidade poliglota), de forma que ali se produzisse estrondosa manifestação espiritual, fazendo com que despontasse, de forma coletiva, a mediunidade dos apóstolos, o que, naquela época era um fato inusitado, e que passaram a se comunicarem facilmente com os forasteiros de todas as nações que naquela época estavam em Jerusalém. (Cap. 2:1-4).

Fato semelhante aconteceu, um pouco mais tarde, nomeado como o Pentecostes dos pagãos: "Pedro ainda estava falando, quando o Espírito Santo desceu sobre todos os que ouviam a Palavra. Os fiéis de origem judaica, que tinham ido com Pedro, ficaram admirado que o dom do Espírito Santo também fosse derramado sobre os pagãos. De fato, eles os ouviam falar em línguas estranhas e louvar a grandeza de Deus ..." (At 10:44-46).

 

Xenoglossia, na definição do Dicionário Eletrônico Aurélio é: a fala espontânea em língua(s) que não fora(m) previamente aprendida( s).

 

A respeito da libertação de Pedro da cadeia: a libertação de Pedro da prisão é organizada por um Anjo do Senhor que nada mais é que um espírito superior materializado. Ele o conduz pelos obstáculos e pelos guardas sem que haja qualquer dificuldade. Chega a libertá-lo das correntes que o prendiam. A clareza deste trecho é emocionante. De repente, sobreveio o Anjo do Senhor e uma Luz brilhou no cubículo. Tocando a parte de Pedro, o Anjo fê-lo erguer-se, dizendo: ''levanta- te depressa!” E cairam-lhe as correntes das mãos. (Ato dos Apóstolos 12:7).

 

Pedro cura um paralítico em Lida: "Aconteceu que Pedro, que deslocava por toda parte, desceu também para junto dos santos que moravam em Lida. Encontrou ali um homem chamado Enéias, que havia 8 anos estava de cama: era paralítico. Pedro então lhe disse: "Enéias, Jesus Cristo te cura! Levante-se e arruma teu leito". Ele imediatamente levantou-se. Viram-no todos os habitantes de Lida e da planície de Saron e se converteram ao Senhor".

 

Conversão de Paulo: Saulo como Doutor da Lei, tinha plenos poderes de perseguir e efetuar prisões aos seguidores do Nazareno. Seguiu para cidade Damasco, a procura e prisão de Ananias. Durante o percurso, uma espessa nuvem de poeira cobria a estrada. Já se avistava a cidade de Damasco quando Saulo, envolvido por um brilho estranho, jaz em terra, mergulhando na mais completa escuridão em pleno meio-dia. Estava cego. Seguiu-se outra luz que banhou seus olhos e nela surgiu um homem vestindo túnica com pontos luminosos e cabelos a nazareno, que lhe falou com voz amorosa: "Saulo, por que me persegues"? O Doutor da Lei não compreendia o que se passava. Como somente ele via aquela majestosa figura, perguntou: "Quem sois vós, Senhor"? Então o homem disse: "Eu sou Jesus, a quem persegues". Em prantos, Saulo perguntou: "Senhor, que queres que eu faça"? "Entre na cidade e saberás o que fazer", foi a resposta.

Um homem objetivo e teimoso, quanto Saulo de Tarso, desenvolve a clarividência, de um momento para outro, vê o próprio Cristo, às portas de Damasco, e lhe recolhe as instruções. E porque Saulo, embora corajoso, experimente enorme abalo moral, Jesus, condoído, recorre a Ananias, médium clarividente na aludida cidade, e pede-lhe o socorro para o companheiro que encetava a nova tarefa.

 

Bibliografia:

 

KARDEC, Allan. A Gênese: Cap. XV, itens 15, 43 e 44, 56 a 62

Bíblia de Jerusalém: Atos dos Apóstolos: 2:1-4; 4 - 6; 10:44-46; 12:7 – Mateus 10:16-20 - Paulo, I Coríntios

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito Emmanuel). Espírito de Verdade: item

23

SCHUTEL, Cairbar. Vida e Atos dos Apóstolos

 

PARTE B

 

A CURA DE UM COXO E O

DISCURSO DE PEDRA

 

Pela falta de conhecimento, as curas realizadas por Jesus e pelos seus Apóstolos, bem como as curas narradas no Antigo Testamento são entendidas como milagres, fenômenos sobrenaturais. Na realidade, nada mais são do que a manipulação de fluidos, através da ação psíquico-magnético, por terem o conhecimento de sua utilização, uma vez que fazem parte das Leis Divinas. Estas manipulações fluídicas são realizadas em prol de auxiliar e socorrer os necessitados conforme os desígnios de Deus. Podemos estudar e observar estes fatos, narrados tanto no Antigo como no Novo Testamento, pelas elucidações neles contidas.

Quando o Mestre disse: "Ide por toda a parte, curai os enfermos, expeli os demônios e anunciai o Evangelho", podemos compreender que através da força do nosso pensamento ( energia em movimento) aliada ao magnetismo que cada um é detentor, somos capazes de irradiar, socorrer e auxiliar aos necessitados.

Durante o tempo que seguiram Jesus, os apóstolos deram inicio ao seu aprendizado, se alicerçaram para por em prática as suas atividades mediúnicas, após o regresso do Mestre a verdadeira vida que é na pátria espiritual. Fortaleceram-se depois de receber comunicações mediúnicas no Cenáculo - no dia de Pentecostes.

Pedro e João subiram ao templo, para a oração da hora nona. E era levado um homem, coxo de nascença, o qual punha cada dia à porta do templo, a chamada Formosa, para pedir aos que entravam, e este vendo a Pedro e João, que iam entrar no templo, implorava-lhes que lhe dessem uma esmola. Pedro fitando os olhos nele, juntamente com João, disse: Olha para nós. E ele, esperando receber deles alguma coisa, olhava-os com atenção. Mas, Pedro disse: Não tenho prata nem ouro, mas o que tenho isso te dou; em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, anda. E tomando-o pela mão direita, o levantou; e logo seus pés e artelhos se firmaram e, dando um salto, pôs-se de pé, e começou a andar; e entrou com eles no Templo, andando, saltando, e louvando a Deus. E todo o povo o viu andar e louvar a Deus, reconhecendo ser este o homem que se assentava a esmolar à Porta Formosa do Templo, todos ficaram cheios de admiração e pasmo pelo que lhe acontecera - Atos – III - 1 a 10.

Nesta passagem observamos:

Os Apóstolos (eram destituídos de bens, eram na sua maioria pescadores); prata e ouro não tinham, mas tinham o "dom de Deus" que superava e supera a tudo que é material.

Que a cura do coxo foi feita por processo psico- magnético (mente e fluido material), onde eles empregaram a fixação dos olhos (Pedro diz: “olha para nós"), e também ter estabelecido o contato com o doente (Pedro tomando-o pela mão direita, o levanta). Os membros entorpecidos do coxo adquiriram vigor, ele firmou-se nos pés. A cura fora rápida.

O povo daquela época, como é muito natural, pasmo e cheio de admiração pelo fato acontecido, ficou em torno de Pedro e João, com os olhos fixos, sem compreender como tinha ocorrido aquela cura e como puderam eles operar.

Pedro ao falar para o povo, exaltando o poder de Deus, de Abrahão, de Isaac e de Jacob, que glorificou a Jesus, que pela fé do coxo, o auxiliou, pela mediunidade de cura que ambos possuíam, aquele homem se restabelecera. Este acontecimento deu-se no Pórtico de Salomão.

 

"Histeria e Fenômenos Psíquicos - As Curas Espíritas", obra de Cairbar Schutel, enriquece, ainda mais, nosso conhecimento sobre as curas.

Vale salientar apenas que, todos somos médiuns, cada um dentro do seu grau de evolução e necessidade de burilamento em busca da perfeição. "Dai de graça o que de graça recebeste" eis o que nos diz o Mestre. Que possamos doar o nosso melhor em auxilio ao nosso próximo, pois o primeiro a ser beneficiado somos nós próprios.

Aceitemos o convite que o Mestre nos faz, quando diz: "Levanta-te, toma o teu leito e anda" - João 5: 8. A palavra do Senhor é sempre luz direta, nos impulsionando para a frente e para a evolução. Se ficarmos aprisionados no leito da ignorância e da imperfeição, nunca nos libertaremos das correntes maléficas. Emanuel nos alerta que: "Se egoísmo e orgulho, inveja e ciúme, cobiça e vaidade ainda nos prendem o coração ao catre do infortúnio, ouçamos o convite do mestre e levantemos".

E ao erguermos pela fé, saberemos sofrer a consequência ainda amarga de nossa própria sombra, caminhando, por fim, ao encontro da Luz. Para fortalecimento, recorramos à oração, que nos entrosará às Leis Divinas.

Se a cura demorar jamais nos aflijamos e busquemos o socorro da oração. E que lembremo-nos, no entanto, de que lesões e chagas frustrações e defeitos, em nossa forma externa, são remédios da alma que nós mesmos pedimos à farmácia de Deus.

 

Bibliografia:

 

SCHUTEL, Cairbar. Vida e Atos dos Apóstolos: lição "A cura de um Coxo e o Discurso de Pedra".

SCHUTEL, Cairbar. Histeria e Fenômenos Psíquicos: As Curas Espíritas

XAVIER, Francisco Cândido (Espíritos Diversos). Ideal Espírita: lição 42

XAVIER, Francisco Cândido (Emmanuel). Seara dos Médiuns: lição Oração e Cura

 

Questões para reflexões

 

1) Comente a libertação de Pedro.

 

2) Descreva o que ocorreu com Saulo na Estrada de Damasco.

 

3) Comente a importância da mediunidade nos trabalhos de cura.

 

4) No caso especifico da “cura do coxo” explique o processo utilizado.

 

 

24ª AULA

 

PARTE A

 

INSUCESSOS MEDIÚNICOS

DESASTRE ESPIRITUAL

 

"Das cidades, colônias e demais núcleos espirituais do Espaço, constantemente partem, com destino à Terra, trabalhadores que pediram ou receberam, como dádiva do Alto, tarefas de serviço ou de resgate. no campo nobilitante da mediunidade". ("Mediunidade" - Edgar Armond).

Enquanto nos encontramos na erraticidade a Espiritualidade nos auxilia a nos prepararmos para que tenhamos condições de realizar as tarefas a que nos propomos ou que nos são impostas de acordo às nossas necessidades de evolução.

Entretanto, ao reencarnarmos partimos mentalizando as mais nobres intenções, amparados por nossos mentores, convictos que vamos vencer a longa jornada que se inicia. Infelizmente, na maioria das vezes, quando chega o momento de colocarmos em prática aquilo que nos comprometemos ou nos foi designado, acabamos por nos enredar pelas vicissitudes que nos desviam por completo de nossos compromissos.

Os dirigentes das instituições do Espaço comentam que a maioria dos médiuns não triunfa em suas tarefas e acaba por fracassar apesar de todo auxílio que recebem dos planos invisíveis ("Mediunidade" - Edgar Armond).

André Luiz exemplifica vários casos de cooperadores de "Nosso Lar", que faliram nas missões da mediunidade e da doutrinação (Os Mensageiros). Esclarece ainda que alguns alcançaram resultados parciais nas tarefas a desenvolver, mas a maioria tem fracassado ruidosamente.

Vemos assim que o comportamento de quem reencarna com obrigações definidas, no setor mediúnico, é objeto de preocupação dos amigos da vida espiritual ("Mediunidade e Evolução" - Martins Peralva).

A causa geral dos insucessos mediúnicos é a ausência da noção de responsabilidade e da recordação do dever a cumprir (Edgar Armond).

Esses fatores, associados ao despreparo espiritual e doutrinário, evangélico e moral, podem ocasionar consequências imprevisíveis.

Segundo Martins Peralva diversos tipos de comportamento levam o médium ao fracasso:

- Fuga do serviço, sob alegações pueris;

- Repudio à faculdade, temerosos do sofrimento;

- Negligência às tarefas;

- Trabalhos com má-vontade;

- Cultivo de dúvidas infundadas;

- Menosprezo dos dons mediúnicos conferidos com vistas ao aperfeiçoamento;

- Valorização de argumentos e opiniões de pessoas que não podem compreender a grandeza da tarefa mediúnica;

- Insegurança interior;

- Cultivo de caprichos individuais;

- Importância excessiva ao problema das considerações públicas;

- Abraçar as tarefas sem identificar -lhes a grandeza e excelsitude;

- Deturpar a função mediúnica;

- Praticar atos estranhos ao pensamento doutrinário;

- Objetivos inferiores, dissociando o serviço de intercâmbio do imperativo evangélico.

 

Os motivos que levam o médium à deserção de seus trabalhos são vários. Martins Peralva os resume:

- A desconfiança dos encarnados pode, ferindo-lhe a suscetibilidade, fazê-lo abandonar a tarefa;

- Pouca importância aos avisos e advertências de irmãos desencarnados;

- A autodesconfiança, com excessivo receio de mistificações ou animismo;

        - Refratariedade a conselhos ou críticas construtivas de companheiros mais prudentes e experimentados, deixando-se levar pelo melindre.

 

Além desses motivos, o engano por transitórias facilidades materiais faz com que médiuns promissores acabem por abandonar os compromissos assumidos tomando-se companheiros fracassados de ideais mais nobres. "Há inúmeros médiuns que se propõem a instruir e escrever, falar e materializar, aliviar e consolar, em nome dos Mensageiros da Luz; entretanto, não passam da região do "muito desejo." ("Seara dos Médiuns" - Emmanuel).

Também o desenvolvimento prematuro de faculdades mediúnicas tentando forçar sua floração espontânea, é desaconselhável por todos os títulos, podendo incorrer em resultados imprevisíveis. Conforme comenta Emmanuel, a mediunidade é como um botão de rosa, que não desabrocha, que não se converte em rosa antes do tempo. Botão violentado, pétalas despedaçadas.

A simples falta de dedicação aprofundando-se no estudo pode levar o médium a desorientar-se e perder-se num manancial de ilusões a se envolver num sincretismo deturpador das orientações concentradas no Espiritismo, chegando a casos mais graves como a comercialização da mediunidade ou práticas desvirtuadas dos seus propósitos elevados.

Dentre os fatores que acabam por destruir o trabalho que o médium se comprometeu a realizar, destaca-se a obsessão. Infelizmente, a maioria dos tarefeiros da mediunidade, dada à imperfeição moral, ainda não alcançou a faixa sublime aonde operam os mensageiros do amor, motivo pelo qual verificamos frequentes casos de obsessões dolorosas impedindo a realização de obras que seriam conduzidas pelos médiuns.

Obsessões tidas como simples, até são facilmente identificáveis pelo médium e, mantendo-se vigilante, saberá lidar com essa possibilidade que, conforme comenta Kardec (Livro dos Médiuns), terá o inconveniente de atrapalhar as comunicações com os Espíritos. Entretanto, há os casos graves, como a fascinação e a subjugação, explicados em detalhes no capítulo dedicado às obsessões em "O Livro dos Médiuns".

Essas obsessões paralisam a capacidade do médium de entendimento tornando-o joguete nas mãos de entidades perversas, culminando em instruções infundadas e na falta de discernimento que não lhes permite compreender as tolices de que são intérpretes e as publicações inoportunas com graves falhas doutrinárias que realizam.

Kardec comenta que a obsessão é um dos maiores obstáculos da mediunidade e recomenda providências imediatas para combatê-la. É sabido que imperfeições morais dão acesso aos Espíritos obsessores. O meio mais seguro para deles se livrar é atrair os bons pela prática do bem.

Médium inconstante, volúvel, saltitante, ora aqui, ora acolá, semanas no trabalho, meses na ociosidade, não inspira confiança nem aos mentores espirituais, nem aos companheiros de tarefa. Os obreiros do Senhor necessitam de instrumentos firmes, abnegados, valorosos na fé, perseverantes, sem embargo das limitações comuns a todos nós, mas esforçados em sua remoção (Martins Peralva).

Sabemos que a Misericórdia Divina dá a aquele que falhou incessantes e renovadas oportunidades de redenção. Deus, Pai Amoroso e Justo, concede-nos os recursos da reabilitação plena. Temos ao nosso dispor infinitas oportunidades de trabalho, mas, para atingirmos os resultados precisos, é imprescindível que renunciemos ao inferior e nos esforcemos constantemente para nos mantermos ligados ao Alto.

"Orai e vigiai" é a recomendação de Jesus.

 

 

Bibliografia:

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito André Luiz). Os Mensageiros

ARMOND, Edgard. Mediunidade

PERALVA, Martins. Mediunidade e Evolução

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito Emmanuel). Seara dos Médiuns

 

 

PARTE B

 

CONHECEREIS A VERDADE

E A VERDADE VOS LIBERTARÁ

 

O conceito de verdade é algo que tem desafiado a humanidade desde os seus primórdios, desde os primeiros filósofos da Grécia antiga que debateram sua natureza. Discutiram se sua realidade era absoluta, relativa ou ilusória. Nenhum deles chegou a uma conclusão definitiva, ainda que existam muitos conceitos diferentes sobre ela.

O Espírito Emmanuel comenta que, ainda hoje, dada à profunda diversidade das mentes é impossível, por enquanto, a exposição da realidade plena espírito. "Vemos verdades estagnadas nas igrejas dogmáticas, verdades provisórias nas ciências, verdades progressivas nas filosofias, verdades convenientes nas lides políticas e verdades discutíveis em todos os ângulos da vida civilizada." (Vinha de Luz, 175).

O que tratamos sobre este tema é que, no plano individual, Jesus é a verdade sublime e reveladora. A tão conhecida frase "Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará" é proveniente de um discurso travado entre Jesus e os Fariseus. O Mestre citava que "Se permanecerdes na minha palavra, sereis meus verdadeiros discípulos; conhecereis a verdade e a verdade vos libertará". Falava Jesus de uma liberdade espiritual para aqueles que seguissem os seus preceitos. E complementava logo a seguir: "Todo homem que se entrega ao pecado é seu escravo", afirmação que faz todo sentido pelo que podemos verificar no nosso próprio dia-a-dia. Quanto mais nos apegamos às coisas materiais, mais cegos ficamos para aquelas que são os verdadeiros tesouros, que de fato nos conduzem à felicidade verdadeira.

A mensagem bíblica ensina que não há liberdade na mentira. A liberdade procede da verdade, e a verdade está nos ensinamentos de Jesus.

Conhecer a verdade é conhecer o próprio Cristo. Isto implica em amá-lo, acatá-lo, honrá-lo e seguir fielmente os seus ensinos.

Para se levar em conta a verdade, é preciso considerar que a fé está relacionada ao seu reconhecimento. Isso significa que a verdade se identifica com a verdadeira e correta doutrina; a pregação do Evangelho é denominada "palavra da verdade". Aprendemos que Cristo veio ao mundo para dar testemunho da verdade. O reconhecimento da verdade, por outro lado, corresponde a uma libertação. Sua libertação não se refere a um reconhecimento racional, que isente de erros e preconceitos: a verdade nos liberta espiritualmente, enobrecendo nossas virtudes.

Só existe verdadeira liberdade na submissão ao dever fielmente cumprido. Emmanuel assim se expressa: "Quem apenas vislumbra a glória ofuscante da realidade, fala muito e age menos. Quem, todavia, lhe penetra a grandeza indefinível, age mais e fala menos".

Se nossa escolha é livre, ela pode tender tanto para o bem quanto para o mal. Optando pelo bem, teremos como conseqüência novos atos livres no bem, o que aumenta a nossa liberdade; ao contrário, optando por atos viciosos, teremos de arcar com as conseqüências, o que diminui a nossa liberdade. A escolha de um vício faz-nos ficar presos a ele. Em outras palavras, a pessoa não é livre, está escravizada ao vício, seja ele qual for. Podemos extrapolar este mesmo raciocínio para quaisquer vícios ou vicissitudes presentes na humanidade nos atrelam à vida material.

À medida que nos elevamos espiritualmente, tanto em termos de conhecimento como em termos morais, vamos nos desvencilhando ilusões que a vida material nos enreda. Vamos nos libertando, abrindo novos horizontes para a vida espiritual. Quando a verdade brilhar em nosso caminho, veremos que o erro, as admoestações, as tribulações não representam espantalhos, mas sim lições valorosas que têm como objetivo central afastar-nos do mal, da vaidade e do tolo egoísmo.

Emmanuel comenta que embora a tribulação seja a tormenta da alma, ninguém deveria olvidar-lhe os benefícios (Vinha de Luz, 119), ou seja a libertação da nossa alma dos apegos às coisas materiais e aos desmandos da inteligência viciosa.

À medida que seguimos os ensinamentos dispostos no Evangelho colocando de fato em prática as orientações iluminadas que lá se encontram, deparamos com a Verdade. Processa-se dentro de nós grande transformação que gradativamente nos eleva a um nível de compreensão tão elevado que passamos a encarar a tudo e a todos que nos cercam com olhos de entendimento. “O homem passa então a observar a experiência sob outros prismas, elege mais altos padrões de luta, descortina metas santificantes e identifica-se com horizontes largos” ("Vinha de Luz", 175).

Esta é a tão sonhada liberdade, livre de preconceitos, de apegos, descompromissada das coisas materiais e fortemente comprometidas com a causa do Espírito, penetrando mais intensamente na órbita da Verdade.

 

Bibliografia:

 

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito Emmanuel). Vinha de Luz

Bíblia de Jerusalém: Novo Testamento. João 8:32

 

Questões para reflexão:

 

1) Relacione alguns tipos de comportamentos que conduzem o homem ao insucesso em suas tarefas mediúnicas.

 

2) Segundo Kardec a obsessão é um dos maiores obstáculos da mediunidade. Cite alguns meios de combatê-los.

 

3) Analise o ensinamento de Jesus: "conhecereis a verdade e a verdade vos Libertará".

 

4) Descreva as conseqüências de nossas escolhas: e faça a diferença entre aqueles que optam pelo bem e os que optam pelos vícios.

 

 

25ª AULA

 

PARTE A

 

RENOVAÇÃO NECESSÁRIA

(DIZES-TE)

A Doutrina Espírita nos mostra os efeitos da aplicação da Lei do Amor no cotidiano. Gradativamente, aperfeiçoamo-nos durante existências, por meio da renovação de pensamentos, conceitos e atitudes.

Paulo nos diz na 1ª Epístola aos Tessalonicenses (5: 19): “Não extingais o Espírito”, isso significa que não devemos deter as nossas possibilidades de engrandecimento e na condição de encarnados, sempre podemos operar a transformação do homem velho para o homem novo, buscando a cada dia, vivermos com alegria e entusiasmo, regozijando-nos sempre e agradecendo as bênçãos que recebemos através da misericórdia divina.

No livro "O Espírito da Verdade" lição 54, os espíritos no convidam à reflexão: "Assim, escuta no íntimo, em cada lance das próprias atividades, a austera palavra do Condutor Divino, convocando-te à coerência entre o ideal e o esforço, entre a promessa e a realização”, busquemos nos conhecermos intimamente, tracemos uma rota a seguirmos, estabelecendo normas para nos guiarmos e, somente assim, estaremos valorizando a benção da encarnação.

Não basta apenas nos convertermos a esta ou àquela fé, é preciso conquistarmos e cultivarmos valores morais e imperecíveis, nos preparando para um futuro repleto de bênçãos. Jesus nos deixou o meio de nos redimirmos pelo amor e pela renovação. Devemos nos tornar fiéis e sinceros aos propósitos divinos reservados para cada um de nós; muitas vezes nos convertemos a uma crença, porém, não nos transformamos e, por não aceitarmos a verdade com humildade, os sofrimentos surgem para nos alertar de que não estamos nos conduzindo bem perante as Leis Divinas.

Ao despertarmos para a realidade espiritual e para as responsabilidades assumidas perante o Criador, necessário se faz o esforço no combate ao egoísmo e ao orgulho; que tão somente pela caridade, assentemos os tijolos de nossa construção individual; que preparemos com fé e otimismo, a argamassa da boa vontade, canalizando a água da Verdade com pleno conhecimento da Lei de amor, ligando-nos à corrente da luz em busca do equilíbrio e da harmonia.

Paulo, nas suas cartas dirigidas às comunidades por ele fundadas, vislumbrou, como ninguém, as claridades dos ensinamentos divinos, e na 1ª carta aos Tessalonicenses (5:8): "Mas nós que somos do dia, sejamos sóbrios, vestindo-nos da couraça da fé e do amor, e tendo por capacete a esperança da nossa redenção", e em Efésios (4:32) "Antes sede uns para com os outros benignos, misericordioso, perdoando-nos uns aos outros, como também Deus nos perdoou em Cristo", mensagem de fácil compreensão para que ecoe em nós a renovação com o Cristo, para o Cristo e pelo Cristo.

Na questão n° 886 de "O Livro dos Espíritos" - Qual o verdadeiro sentido da palavra Caridade, como a entendia Jesus? "Benevolência para com todos, indulgência para com as imperfeições alheias e perdão para as ofensas", enfim, caridade é o amor em ação, e a prática do bem, porque abrange todas as fases do nosso aperfeiçoamento e, Jesus é o Caminho para a renovação, a Verdade para a libertação e a Vida para vivermos em plena harmonia.

 

Bibliografia:

 

KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos

Internacionais, os Gideões. O Novo Testamento - Edição revista e corrigida 1995 - Sociedade Bíblica de Londres e do Brasil.

KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo

VINICIUS, (Pedro de Camargo). Em torno do Mestre

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito Emmanuel). Vinha de Luz

 

 

PARTE B

 

NA EXALTAÇÃO DO AMOR

 

Jesus, durante a sua breve passagem na Terra, sempre exaltou através do exemplo vivo, o amor em todas as suas nuances. Outros personagens que passaram pela história, também o exemplificaram intensivamente através do trabalho e da dedicação ao próximo; isso nos mostra que, para servirmos e amarmos os nossos semelhantes, tão somente querermos, mentalizarmos e sobretudo, agirmos para que o amor possa se realizar.

Paulo, na carta aos Colossenses (3:14) nos diz; "E, sobre tudo isso, revesti-vos da caridade, que é o vínculo da perfeição", observemos que mesmo em prisão domiciliar, necessitando de consolo, ele não permitiu que sentimentos contrários o dominassem, e com o pensamento voltado para as necessidades da pequena mas importante comunidade, fez o irrecusável convite para que qualquer feito fosse realizado com o coração.

No Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. XI, item 8, os Espíritos nos encorajam: "Feliz aquele que, sobrelevando-se à humanidade, ama com imenso amor os seus irmãos em sofrimento! Feliz aquele que ama, porque não conhece as angústias da alma nem as do corpo. Tenhamos a certeza de que o amor nutre os nossos sentimentos, nos renova e nos conduz ao progresso e, tal qual o Filho Pródigo, Deus nos acolherá em seu Reino de paz, amor e harmonia.

Em vez de exaltarmos a dor e o sofrimento, devemos ressaltar todas as bênçãos recebidas pela misericórdia divina. Pensemos em Jesus, nosso Guia e Modelo, no seu trabalho voltado para a verdadeira fraternidade:

"Unir todos os seres pelo amor, para o amor e por amor" e, para exaltar o seu amor pela humanidade, sequer hesitou em acolher, amparar, aconselhar e defender a todos que o ouviam, sempre com o olhar, o sorriso e o abraço amigo para os sedentos e famintos de alimento espiritual, deixando amplamente expresso, de que todos nós podemos e devemos atentar para irmos ao encontro do próximo.

Em "Pão Nosso", na lição 150, Emmanuel nos esclarece: "'Todos nós guardamos a dívida geral de amor uns para com os outros, mas esse amor e esse débito se subdividem através de inúmeras manifestações", isso nos lembra a Natureza com suas paisagens, circunstâncias e situações, ou seja, devemos algo de amor em diversas expressões, saibamos dar em vez de recebermos para que possamos gradativamente resgatar o amor para com todos, iniciando para conosco mesmo.

O Espírito Joana D' Angelis, por intermédio do médium Divaldo Pereira Franco, na lição 21 do livro "Estudos Espíritas", nos diz: "O amor por eleição procede das fontes íntimas do sentimento e se expressa na oscilação variável de impulsos imediatos desde a brutalidade em que se exterioriza, animalizado, até as excelentes manifestações do fervor estético e estésico, em que se sublima nas culminâncias da santidade". Isso nos amplia a compreensão de que todos os seres amam e exteriorizam esse sentimento conforme o grau evolutivo em que se encontre.

Na lição n° 78 do Livro o Espírito da Verdade, "Na marcha ascendente para o Reino Divino, o amor é a Estrada Real; as outras vias chamam-se experiências que a Eterna Sabedoria, ainda por amor, traçou a grande viagem das almas para que o Espírito humano não se perca." Reflitamos sobre a transcendental questão: fomos criados por Ato de Amor, vivemos e respiramos pelo Amor e caminhamos lado a lado com os nossos irmãos, guiados pelo Amor de Jesus para que encontremos o Amor Divino.

 

Bibliografia:

 

KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos

Internacionais, os Gideões. O Novo Testamento - Edição revista e corrigi da 1995 - Sociedade Bíblica de Londres e do Brasil.

KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo

XAVIER, Francisco Cândido; VIEIRA, Waldo (Diversos Espíritos). O Espírito da Verdade

XAVIER, Francisco Cândido (Espírito Emmanuel). Pão Nosso

FRANCO, Divaldo Pereira. Estudos Espíritas.

PUGLIA, Silvia C. S. c. - CDM

 

Questões para reflexão:

 

1) Sabendo que o Espírito é imortal, comente a expressão de Paulo: ''Não extingas o Espírito".

 

2) Após a aula renovação necessária, observa-te, e dizes como estão os teus sentimentos em relação a ti e aos outros.

 

3) Explique como o homem no estágio atual em que se encontra pode exaltar o amor em sua feição simplificada.

 

4) Comente a afirmação: ''Na marcha ascendente para o Reino Divino o amor é a Estrada Real".